ArticlePDF Available

Conceptions of teaching: contextualization from official curricular documents and from Science teachers

Authors:

Abstract

This paper presents different teaching "contextualization" conceptions found in official curricular documents and with teachers from Science Education and Biology areas. We discuss the pedagogical implications of these conceptions to respective areas, especially to the organization of teaching. To indentify these conceptions, this research analyzed the content of these documents in different jurisdictional levels - federal (BR), state (SP) and Hall (SP) - as well as the speech of science and biology teachers involved in an activity of continuous teacher training. The analysis of the pedagogical potential of these conceptions showed that the diversity of interpretations about an important curricular principle can offer numerous possibilities for the teacher, instructional mediations in their difficult tasks of planning and organizing teaching, since these can be explained and explored through the process of transposition education in which the teacher participates. Some of these possibilities are explored in the final text.
1
Licenciatura em Ciências Biológicas, mestre em Educação. Docente, Departamento de Biologia, Faculdade de
Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP). Ribeirão Preto, SP,
Brasil. <kato@ffclrp.usp.br>
2
Licenciatura em Ciências Biológicas, doutora em Educação. Docente, Departamento de Psicologia e
Educação, FFCLRP-USP. Ribeirão Preto, SP, Brasil. <sumi@ffclrp.usp.br>
AS CONCEPÇÕES DE CONTEXTUALIZAÇÃO
DO ENSINO EM DOCUMENTOS CURRICULARES
OFICIAIS E DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS
Conceptions of teaching: contextualization
from official curricular documents and from Science teachers
35
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Danilo Seithi Kato
1
Clarice Sumi Kawasaki
2
Resumo: Apresentam-se diferentes concepções de contextualização do ensino encontradas em docu-
mentos curriculares oficiais e em professores de Ensino de Ciências e de Biologia, e discutem-se as
implicações pedagógicas dessas concepções para as respectivas áreas, em especial para a organização
do trabalho docente. Para identificar essas concepções, analisou-se o conteúdo desses documentos
nos diferentes níveis jurisdicionais – federal, estadual (SP) e municipal (SP) –, bem como, da fala de
professores de Ciências e de Biologia envolvidos em uma atividade de formação continuada. A análise
do potencial pedagógico dessas concepções demonstrou que a diversidade de interpretações sobre
este importante princípio curricular pode oferecer, ao professor, possibilidades múltiplas de media-
ções didáticas em sua difícil tarefa de planejar e organizar o ensino, desde que estas possam ser
explicitadas e exploradas nos processos de transposição do ensino dos quais ele participa. Algumas
destas possibilidades são aqui exploradas, finalizando o texto.
Palavras-chave: Contextualização. Ensino de Ciências e de Biologia. Propostas curriculares. Professo-
res. Mediações didáticas.
Abstract: This paper presents different teaching “contextualization” conceptions found in official
curricular documents and with teachers from Science Education and Biology areas. We discuss the
pedagogical implications of these conceptions to respective areas, especially to the organization of
teaching. To indentify these conceptions, this research analyzed the content of these documents in
different jurisdictional levels – federal (BR), state (SP) and Hall (SP) – as well as the speech of science
and biology teachers involved in an activity of continuous teacher training. The analysis of the peda-
gogical potential of these conceptions showed that the diversity of interpretations about an important
curricular principle can offer numerous possibilities for the teacher, instructional mediations in their
difficult tasks of planning and organizing teaching, since these can be explained and explored through
the process of transposition education in which the teacher participates. Some of these possibilities
are explored in the final text.
Keywords: Conceptions. Science education. Curriculum proposals. Teachers. Didactic mediation.
1
Rua Adalberto Pajuaba, 957, apto. 3D.
Sumarezinho - Ribeirão Preto, SP
14.055-220
36
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Introdução
A contextualização do ensino e a interdisciplinaridade, segundo as Diretrizes Curri-
culares Nacionais para o Ensino Médio – DCNEM (BRASIL, 1998), são alguns dos princípi-
os organizadores do currículo do Ensino Médio:
Interdisciplinaridade e contextualização formam o eixo organizador
da doutrina curricular expressa na Lei de Diretrizes e Bases da Educa-
ção Nacional (1996). Elas abrigam uma visão do conhecimento e das
formas de tratá-los para ensinar e para aprender que permite dar signi-
ficado integrador a duas outras dimensões do currículo de forma a
evitar transformá-las em novas dualidades ou reforçar as já existentes:
base nacional comum/parte diversificada, e formação geral/prepara-
ção básica para o trabalho. (BRASIL, 1998, p.50)
Tais princípios vêm atender o que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
(BRASIL, 1996) estabelece como uma das finalidades do Ensino Médio: a preparação básica
para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de
se adaptar, com flexibilidade, às novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores.
Em relação ao princípio da contextualização do ensino, apesar de estar presente nos
documentos curriculares oficiais mais recentes, o seu significado, para o ensino de um modo
geral, não é recente e, tampouco, possui origem nestes documentos. Propostas curriculares,
oficiais ou não, anteriores a estes, já o preconizavam sob diferentes termos e formas. A neces-
sidade da contextualização do ensino surgiu em um momento da educação formal no qual os
conteúdos escolares eram apresentados de forma fragmentada e isolada, apartados de seus
contextos de produção científica, educacional e social. Denominada de ensino tradicional,
ainda bastante presente nas práticas escolares, esta visão representa uma tendência pedagógica
cuja finalidade tem sido a de levar, ao aluno, o produto final da atividade científica, ou seja, o
conhecimento já pronto e organizado, com aura de verdade acabada (FRACALANZA; AMA-
RAL; GOUVEIA, 1986), preocupando-se apenas em disseminar um conhecimento que seja
simplesmente reproduzido das situações originais de sua produção, apresentando conteúdos
escolares na sua forma mais abstrata. Segundo Lopes (2002), o maior problema em questão é
o processo de apropriação do conhecimento pela escola, a retirada dos conceitos de sua histo-
ricidade e problemática. Os saberes ensinados aparecem como saberes sem produtores, sem
origem, sem lugar, transcendentes ao tempo, ensinando-se apenas o resultado, isolando-os da
história de construção do conceito, retirando-os do conjunto de problemas e questões que os
originaram. Nesta perspectiva de ensino, os currículos escolares tornam-se inadequados à
realidade em que estão inseridos, pois estão centrados em conteúdos muito formais e distantes
do mundo vivido pelos alunos, sem qualquer preocupação com os contextos que são mais
próximos e significativos para os alunos e sem fazer a ponte entre o que se aprende na escola
e o que se faz, vive e observa no dia a dia. É neste âmbito que a contextualização do ensino
toma forma e relevância no ensino de ciências, já que se propõe a situar e relacionar os conteú-
dos escolares a diferentes contextos de sua produção, apropriação e utilização.
