ArticlePDF Available

A new subspecies of Caprimulgus (Linnaeus) (Aves, Caprimulgidae) from Espírito Santo, Brazil

Authors:

Abstract

A population of a small and dark nightjar was discovered at Colatina, Espírito Santo, and has been identified by its voice and pattern of coloration as a new subspecies of the Pygmy Nightjar Caprimulgus hirundinaceus (Spix, 1825). This represents a considerable range expansion for this poorly known species, formerly considered endemic to the xeric "caatinga" region of Northeastern Brazil. However, other populations may exist. Colatina's birds live on exposed dark rocks with which their plumage harmonizes.
NOVA
SUBSPÉCIE
DE
CAPRIMULGUS (LlNNAEUS) (AVES,
CAPRIMULGIDAE)
DO
EspíRITO SANTO, BRASIL
Rúmulo
Rihon I
ABSTRACT. A
NEW
SLlBSPEC
I
ES
OF
I'RIMULGUS
(UNNAEIIS)
(AVlõ\.
CAPRIMUl.ü
lll
AE)
FROM
EwíKITO
SANTO.
BRAZIL.
A
populalion
of a
sma
ll
aml
dark
nightjar
was
dis
cow
r~d
at
Co
l
ati
n
a.
Espírito
Sanlo.
and
has
h~~n
id~ntifi~d
hy
its
vo
i
c<!
and
patt~rn
of
~o
l
llratilln
as
a
n~w
suhsp~ci~s
01"
th<!
Pygmy
Nightjar
Caprillllllglls hirundinacclIs
(Spix.
1825
).
This
repres~nls
a
considerahk
range
expansilln
for
thi
s
poorly
known
speci~s.
formcrly
cons
ida
<!d
cnd<!mic
t
,)
th~
xeric
"caat
in
ga"
r~gion
of
Northeastcrn
Brazil.
How<!vcr.
otha
popu
la
ti
ons
n\ll
y
~xist.
Co
latina
's
birds
li
ve
on
cxposcd
dark
rocks
with
which
their
plumage
ha
rm
onizes.
KEY
WORDS.
Aws.
Capt7l11l1lglls
hirtmdinacel~'.
n<!w
subsp~cies.
Espírilo
Sanlo
.
Bra
zi
l
Os hacuraus, aves da família cosmopolita Caprimulgidae, são pouco
conhecidos
devido a seus háhitos noturnos e fraca diferenc
ia
ção morfológica. Este
é o caso da maioria das
espécies brasileiras e particularmente de C({prilllulgus
hirundinaceus Spix, 1825.
Esta espécie de bacurau, caracterizada pelo tamanho diminuto e coloração
pálida, é conhecida
somente por poucos exemplares do Nordeste do Brasil.
CORY
(1918) ficou em dúvida sobre a
lo
calidade-tipo de Spix, mas examinou
13
espécimen:;
pr
ovenientes da região da caatinga, reconhecendo as suhspécies
crissalis Cory, 1915 e ce({rae (Cory, 1917) baseando-se
em
pequenas variações
de coloração. Entretanto,
HELLMA
YR
(1929) designa Feira de Santana (Bahia)
como localidade-tipo
de
Spix e coloca
Ch.
crissalis
em
sinonímja
com
a forma
típica,
reconhecendo apenas a subspécie cearae pela coloração "decidedly paler",
revisão com a qual concorda
PINTO
(1938). Desde então, a espécie
foi
considerada
endêmjca da caatinga nordestina com raros registros. A
úni
ca informação hiológica
consiste da gravação
de quatro vocalizações realizada por J. Vielliard
em
08-XII-1973 (Serra Talhada, Pernambuco, exemplar identiticado como
('eame
e
depositado no Museu Nacional do Rio de Janeiro rMNRJ] por J. Vielliard) e
puhlicada por
HARDY
(1980).
Desde o início da cada de 1980, resgistrou-se na região de Colatina
(Espírito Santo) um
pequeno hacurau negro nas lajes que
são comumente
encontradas. Em
1993
,
coI
dou-
se
um
exemplar que
foi
comparado com o material
do Museu Nacional do
Rio de Janeiro (MNRJ), onde uma rie de C({prilllulgus
nigrescens
Cahanis, 1848, consistindo de
18
espécimen:; amazônicos e um de
I)
Deral1amenl
ll
ck
Biologia
Geral.