37
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
Em virtude de sua origem em diferentes contextos curriculares e educacionais, as
interpretações dadas para este importante princípio metodológico do currículo têm sido vari-
adas. Lopes (2002), ao analisar o processo de apropriação de teorias curriculares pelo discurso
curricular oficial, obtém, como resultado, o caráter ambíguo do conceito de contextualização
nos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (BRASIL, 1999). Para esta autora, as
ambiguidades são obrigatórias, já que propostas curriculares oficiais podem ser interpretadas
como um híbrido de discursos curriculares produzidos por processos de recontextualização, a
partir de textos de matizes teóricos distintos. Tais ambiguidades expressam os conflitos, vela-
dos ou não, existentes no processo de produção de uma proposta curricular que visa se legiti-
mar na comunidade educacional e, por isso, realiza acordos para tal.
É neste contexto, o da diversidade de significados sobre este princípio organizador
do currículo, que se insere a presente reflexão, analisando as implicações pedagógicas destas
diretrizes para as práticas do professor enquanto organizador de sua proposta de ensino.
A contextualização do ensino no currículo da escola básica
Conforme já mencionamos, embora o termo “contextualização do ensino” tenha sido
mais explicitamente apresentado nas DCNEM (BRASIL, 1998), o seu significado, para a edu-
cação formal, não é nenhuma novidade. Sob diferentes denominações, esta noção já vinha
sendo discutida por diferentes autores, conforme apontam os estudos aqui realizados. Nesta
revisão, verificou-se que nem sempre estas concepções estavam explicitadas ou claramente
definidas por estes autores, o que demandou uma construção das mesmas, a partir das ideias
destes autores e de outros referenciados por eles.
Em Rodrigues e Amaral (1996), contextualizar o ensino significa trazer a própria
realidade do aluno, não apenas como ponto de partida para o processo de ensino e aprendiza-
gem, mas como o próprio contexto de ensino. Analisam criticamente este princípio nos cursos
de formação de professores, buscando as possíveis origens deste discurso e procurando com-
preender o conceito de “realidade” que está envolvido nesta tradição de ensino.
Moysés (1997) discorre sobre os motivos que levaram o contexto a ser uma condição
de aprendizagem. Para tanto, refere-se a uma pesquisa conduzida por Carraher (apud MOY-
SES, 1997), que investigou as formas pelas quais contramestres de obras e estudantes da 7ª
série do Ensino Fundamental realizam cálculos de proporções. Em seus resultados, verificou-
se a superioridade dos mestres de obras em relação aos estudantes na realização destes cálcu-
los, concluindo-se que a familiaridade destes profissionais com esse tipo de relação de propor-
cionalidade fez com que acertassem as questões. Já, nos estudantes, verificou-se a incapacida-
de no uso sistemático do algoritmo da proporção aprendida naquele ano na escola, como,
também, a ausência de um espírito crítico para perceber a “insensatez” nas respostas dadas.
Assim, trazer os contextos de vivência dos alunos para os contextos de aprendizagem torna-se
um importante fator de aprendizagem, pois dá sentido aos conhecimentos aprendidos. Ao
professor, cabe o papel de apresentar, aos estudantes, uma forma de ler, interpretar e intervir
neste conjunto de vivências e no mundo em que vivem.
38
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Lima et al. (2000), a partir de uma crítica ao ensino de química não contextualizado
- cuja prática tem-se limitado a cálculos matemáticos, memorização de fórmulas e nomencla-
turas de compostos e sem a valorização dos aspectos conceituais e das atividades que envol-
vem o aluno de uma forma ativa frente ao conhecimento - propõem um ensino alternativo no
qual a cinética química é desenvolvida a partir de uma abordagem contextualizada. Para estes
autores, a contextualização do ensino ocorre quando são considerados os conhecimentos pré-
vios e o cotidiano dos alunos. Observaram que os conceitos citados após a intervenção - que
tinha como ponto de partida a experiência cotidiana dos alunos com a questão da conservação
de alimentos - haviam alcançado o objetivo educacional proposto.
Lopes, Gomes e Lima (2001) analisam, no texto oficial dos Parâmetros Curriculares
Nacionais do Ensino Médio (BRASIL, 1998), as relações entre os conteúdos das diversas
disciplinas da área de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias e os contextos de
vida dos alunos, procurando saber quais são aqueles considerados importantes em cada uma
destas disciplinas. Os autores buscam focalizar a concepção de contextualização presente em
cada uma das disciplinas das ciências naturais, buscando entender como estas se articulam às
orientações das DCNEM (BRASIL, 1998), e qual o seu potencial para superar a classificação
disciplinar acentuada do Ensino Médio. Em seus resultados, os autores identificam um misto
de concepções, mas que, em síntese, evidenciam a ideia de aproximação dos conteúdos cientí-
ficos ao cotidiano do aluno, estreitando essa relação e produzindo conhecimento no ambiente
escolar.