Set,)r
,k
Ecologia.
Universidade
Federal
d
~
Vi'llsa.
36570
-000
Viçosa.
Minas
Gerais.
Brasil.
Revta
bras.
Zool.
12
(2):
333·337,
1995
334
RIBON
Jequitinhonha (Minas Gerais), este último exemplar (MNRJ
nO
31357) assim
identiticado
por
H. Sick, nos levou a concluir que o exemplar em questão pertencia
a esta
espécie. Voltando ao local da
calda,
foram realizados experimentos
de
play-bllck
com
a tita publicada
por
HARDY
(1980), primeiro com a vocalização
de
C.
nigrescens. Não se ohteve resposta e se prosseguiu com a voz
de
C.
hirundi-
nllceus. A tentativa
foi
bem sucedida. Uma ave respondeu prontamente
com
as
mesmas
quatro vocalizações publicadas; repetindo o pllly-bllck na noite seguinte,
o indivíduo respondeu novamente e aproximou-se permitindo
confirmar
sua
conformidade
com o exemplar coletado.
Munidos desta informação, reavaliaram-se os
caracteres morfológicos do
espécimen, concluindo tratar-se de uma nova subespécie de
C.
hirulldillllceus que
é
descrita a seguir.
Caprimu/gus hirundinaceus vielliardi,
ssp.n.
Figs 1, 4, 6
Subspécie
dedicada ao
co
lega Prof. Dr. Jacques
M.E.
Vielliard,
em
reconhecimento à sua contribuição ao estudo bioacústico da avifauna hrasileira.
Holótipo
macho.
Adulto
(testículos
3x4mm;
crân
io
ossificado),
19-IX-1993,
BRASIL,
Espírito Sanw: Colatina
(19°32'S
- 40
0
37'W,
altitude
de
aproximadamente 40m), íris marrom-escuro,
R.
Ribon leg., taxidermista G.
T.
de
Matlos. Depositado na coleção ornitológica do Museu
de
Biologia Mello Leitão
(M
BM
L), Santa Tereza, Espírito Santo.
Descrição.
Todo
o lado dorsal com aspecto geral
marrom
fortemente
enegrescido (cor
nO
19
"Dusky Brown" de Smithe, 1975) e salpicado
de
ferrugem
(cor
nO
39 "Cinnamon"
de
Smithe, 1975). As cores a seguir, quando diferentes
destas
descritas, não
t~m
similares em
SMITHE
(1975), sendo variaç<ies sutis
destas duas anteriores: fronte negra com diminutas manchas
de
cor
ferrugem na
borda
das penas; alto da cabeça
com
manchas ferrugem mais ahundantes, tormando
um delgado
co
lar terrugíneo na base da nuca; dorso e coherteiras supracaudais
com
pequenas manchas ferrugíneas. Lado ventral de coloração geral negra estriada
de
ferrugem: penas do mento com pontas esbranquiçadas; na garganta as penas
são hrancas somente
com
as
pontas de coloração negra ou ferrugem claro.
formando uma nítida mancha guIar hranca. As penas
do peito são negras com uma
ou duas faixas ferrugem, sendo que esta
cor
tende ao hranco
em
alguns pontos,
dando
a esta região um aspecto geral negro estriado de hranco e terrugem. O
ahdômem
e o ventre contrastam c
om
o peito, tendo uma tonalidade mais ferrugínea,
a maior
porção de cada pena sendo desta
cor
, atravessada por uma ou duas htixas
negras. As penas da região do crisso são predominantemente ferrugens,
com
pequenas manchas negras. Asas pontiagudas, com as primárias de
cor
fuligem
escura
e a horda do vexilo externo um pouco mais clara. A porção média do vexilo
interno
das quatro primárias mais externas apresenta uma malll:ha hranca, muito
pequena na primária mais externa, e mais extensa nas
tr~s
outras, formando uma
nítida faixa branca. Contígua a esta, na quinta primária apenas uma fraca
mancha
de
cor
fuligem-amarronzada. As demais primárias possuem amhos
os
Revta
bras.