Lopes (2002), uma das autoras do artigo anterior, ao procurar entender a influência
do discurso curricular oficial sobre a produção do conhecimento escolar, buscando interpretar
o processo de apropriação de teorias curriculares nesta produção, identifica a presença de um
discurso curricular híbrido nos PCNEM (BRASIL, 1999) e o caráter ambíguo do conceito de
contextualização. Neste discurso híbrido, analisa as ambiguidades expressas pelo conceito de
contextualização no conhecimento oficial, destacando três interpretações para ‘contexto’ nas
orientações curriculares para o Ensino Médio: a) trabalho; b) cidadania, e c) vida pessoal,
cotidiana e convivência. De forma geral, é conferida centralidade ao contexto do trabalho,
ficando os dois outros contextos subsumidos a ele. Esta centralidade do trabalho está expressa
na escolha da tecnologia, como tema por excelência capaz de contextualizar os conhecimentos
e as disciplinas no mundo produtivo e como princípio integrador de cada uma das áreas. Nesta
perspectiva, permanece a ideia unilateral de que a educação tem por finalidade a inserção
social no mundo produtivo, sem questionamento do projeto de construção desse mesmo mundo,
limitando a dimensão cultural da educação. Ao analisar as ambiguidades no conceito de con-
textualização, a autora busca referências em outros autores, tais como: Dewey, Stein, Piaget e
Vigotsky. Uma breve explanação das ideias destes autores é apresentada a seguir, buscando-se
esclarecer algumas destas ambiguidades apontadas por esta autora.
Para Dewey (1959), o conhecimento e seu desenvolvimento são concebidos como um
processo social, integrando os conceitos de sociedade e indivíduo. A partir desta premissa,
entende que a educação deve integrar-se às experiências de vida do estudante como cidadão,
pessoa e ser humano – a denominada “educação para a vida”, a qual permitirá, ao aluno,
desenvolver a sua capacidade de raciocínio e espírito crítico, principais metas da educação.
A “aprendizagem situada” de Stein (1998) é outra referência para o conceito de con-
textualização encontrada nas DCNEM (BRASIL, 1998). Para este autor, esta aprendizagem é
39
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
uma estratégia instrucional que busca relacionar a matéria escolar às necessidades dos aprendi-
zes. Para o autor, aprender é essencialmente criar significados para as atividades reais do dia a
dia e, para isso, o ensino deve oferecer ambientes e atividades que propiciem a vivência destas
situações reais, concretas e práticas. Para Lopes (2002), a aprendizagem situada de Stein procu-
ra colocar o pensamento e a ação em um lugar específico de significado, envolver os aprendi-
zes, o ambiente e as atividades para produzir significado. Todo conhecimento é construído de
forma situada, em determinado contexto, de maneira a ser transferido para situações similares.
As teorias interacionistas de Jean Piaget (1896-1980) e de Lev Semyonovitch Vigotsky
(1896-1934), que enfatizam a interação entre o organismo e o meio na aquisição do conheci-
mento, são importantes bases para valorizar a busca de contextos significativos nos processos
de ensino e aprendizagem. Na perspectiva de Vigotsky (1987), o sujeito não é apenas ativo,
regulado por forças internas, mas interativo, porque constitui conhecimentos e se constitui a
partir de relações intra e interpessoais. Para Vigotsky (1987), é na troca com outros sujeitos,
experiência, hábitos, atitudes, valores e a própria linguagem daqueles que interagem com o
sujeito, que se conhece, que se vão internalizando conhecimentos, papéis e funções sociais, o
que permite a constituição de conhecimentos e da própria consciência. Em suma, apesar de
estes dois autores não terem abordado diretamente a questão da contextualização do ensino,
desenvolveram ideias que ajudam a compreender a construção desta noção nos documentos
curriculares oficiais. A consideração do contexto de vida de quem aprende, seja em seu âmbito
pessoal, profissional ou social, demonstra a necessidade de se incluírem, nas práticas pedagógi-
cas, atividades de ensino articuladas com as experiências de vida destes aprendizes.
Para Ramos (2002), a contextualização do ensino é um recurso para ampliar as possi-
bilidades de interação não apenas entre as disciplinas nucleadas em uma área de conhecimento
(entre as próprias áreas de nucleação), como, também, entre esses conhecimentos e a realidade
do aluno. Busca-se, nesta abordagem, a inserção do conhecimento disciplinar em uma realida-
de plena de vivências, incluindo aspectos e questões presentes na sociedade e no cotidiano do
aluno, tais como: a melhoria da qualidade de vida e as relações entre Ciência, Tecnologia e
Sociedade (CTS). Em síntese, contextualizar o ensino é aproximar o conteúdo formal (cientí-
fico) do conhecimento trazido pelo aluno (não formal), para que o conteúdo escolar torne-se
interessante e significativo para ele. Nesse sentido, a contextualização evocaria áreas, âmbitos
ou dimensões presentes na vida pessoal, social e cultural, mobilizando competências cogniti-
vas já adquiridas.
A partir destes estudos, foi possível identificar 11 concepções de contextualização do
ensino, que se originaram dos contextos significativos apontados por estes autores para o
ensino de ciências, quais sejam: realidade, vida, vivência, mundo, cotidiano, trabalho, cidada-
nia, contexto social, contexto histórico e cultural, conhecimentos prévios do aluno e discipli-
nas escolares. Estas concepções foram organizadas e reunidas em 3 agrupamentos, constituin-
do as primeiras categorias de análise destas concepções: a) a que reúne as concepções relacio-
nadas ao
cotidiano do aluno
; b) a que reúne as concepções relacionadas à(s)
disciplina(s)
escolar(es),
e c) a que reúne as concepções relacionadas a
contextos histórico, social e
cultural.
40
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
A pesquisa sobre concepções de contextualização do ensino
em documentos curriculares e de professores de Ciências e de Biologia
Foi durante as oficinas de um curso de formação continuada de professores de ciên-
cias e de biologia, que a questão da contextualização do ensino surgiu, pela primeira vez,
como um importante tema de investigação para o mestrado. Nestas oficinas, apesar da impor-
tância atribuída pelos professores ao ensino contextualizado, não havia, entre eles, uma mes-
ma compreensão sobre este tema para o ensino de ciências. Em virtude disso, havia muita
dificuldade na implementação deste princípio organizador do currículo, já que cada uma das
concepções encontradas nos professores conduzia a uma forma diferenciada de aplicação.
Este fato disparou a necessidade de um aprofundamento maior sobre este tema, resultando
em uma dissertação, cuja questão central foi: “O que é contextualização do ensino e qual é o
seu significado pedagógico para o ensino de ciências e de biologia?”. Resultados desta pesqui-
sa, que analisou textos dos documentos curriculares oficiais e a fala de professores das áreas
de ciências e biologia, demonstraram que não havia um conceito único e coeso de contextua-
lização, e sim diferentes concepções que, ao serem analisadas, traziam diferentes implicações
para o ensino de ciências. Antes de apresentar estes resultados, vamos conhecer os materiais,
sujeitos e os procedimentos metodológicos desta pesquisa.
Metodologia da pesquisa:
materiais analisados, sujeitos e procedimentos de coleta e análise
Os textos dos documentos curriculares oficiais analisados abrangem diferentes níveis
escolares do Ensino Básico e diferentes níveis jurisdicionais - federal, estadual (SP) e munici-
pal (SP) - sendo, para o Ensino Médio, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Médio/DCNEM (BRASIL, 1998), os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Mé-
dio/PCNEM (BRASIL, 1999) e a Proposta Curricular para o Ensino de Biologia para o 2º
grau/PCEB” (SÃO PAULO, 1988); e, para o Ensino Fundamental, os Parâmetros Curricula-
res Nacionais para o Ensino Fundamental/PCNEF” (BRASIL, 1998b), a Proposta Curricular
para o Ensino de Ciências e Programas de Saúde para o 1º grau/PCEC” (SÃO PAULO, 1991)
e o Movimento de Reorientação Curricular de Ciências/MRCC (SÃO PAULO, 1992). Esses
documentos foram selecionados em virtude de sua abrangência e relevância para o sistema
estadual (SP) de ensino, contexto em que se situam os professores sujeitos desta pesquisa.
Os sujeitos desta pesquisa, os professores de ciências e de biologia, são participantes
de um curso de formação continuada promovido por uma universidade pública, que realizou
encontros semanais (quatro horas) durante todo o ano de 2004. Reuniam-se, nesses encontros,
cerca de sete a dez professores, que tinham como proposta discutir a temática da Biodiversida-
de no Ensino de Ciências e de Biologia. A questão da contextualização do ensino surgiu em
três dos 16 encontros realizados, sendo que, em um deles, esta questão foi o foco principal das
discussões. A análise da fala destes professores incidiu sobre o registro em áudio e vídeo
destes três encontros.
Tanto os textos dos documentos curriculares como a fala destes professores foram
analisados em sua íntegra, dentro de uma abordagem qualitativa da pesquisa educacional (BOG-
DAN; BIKLEN, 1994) e por meio da técnica de análise do conteúdo (BARDIN, 2009), cum-
41
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
prindo os seguintes procedimentos: descrição (enumeração de características do texto, frequên-
cia e categorização), inferência (operações lógicas pela qual se admite uma proposição pela sua
ligação com outras proposições já aceitas), e interpretação (compreender o sentido da comuni-
cação). A pré-análise, por meio de uma leitura flutuante, escolha dos documentos, formulação
de hipóteses e objetivos e criação de indicadores, compôs a fase inicial do trabalho.
Segundo Bardin (2009), a regra da exaustividade na análise documental garante que
não se deixe nenhum elemento de fora da possibilidade de análise, por isso os documentos
oficiais foram exaustivamente lidos, buscando-se o aparecimento do termo contextualização.
O termo contextualização foi a unidade de registro utilizada para uma análise prévia, a partir
da qual se criaram os indicadores que permitiram a organização das categorias construídas.
Pela regra da pertinência, delimitou-se, como critérios, o nível de abrangência de cada docu-
mento – municipal, estadual e federal.
A revisão de estudos sobre a contextualização do ensino e suas implicações educaci-
onais, conforme apresentada no tópico anterior, trouxe os referenciais iniciais para identificar
e analisar as concepções encontradas nos documentos e nos professores. A partir disso, foram
criadas três categorias de análise, conforme já mencionado. Todavia, estas categorias não fo-
ram suficientes para abranger as demais concepções encontradas nos documentos curriculares
e nos professores, levando-nos a criar novas categorias que emergiram dos próprios textos dos
documentos curriculares e das transcrições dos três encontros deste curso de formação de
professores. Ao final deste estudo, resultaram cinco categorias de análise, conforme veremos
no tópico seguinte.
Resultados e conclusões da pesquisa
Foram identificadas dez concepções de contextualização do ensino nos documentos
curriculares oficiais, que foram organizadas em cinco categorias de análise, conforme mostra
o Quadro 1.
Nas DCNEM (BRASIL, 1988), duas categorias estão presentes. A perspectiva de
associar o conteúdo da disciplina às experiências de vida do aluno ou aos conhecimentos
adquiridos anteriormente pelo aluno, buscando retirar o aluno da condição de espectador
passivo e tornar a aprendizagem mais significativa para ele, traz a categoria de análise “cotidi-
ano do aluno”. Sem perder o essencial da aprendizagem escolar, que é o seu caráter sistemáti-
co, consciente e deliberado, o processo de ensino busca provocar aprendizagens significativas
que mobilizem o aluno, estabelecendo, entre ele e o objeto do conhecimento, uma relação de
reciprocidade. A contextualização evoca, por isto, áreas, âmbitos ou dimensões presentes na
vida pessoal, social e cultural, e mobiliza competências cognitivas já adquiridas. O trabalho e
a cidadania estão previstos como os principais contextos desta categoria. A noção de que
contextualizar é integrar o conteúdo específico de sua área a conteúdos das demais disciplinas
do currículo escolar, propondo uma abordagem interdisciplinar do conhecimento, remete-nos
à segunda categoria, a da “disciplina(s) escolar(es)”.