Zoo!.
12
(2):
333
-
337.
1995
Nova
subespécie
de
Caprimu/gus
...
335
2
4
Figs
1-6.
(1,4,6)
Caprimu/gus hirundinaceus vielliardi,
ssp.n.,
holótipo
macho,
vista
lateral
(1),
detalhes
da
asa (4) e
da
cauda (6) vista
debaixo.
(2,
3,
5)
Caprimu/gus hirundinaceus
hirundinaceus
(Spix,
1825),
macho
ZUEC
1529,
vista
lateral no seu
habitat
(2),
detalhes
da
asa (3) e da cauda (5)
vistas
debaixo.
Guaxe
original realizado graciosamente por Frederico
lencioni.
Revta bras. Zool.
12
(2):
333
-
337,
1995
336
RIBON
vexilos de
cor
fuligem. Secundárias desta mesma
cor
com o vexilo interno
manchado
de
ferrugem. Terciárias da mesma
cor
que o dorso,
marrom
fortemente
enegrescido,
salpicadas de ferrugem claro, apresentando algumas manchas maio-
res desta mesma cor. Coberteiras inferiores ferrugíneas, parcialmente manchadas
de negro;
coberteiras superiores fuligem escuro,
com
pequenas manchas ferrugem
ou ferrugem esbranquiçado. Cauda: por cima semelhante ao dorso, por baixo
fuligem
escuro salpicado de ferrugem claro no
par
de retrizes centrais e trans-
faciado
desta
cor
no vexilo interno das demais. Vexilo interno da retriz mais
externa (primeira)
e ambos vexilos da segunda
com
larga faixa branca na ponta.
Vibrissas longas. Bico negro. Tarsos emplumados
com
o mesmo padrão
de
coloração
do abdômem; dedos negros. Comprimento total
193m111,
cúlmen
9mm,
asa I
37nun,
cauda
91
mm, tarso 20mm.
Diagnose. Pelas proporções, vibrissas desenvolvidas e tarsos
emplumados
pertence ao
gênero
Caprimulgus; a voz e o padrão
de
coloração se re
tt!
rem à
esp~cie
hirundinaceus; difere
de
C hirundinaceus hirundinaceus (Figs
2,
3, 5) pela
coloração
enegrescida e pelo tamanho total nitidamente maior; vive
sobre
aflora-
mentos rochosos; por enquanto, conhecida somente da localidade-tipo.
DISCUSSÃO
A localidade-tipo de
Ch.
vielliardi encontra-se distante da distribuição
aM
então conhecida para a
esp~c~e
e situa-se no domínio da Mata Atlântica, totalmente
diferente do domínio
da
caatinga, da qual
era
considerada endêmica. Touavia,
vielliardi tem por habitat lajes ensolaradas que se assemelham aos ambientes
da
esp~cie
no Nordeste, onde "pousa sobre areia
ou
lajes" segundo
SICK
(1985). A
região
de
Colatina (Espírito Santo) caracteriza-se pela vegetação relativamente
seca,
bem
diferente das matas
de
tabuleiro e de encostas no Estado. Esta região
apresenta uma ocorrência notável de afloramentos rochosos, que
criam
um
ambiente bem particular.
No Nordeste, a
esp~cie
parece apresentar uma nítida variação de coloração
que
talvez esteja relacionada
com
a coloração do substrato. Não existem dados que
permitam
estabelecer essa correlação, mas,
no
caso de viellillrdi, a coloração
enegrescida está
claramente harmonizada com a cor das lajes nas quais vive.
Chamada
de " bacurauzinho-da-caatinga" por
SICK
(1985), a
esp~cie
tem
agora sua distribuição consideravelmente ampliada e descontínua. Todavia,
em
função
da
nova localidade, deve-se procurar a espécie
em
regiões intermediárias
e vizinhas.
O exemplar
de
Jequitinhonha (MNRJ
nO
31357), identificado
por
H.
Sick, merece
ser
reavaliado.