Os PCNEM (BRASIL, 1999) são o documento que mais reúne concepções diferencia-
das de contextualização do ensino, relacionadas às cinco categorias de análise. Ao final das
discussões de cada uma das áreas específicas do Bloco “Ciências da Natureza, Matemática e
42
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
suas Tecnologias”, propõe-se o desenvolvimento de um tópico denominado “Contextualiza-
ção siciocultural”, no qual se definem objetivos e conteúdos de ensino que incluem aspectos
da sociedade e do modo de vida contemporâneo, envolvendo, assim, todos os contextos en-
contrados nestas cinco categorias.
Nos PCNEF (BRASIL, 1998), não há referência direta ao termo contextualização,
mas há diversos elementos que remetem à ideia de contextualização. A proposta de organiza-
ção do currículo de ciências por meio de eixos temáticos é um desses elementos, já que permi-
te romper com uma visão fragmentada das áreas das Ciências, propondo situar e abordar o
conteúdo escolar de forma integrada dentro da própria área de ciências (intradisciplinar) e
com outras áreas curriculares (interdisciplinar). Além disso, ao propor os temas transversais,
busca trazer a realidade sociocultural do aluno para o ensino e, também, abordar este conteú-
do de forma mais integrada. Não foram encontradas concepções relacionadas à categoria de
análise “ciência”.
Na PCEB (SÃO PAULO, 1988), a noção de contextualização do ensino apresenta-se
diretamente relacionada aos conteúdos biológicos, já que afirma a relevância do contexto
social no ensino e processo de produção do conhecimento, para que o aluno conheça não
apenas o produto da ciência (biológica), mas, também, os processos de produção do conheci-
mento científico (biológico). Assim, neste documento, além das concepções relacionadas à
categoria “ciência”, foram encontradas aquelas relacionadas à categoria “cotidiano do aluno”.
No MRCC (SÃO PAULO, 1992), a contextualização não é um princípio explícito, tal
como ocorre com a noção de interdisciplinaridade, que, no presente documento, é adotada
como o percurso metodológico para se chegar a um currículo mais dinâmico e crítico. Contu-
do, evidencia a necessidade de se compreenderem as relações entre o individual e o coletivo na
formação de um cidadão crítico e ativo socialmente, afirmando que essa compreensão só
poderá ocorrer por meio da utilização do senso comum, da realidade vivenciada como ponto
de partida para discussões teóricas, trazendo a categoria “cotidiano do aluno”.
A partir desses resultados, foi possível concluir que as concepções de contextualiza-
ção do ensino mais presentes nos documentos curriculares encontram-se na categoria “cotidi-
ano do aluno”, já que relacionam o conteúdo da disciplina à realidade, à cidadania, ao mundo
do trabalho e às experiências pessoais e sociais do aluno. A categoria “disciplina(s) escolar(es)”,
que busca relações entre os conteúdos das ciências naturais e destes com outras disciplinas
escolares, numa perspectiva multi, trans ou interdisciplinar, é a segunda perspectiva mais pre-
sente (com exceção do documento MRCC, 1992). O documento das DCNEM (1988) é o que
reúne concepções de todas as cinco categorias de análise. Já, a PCEB é o único documento a
apresentar uma concepção de contextualização no ensino que busca relações entre o conheci-
mento biológico das ciências e teorias mais gerais da biologia e da ciência. O documento do
MRCC (ano) foi o que apresentou menos variedade de concepções, inserindo-se em apenas
duas categorias de análise.
Já, entre os professores de ciências e de biologia, sujeitos desta pesquisa, foram iden-
tificadas três concepções, que se relacionam a três categorias de análise já existentes: “cotidi-
ano do aluno”, “disciplina(s) escolar(es) e “contextos histórico, social e cultural”.
43
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
Na categoria “cotidiano do aluno”
O pesquisador 1, segundo o trecho abaixo e intervenções pontuais ao longo da ofici-
na, aponta a importância de trazer o cotidiano do aluno para o ensino de ciências. Para ele,
cotidiano significa o ambiente imediato e vivencial do aluno; já que a tundra é considerada,
por ele, um ecossistema distante deste ambiente imediato do aluno, este não faria parte de seu
cotidiano.
[...] Não adianta você pegar um panorama ali qualquer pro cara sem saber se ele
realmente conhece aquilo minimamente, senão, não há contexto. Então, vamos
pensar assim: um cara que foi criado numa comunidade tradicional, uma comuni-
dade ribeirinha tá. O cara nunca na vida dele assistiu televisão. Aí você vai dar
aula pra ele, eu só tô fazendo uma situação hipotética pra gente ver (________),
então eu vou ensinar pra ele o que é um ecossistema. Então eu digo assim pra ele:
Nossa aula vai começar hoje com Tundra.” (pesquisador 1)
Em Fracalanza, Amaral e Gouveia (1986), a preocupação com a abordagem do coti-
diano, nos processos de Contextualização, não é uma forma de banalizar ou restringir os
conhecimentos dos alunos ou limitá-lo à realidade imediata, fazendo dela a única realidade
possível de ser conhecida. Esse pesquisador evidencia sua preocupação com a posição do
aprendiz frente ao que está sendo criado, uma vez que aplicar, a princípio, um conceito total-
mente abstrato ao aluno é imediatamente criar uma primeira barreira ao processo ensino-
aprendizagem que será difícil de vencer a posteriori, prejudicando todo o processo de compre-
ensão do objeto. Se a Contextualização é para que o aluno possa compreender melhor seu
conteúdo escolar, ele precisa compreender o contexto e agir sobre ele.
Nos PCNEM (1999) aparece o termo “prático” para um ensino Contextualizado, ou
seja, concreto e palpável ao aluno, o que reforça a opinião do pesquisador 1. Dessa forma,
defende um ensino de sentido concreto para o aluno, dentro de sua realidade, o que o docu-
mento denomina contextualização no ensino. A partir dessa realidade cotidiana, atingir níveis
complexos de abstrações do objeto pertencente a sua realidade de vivências.