Tamb~m
é necessário pesquisar os amhientes rocho-
sos
que
se encontram
atrav~s
do norte de Minas Gerais e ao longo das regiões
baixas e
com
lajes do Espírito Santo até o norte do Rio de Janeiro.
A população de Colatina, circunscrita às áreas fitofisionômicas particulares
dos lajedos, parece ser abundante, ao ponto
de
ser bem conheciua uos moradores
da zona rural. Apesar disto, devido à extrema localização e rigorosas exigências
ecológicas desta população, medidas de preservação devem
ser
tomadas para
garantir sua sobrevivência.
Revta
bras.
Zool.
12
(2):
333
-
337.
1995
Nova
subespécie
de
Caprimulgus
...
337
AGRADECIMENTOS.
A
1ll~lI
S
pai,
~
a
Andr~a
O.
Barros.
p~lo
apoio
~olls
lalll
~;"
alividad~,
ornitnI6gi
c,;:
as. Ao Sr.
J
os~
Rihon.
Ilh::lI
avô. por
h:r
tnantido
~o
n
sl.!
rvados
os
kx.:ai
s
nndl.!
poli\.!
Sl.!f
~nl:ontrada
I.!sta
I.!sp~
c
il.!
lo!
suas matas
adjacl.!l1tt!s.
Ao Sr. G\!raldo Thl.!odoro
dI.!
Manos
pda
taxidl.!rmia
do
I.!sp~
~
iml.!n
u
sa
dt
)
I1l.!
s
tl!
trahalh
u.
À
~uradoria
do MNRJ por pl!rmitir I.)
I.!xallll.!
dI!
Sl.!lI
matl.!rial. Ao
Prof.
S~r
g:
i
o
Pa
f.:
hl.!
~o.
pdo
in
l.!l!
ntivll para
yUI!
nos
I.!mpl.!llh
ássl.!
lllos na
rl.!Snllh.;ün
dl.!
sk
prnhkma
I.!
a
todos
quI.!
.
dI.!
lima
l)U
outra
forma.
tornar
am
possívd
a
fl!ali
zalJão
th:stl.!
trahalh,
).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CORY,
C. B.
1918
. Catalogue
of
hin]s
of
the Americas. Field Mus. Nat. Hist.
Puhl.
12
(I):
1-315.
HARDY
, J.W. 1980.
Voi
c
es
ofNew
World nighthirds.
Ara
6, Gainésville.
HELLMA
YR,
C.
E.
1929. A contrihution to the ornithology
of
Northéaste
rn
Brazil.
Field Mus. Nat. Hist.
Puhl.
12
(18): 235-504.
PINTO,
O.M.O. 1938. Catálogo das aves do Brasil, parte I. Rev. Mus. Paulista
22:
1-
566
SICK,
H.
1985
. Ornitoloj.!ia hrasileira:
uma
introdução. Brasília, U
ni
versidade
de Brasília, 828p.
SMITHE,
F.B. 1975.
Naturalist's
Color Guide. New York, AmeI'. Mus. Nat.
Hist.,
8r
.
Recebido
em
09
.
XII.1994;
aceito
em
28.
VIII.
1996.
Revta
bras
.
Zool.
12
(2):
333
-
337,1995
... . The upperparts of the nominate form hirundinaceus are described as light grayish brown, while cearae has a somewhat paler and vielliardi a darker plumage (Ribon 1995, Cleere 1998, Holyoak 2001). These differences in general plumage color of the three subspecies are well illustrated by photos in Cleere (2010, see pp. 180-181). ...
... On 19 September 1993, Ribon (1995) collected the first specimen of this subspecies on a pedra near Colatina in Espírito Santo. The region of Colatina is characterized by relatively dry vegetation, quite different from the surrounding Atlantic Forest. ...
Article
Full-text available
We discuss the choice of habitats for roosting and breeding by the Pygmy Nightjar (Nyctipolus hirundinaceus), a Brazilian endemic from the eastern part of the country. We observed that the choice of nesting and roosting sites of this nightjar is closely connected to open gravelly and stony areas (lajeiros) in the Caatinga and to rocky outcrops (pedras) in the Atlantic Forest, which allows us to conclude that the Pygmy Nightjar is a rupicolous nightjar, preferring rocky substrates for roosting and breeding.
... Em unidades de conservação, em geral, a riqueza de espécies registrada é maior ou próxima a observada nesse estudo: Olmos (1993) Por outro lado, quando comparamos a riqueza de espécies registrada aqui com a de outras localidades marcadas pela antropização, observamos valores menores nessas últimas áreas. Olmos et al. (2005) inventariaram oito áreas no Ceará e oeste de Pernambuco e observaram riquezas de 96, 109, 102, 101, 72, 93, 94 e 125 espécies respectivamente; Farias et al. (2006) Das espécies consideradas endêmicas, Penelope jacucaca está presente na lista de espécies ameaçadas; Hydropsalis hirundinaceus, um bacurau típico da caatinga, também foi registrado no norte do Espírito Santo (Ribon 1995); Pseudoseisura cristata foi separada da antiga subespécie unirufa que ocorre no Pantanal e na Bolívia (Zimmer & Whittaker 2000); Thamnophilus capistratus, que foi recentemente validado dentro do complexo de T. doliatus (Assis et al. 2007); Paroaria dominicana tem populações no sudeste do Brasil de espécimes oriundos de cativeiro (Sick 1997, Sigrist 2006; e Agelaioides fringillarius, que era uma subespécie com ocorrência no Nordeste até Minas Gerais, foi recentemente separada de A. badius que ocorre no sul e oeste do Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai, Bolívia e Chile. ...
Article
Full-text available
Even though the caatinga has been identified as an important area of endemism for South American birds, few studies have been conducted on the distribution, evolution and ecology of birds in this region. Understanding how habitats contribute to maintain the regional bird diversity is extremely important. This study was carried out at the "" (RPPN) Fazenda Almas, in the Cariri region of the state of Paraíba, Northeast Brazil. We present results of an inventory based on 24 consecutive months of sampling and discuss the composition of the avifauna in different habitats occurring at the RPPN. We recorded 162 bird species, and estimated a local richness varying between 165 and 171 species, with 12 endemic species from Northeast Brazil. The open arboreal caatinga was inhabited by 107 species, followed by open field areas (104 species), dense arboreal caatinga(101 species), and aquatic environments (22 species). The fact that some endemic bird species do not occur in dense arboreal caatinga vegetation, but instead in more open natural environments such as open shrub caatinga, suggest that the mosaic of dense caatinga areas and natural open environments, as at present, is not a recent condition of the vegetation of the caatinga region.
... A espécie Hydropsalis (Caprimulgus) hirundinacea (Caprimulgiformes: Caprimulgidae) oferece também uma demonstração dos efeitos da seleção natural. Conforme Ribon (1995), H. hirundinacea possui duas subespécies: H. hirundinacea vielliard habitando lajeados de coloração escura na Mata Atlântica no Espírito Santo, possuindo plumagem também escura, e H. hirundinacea hirundinacea que ocorre na Caatinga do nordeste brasileiro, onde ocupa principalmente lajeados de cor clara, e neste caso, apresenta plumagem clara. Tem-se então uma espécie com populações divididas em diferentes fenótipos, selecionados a partir das exigências de diferentes habitats. ...
... We recorded 11 species with restricted distribution in Brazil, according to RIDGELY & TUDOR (1994), SICK (1997) andRIDGELY et al. (2005). Seven are typical species from the Brazilian Northeast: Caprimulgus hirundinaceus Spix, 1825 -typical species from the caatinga region, registered in northern Espírito Santo (RIBON 1995); Pseudoseisura cristata (Spix, 1824) -endemic species which has been separated from the old combination Pseudoseisura cristata unirufa, and which occurs in the Pantanal and in Bolivia ( The areas from open caatinga have contributed with more than 42% of the observed species richness. In these areas, most species that are at least partially dependent on forest environments were also observed (Fig. 5). ...