Na categoria “disciplinas escolares”
Para o professor 7, contextualizar é integrar o conteúdo a ser ensinado com outros
conteúdos, de forma a criar um contexto. Para ele, a relação entre a Contextualização e a
Interdisciplinaridade ocorre devido à articulação entre diferentes áreas do conhecimento na
criação de contextos, que, de forma geral, apresentam relações entre conteúdos específicos de
áreas distintas na construção de uma situação manipulável. O professor 7, do grupo de ensino
(GE), mostra essa concepção de contextualização como recurso para interligar conteúdos.
[...] contextualização
de outra forma também, por exemplo, agora você pode
Contextualizar
com outras... outras... áreas também. Poderia de repente esco-
44
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
lher uma música também, ou trabalhar com o ciclo biogeoquímico da água, ou
também com a parte biológica. Você fazer uma conexão de conceitos também.”
(professor 7)
A fala do professor 7 não estabelece como as ligações entre os conceitos ocorrem,
tampouco se essa articulação é dentro de uma mesma área de nucleação ou entre áreas distin-
tas. A criação de um contexto ocorre por meio da conexão entre conceitos específicos.
O pesquisador abaixo parte de uma crítica aos PCN em geral, afirmando que, nestes,
não há uma indicação de mecanismos para realização da contextualização. Este pesquisador
também apresenta uma concepção de contextualização relacionada à ideia de integração entre
disciplinas e áreas, pois, indica a dificuldade em relacionar conceitos diferentes no exato mo-
mento em que se discutia a concepção de contextualização na perspectiva da integração das
disciplinas. Há a crítica aos PCN, que não propõem a forma como se podem estabelecer as
relações entre os conteúdos. O pesquisador faz referência a outras propostas que o subsidiam
melhor. Assim, percebe-se que a escolha do documento representa uma concepção de contex-
tualização e a dificuldade de colocar em prática essas representação seria, para esse pesquisa-
dor, o ato de contextualizar o ensino.
[...] É porque diferente do que quando você pega uma proposta curricular pareci-
da com aquele caderninho verde, e o que ta proposto para Ciências que é um
caderninho vermelho, né? Onde lá você tem realmente conceitos que se interligam,
né... então você pega, por exemplo, energia, matéria, transformação e você fala
então esse é o conceito. Agora no PCN.” (pesquisador 1)
A fala acima reforça a ideia anteriormente discutida de que os documentos realmente
não auxiliam o professor no sentido de apresentarem possibilidades metodológicas para a
realização da contextualização do ensino.
Na categoria “histórico e sociocultural”
O pesquisador 2 e demais participantes da oficina buscam relacionar parte/todo em
um movimento de articular o conteúdo a ser ensinado a um contexto mais amplo. O foco é a
própria historicização do objeto de aprendizagem. Este entrevistado apresenta, ainda, como
exemplo, o caso do conceito adaptação, que é a parte a ser inserida em um universo mais
abrangente, ou seja, ao campo do conhecimento científico a que está ligado. Alguns professo-
res trazem, ainda, a ideia de contextualizar por meio do conhecimento das relações entre o
objeto de aprendizagem e o meio em que está inserido, ou seja, diferentemente da perspectiva
do cotidiano do aluno, o foco, agora, é o cotidiano do objeto a ser conhecido.
[...] É procurar uma parte dentro de um todo... eu acho que assim, a idéia de
Contextualizar
é você pegar a parte, então, por exemplo, você vai pegar o con-
ceito de adaptação, e você remete ao todo que ele pertence, né...”. (pesquisador 2)
45
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
Como discutido no início do artigo em termos gerais, a contextualização no ensino de
ciências abarca competências de inserção da ciência e de suas tecnologias em um processo
histórico, social e cultural; e, também, o reconhecimento e discussão de aspectos práticos e
éticos da ciência no mundo contemporâneo.
O Quadro 1 sintetiza as cinco categorias de análise que resultaram das concepções de
contextualização do ensino identificadas nesta pesquisa.
Quadro 1. Categorias de análise das concepções de contextualização do ensino, contextos de significação e de
ocorrência destas concepções.
Categorias de análise
1) Cotidiano do aluno
2) Disciplina(s)
escolar(es)
3) Ciência
4) Ensino
5) Contexto histórico,
social e cultural
Concepções
Buscar relações com as experiências
pessoais e sociais do aluno, a
realidade do aluno e a cidadania.
Buscar relações com o mundo do
trabalho.
Buscar relações com outras
disciplinas (multi, trans ou
interdisciplinaridade).
Buscar relações com a ciência,
enquanto produto e processo.
Buscar relações com as ciências
naturais, em especial, as ciências
biológicas (as teorias evolutivas).
Buscar relações entre conhecimento
científico e conhecimento escolar.
Buscar problematizar e situar o
conhecimento escolar em relação a
outras formas de conhecimento.
Buscar relações com elementos da
cultura.
Buscar relações com a história da
ciência.
Buscar relações CTS
Contextos de
significação
Cotidiano do aluno
Mundo do trabalho
Outras disciplinas
escolares
Universo da ciência
Teorias gerais da
Biologia e da ciência
Conhecimento
científico
Diversas formas de
conhecimento em
diferentes contextos
Cultura brasileira e
mundial
Contexto histórico e
social
Ciência, tecnologia e
sociedade
Documentos ou
professores
DCNEM/PCNEM/
PCEB/PCNEF/
PCEC/ MRCC
Professores
DCNEM
DCNEM/PCNEM/
PCNEF/PCEC
Professores
PCNEM/PCEC
PCEB
PCNEM
PCNEF/PCEC/
MRCC
PCNEM/PCNEF/
PCEC
Professores
PCNEM/PCEC
PCNEM/PCNEF/
PCEC
Professores
DCNEM (1998) – Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.
PCNEM (1999) – Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.
PCEB (1988) – Proposta Curricular para o Ensino de Biologia.
PCNEF (1998) - Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental.
PCEC (1991) – Proposta Curricular para o Ensino de Ciências e Programas de Saúde.
MRCC (1992) – Movimento de Reorientação Curricular – Ciências.
46
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Observou-se que, apesar de encontrarmos uma multiplicidade de concepções de con-
textualização do ensino, estas não são contraditórias entre si (ou ambíguas), já que todas elas
compartilham da noção de que contextualizar é articular ou situar o conhecimento específico
da disciplina (parte) a contextos mais amplos de significação (todo), estes, sim, bastante vari-
ados: o cotidiano do aluno, a(s) disciplina(s) escolar(es), a ciência (referência), o ensino e os
contextos histórico, social e cultural.
Implicações pedagógicas das concepções de contextualização
do ensino para o ensino de Ciências e de Biologia
Enfrentar uma tradição de ensinar biologia como conhecimento descontextualizado,
buscando desenvolver mediações didáticas que permitam transitar do mundo da experiência
imediata e espontânea para o plano das abstrações e deste para a reorganização da experiência
imediata, deverá ser o principal desafio das práticas escolares, cabendo, ao professor, protago-
nizar esse processo. Certamente, tal tarefa não será simples e nem fácil.
Entendemos que a diversidade de concepções de contextualização do ensino, identi-
ficada nesta pesquisa, pode oferecer, ao professor, possibilidades múltiplas de mediações di-
dáticas em sua difícil tarefa de planejar e organizar o ensino, desde que estas possam ser
explicitadas e exploradas, por ele, nos processos de transposição do ensino. Assim, discutire-
mos as implicações pedagógicas de cada uma delas, apontando estas possibilidades que serão
abordadas a partir das cinco categorias que reúnem todas as concepções encontradas.
Em relação à primeira categoria “cotidiano do aluno”, a ideia de valorizar o cotidi-
ano no ensino de ciências não representa nenhuma novidade, pois, já no final da década de
1970, havia, no Brasil, as primeiras manifestações sistemáticas a favor deste princípio. Segundo
Fracalanza, Amaral e Gouveia (1986), esta ideia tem crescido sistematicamente nos últimos
anos, sendo concebida sob duas formas: a primeira, que se preocupa com a aplicação do
aprendizado na solução de problemas práticos na vida do estudante e, a segunda, que, sem
excluir obrigatoriamente a primeira, propõe o uso do cotidiano como motivação para o aluno,
já que, ao partir de seu mundo concreto, o aluno se interessaria mais pelo objeto de estudo e
aprenderia mais. Entretanto, para este autor, tanto um caminho quanto o outro cometem equí-
vocos que devem ser enfrentados. O primeiro equívoco é o de que os conteúdos escolares não
devem ter compromisso prioritário com a utilidade imediata, mas com a formação intelectual
do aluno, ficando as aplicações práticas imediatas como vantagens adicionais. O segundo é
considerar o cotidiano do aluno apenas como recurso motivacional, sem que haja uma articu-
lação deste cotidiano com as demais fases da aprendizagem. É bastante frequente partir do
cotidiano do aluno no início do processo de aprendizagem e passar para o conteúdo formal,
ficando um fosso entre os dois tipos de conhecimento. O terceiro refere-se à noção, sobretudo
presente nos livros didáticos, de um cotidiano padronizado e estereotipado, constituindo-se a
própria negação do conceito de cotidiano, já que, para muitos deles, este é irreal e abstrato.
As relações estabelecidas com o cotidiano do aluno devem permitir dar significado ao
conteúdo curricular, fazendo a ponte entre o que se aprende na escola e o que se faz, vive e
observa no dia a dia, mas estas não devem ser confundidas com abordagens espontaneístas e
imediatistas deste cotidiano. Sendo assim, os processos de ensino e aprendizagem deverão
47
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
buscar vínculos efetivos com o cotidiano, porém, deverão superá-lo, buscando uma articula-
ção entre este cotidiano e os níveis mais conceituais e abstratos da aprendizagem, num movi-
mento permanente de ação e reflexão.
Para realizar as mediações didáticas entre o cotidiano do aluno e o ensino, é preciso
enfrentar as concepções prévias que estes alunos possuem sobre os conteúdos a serem trata-
dos na escola, que encontram-se, via de regra, no plano do senso comum e constituídas por
representações equivocadas ou limitadas para a compreensão e a explicação da realidade. Se
não enfrentada essa contradição, corre-se o risco de se considerar que a simples sistematização
de conhecimento cotidiano seja suficiente para que o aluno estabeleça relações entre ideias,
fatos e fenômenos para enfrentar situações concretas que demandem problematizações, ela-
borações conceituais e soluções (RAMOS, 2002).
Ao contextualizar os conteúdos escolares na perspectiva do cotidiano, surge, natural-
mente, a necessidade de contextualizá-los no conjunto das disciplinas escolares, pois somente
na perspectiva das disciplinas escolares se completará o processo iniciado na perspectiva ante-
rior, que é o de relacionar aquilo que é aprendido com o aquilo que é vivenciado no cotidiano.
Assim, surge a segunda categoria, “disciplina(s) escolare(s)”, que procura relacionar ou
situar o conhecimento específico no contexto das disciplinas escolares, tanto entre as discipli-
nas nucleadas na própria área das Ciências Naturais (intradisciplinar) como entre as demais
disciplinas do currículo escolar (interdisciplinar). De fato, conforme apontado nas DCNEM
(BRASIL, 1998), interdisciplinaridade e contextualização são princípios organizadores do cur-
rículo que permitem ampliar as inúmeras possibilidades de interação entre disciplinas e entre
áreas nas quais estas disciplinas estão agrupadas.
Neste contexto, os enfoques multi, trans e interdisciplinares são as formas de integra-
ção mais encontradas nas propostas curriculares e utilizadas pelos professores desta pesquisa.