Article
Full-text available
Even though the caatinga has been identified as an important area of endemism for South American birds, few studies have been conducted on the distribution, evolution and ecology of birds in this biome. Understanding how habitats contribute to maintain the regional bird diversity is extremely important. In this study, carried out in the backwoods of the state of Alagoas, we present a rapid survey of a caatinga area and discuss the composition of the avifauna in different habitats. From the record of 105 species, we estimated a local richness of 120 (± 5) species. Among the areas surveyed, the dense caatinga shrub areas contributed with more than 42% of the species, holding most of the forest-dependent birds. The open field areas and the vegetation patches contributed 26 and 24% of the observed richness, respectively. The bird community at the vegetation patches is more similar to that registered in the open caatinga shrub areas, than to the fauna of the open fields where these patches are located. Our results support the need to conserve environments which harbor typical caatinga vegetation, and also vegetation patches with those characteristics in greatly altered environments.
... -41.02) state of Espírito Santo, and in Aimorés (-19.50, -41.06), state of Minas Gerais, suggest relictual populations. The lower Doce River region is relatively arid with notable occurrences of rocky outcrops that resemble Caatinga areas, different from the Atlantic Forest of the nearest regions (Jackson 1978;Ribon 1995). Modelings of the Atlantic Forest range under past climatic scenarios of 6000 and 21,000 years ago suggest that much of the area south of the Doce River was not predicted to retain a large, stable forest refuge, leading to an eastward expansion of the Cerrado (Carnaval & Moritz 2008). ...
Article
Full-text available
The present study is a taxonomic revision of the genus Drymoluber Amaral, 1930, using meristic and morphometric characters, aspects of external hemipenial morphology and body coloration. Sexual dimorphism occurs in D. dichrous and D. brazili but was not detected in D. apurimacensis. Morphological variation within D. dichrous is related to geographic distance between populations. Furthermore, variation in the number of ventrals and subcaudals in D. dichrous and D. brazili follows latitudinal and longitudinal clinal patterns. Drymoluber dichrous is diagnosed by the presence of 15-15-15 smooth dorsal scale rows with two apical pits, and 157–180 ventrals and 86–110 subcaudals; it occurs along the eastern versant of the Andes, in the Amazon forest, on the Guiana Shield, in the Atlantic forest, and its transitional areas with the Caatinga and Cerrado. Drymoluber brazili has 17-17-15 smooth dorsal scale rows with two apical pits, 182–202 ventrals and 109–127 subcaudals, and ranges throughout the Caatinga, Cerrado, Atlantic forest and transitional areas between these last two domains. Drymoluber apurimacensis has 13-13-13 smooth dorsal scale rows without apical pits, 158–182 ventrals and 84–93 subcaudals, and occurs in the Apurímac Valley, south of the Apurímac and Pampas rivers in Peru.
... cearae from northern Ceará to extreme northern Bahia and the recently described C. h. vielliardi from one locality in Espírito Santo and another in extreme eastern Minas Gerais (Ribon 1995, Cleere & Nurney 1998, Vasconcelos & Lins 1998). ...
A contribution to the ornithology of Northeastern Brazil
  • Hellmayr C.E
Catálogo das aves do Brasil, parte I
  • Pinto O.M.O
Voices of New World nightbirds
  • Hardy J.W
Catalogue of hin]s of the Americas. Field Mus
  • C B Cory
CORY, C. B. 1918. Catalogue of hin]s of the Americas. Field Mus. Nat. Hist. Puhl. 12 (I): 1-315.
Voi ces ofNew World nighthirds
  • J W Hardy
HARDY, J.W. 1980. Voi ces ofNew World nighthirds. Ara 6, Gainésville.
A contrihution to the ornithology of Northéastern Brazil. Field Mus
  • C E Hellma Yr
HELLMA YR, C. E. 1929. A contrihution to the ornithology of Northéastern Brazil. Field Mus. Nat. Hist. Puhl. 12 (18): 235-504.
Ornitoloj.!ia hrasileira: uma introdução. Brasília, Uni versidade de Brasília, 828p. SMITHE, F.B. 1975. Naturalist's Color Guide
  • H Sick
SICK, H. 1985. Ornitoloj.!ia hrasileira: uma introdução. Brasília, Uni versidade de Brasília, 828p. SMITHE, F.B. 1975. Naturalist's Color Guide. New York, AmeI'. Mus. Nat. Hist., 8r.