O currículo com enfoque multidisciplinar é aquele que trata de diferentes campos do conhe-
cimento, porém, sem o estabelecimento de conexões sistemáticas entre os respectivos conteú-
dos; já no currículo com enfoque interdisciplinar, estas conexões são feitas de modo sistemá-
tico. O currículo com enfoque transdisciplinar busca integrar os conteúdos por meio de temas
que transversalizam o currículo, podendo estabelecer ou não conexões sistemáticas entre eles.
Conforme já visto nos resultados desta pesquisa, na PCEC (SÃO PAULO, 1998), o estudo do
ambiente é feito por meio de uma abordagem interdisciplinar, na qual a noção de ambiente é
construída a partir da apreensão de seus componentes e processos e de suas múltiplas relações
com os aspectos físicos, químicos, geológicos, biológicos, tecnológicos e socioeconômico-
culturais; enquanto, nos PCNEF (BRASIL, 1988), há uma proposta de abordagem transdisci-
plinar, por meio de temas transversais que, sem romperem com a estrutura disciplinar, pro-
põem a abordagem de temas abrangentes que perpassam ou transversalizam todas as discipli-
nas escolares.
De um modo ou outro, é importante atentar para o fato de que as disciplinas e áreas
podem ser interligadas, mas não podem ser diluídas e nem eliminadas. É preciso reconhecer o
caráter disciplinar do conhecimento, já que cada campo do conhecimento possui sua lógica e
sua própria metodologia de investigação. Assim, é preciso orientar e organizar o aprendizado,
de forma que cada disciplina, em sua especificidade, possa desenvolver conhecimentos inte-
grados, examinando o objeto de estudo disciplinar em seus diferentes contextos de significa-
ção, conforme apontam as perspectivas de ensino aqui desenvolvidas.
48
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Em relação à terceira categoria “Ciência”, que busca situar ou relacionar o conheci-
mento específico aos conhecimentos das ciências-referência (Biologia, Química, Física e Geo-
ciências), parte-se da crítica de uma visão de ciência como algo externo e separado da socieda-
de e neutra quanto ao conhecimento que produz. Busca-se, assim, uma concepção mais realis-
ta da ciência, não só como uma coleção de conhecimentos (produtos), mas, também, como
uma maneira peculiar de produzi-los (processos). Certamente, a concepção de ensino de ciên-
cias deve estar coerente com esta perspectiva de ciência, o que não é uma tarefa simples,
conforme aponta a própria história do ensino de ciências no Brasil.
O movimento de inovação no ensino de ciências, que buscou modificar o ensino
tradicional de ciências, com ênfase no produto da ciência e na transmissão de um conteúdo
científico pronto e acabado, para um ensino ativo, com ênfase no processo da ciência, trouxe
como herança a vivência do método científico pelo aluno. Nas décadas de 1960 e 1970, a
incorporação da vivência do método científico no ensino de ciências, enquanto uma atividade
científica simulada - em que o aluno reproduz a suposta sequência padronizada de etapas
experimentais que seria necessária à obtenção de novos conhecimentos, chamado de método
da redescoberta - trouxe, pelo menos, dois equívocos. O primeiro foi o de deturpar a compre-
ensão sobre o processo científico, reduzindo-o a algo esquemático e padronizado, capaz de
conduzir, com segurança, as respostas certas e definitivas para os problemas científicos. Cer-
tamente, tal perspectiva não corresponde ao modo como a ciência produz conhecimentos. O
segundo foi o de transpor diretamente este método científico, nos moldes já mencionados,
para situações de ensino, como se ensinar ciências fosse o mesmo que ensinar o método
científico a fim de transformar o aluno em um minicientista. É importante conhecer o proce-
dimento da ciência e o(s) método(s) da ciência, para compreendê-la não apenas como produto,
mas, também, como um processo; porém a experiência do aluno com o objeto de estudo deve
ser algo verdadeiramente experimental, no sentido de que a realidade precisa ser experimenta-
da, vivida e testada, visando desenvolver o complicado processo de formação do pensamento
lógico e crítico do estudante.
Na quarta categoria “Ensino”, busca-se situar ou relacionar o conhecimento especí-
fico a outras formas do conhecimento, como aquelas que vêm do cotidiano do aluno e da
sociedade em que ele vive, buscando-se a melhor síntese para a produção do conhecimento
escolar. Certamente, não se trata de uma síntese definitiva, mas em constante transformação, já
que responde a objetivos educacionais e sociais mais amplos (incluem-se, aqui, os objetivos do
ensino de ciências) e às necessidades e características do público escolar a que se destina. Em
suma, é no contexto do ensino que se estabelecem as mediações didáticas envolvidas nesta
produção do conhecimento escolar e no qual o professor possui um papel fundamental: o de
ser o principal sujeito mediador deste processo. Para promover tais mediações, é importante
atentar para os seguintes aspectos: 1) conhecer as características das diferentes formas do
conhecimento – científico, do senso comum, escolar e outros – que chegam e se constituem na
escola; 2) conhecer os diferentes objetos, formas e sujeitos de mediação - tais como, os mate-
riais e recursos didáticos e pedagógicos, os materiais curriculares, o planejamento escolar e os
planos de ensino, os livros didáticos, os métodos e estratégias de ensino, os professores, os
alunos etc. - para compreender os processos pelos quais os conhecimentos escolares são pro-
duzidos e que implicações estes podem trazer para o ensino, e 3) planejar o ensino, selecionan-
49
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
As concepções de contextualização do ensino...
do e organizando conteúdos e métodos de ensino que respondam às questões que surgem nos
itens anteriores.
Quanto à quinta e última categoria, “contextos histórico, social e cultural”, busca-
se relacionar ou situar o conhecimento específico na sociedade. Partindo-se da premissa de
que a ciência é uma atividade humana, sendo, por isso, histórica, coletiva e impregnada pelas
características sociais de sua época, busca-se contextualizar o conhecimento científico (especí-
fico), situando-o historicamente no tempo e no espaço, para se compreender como se deu a
sua evolução.
Contudo, há equívocos nesta abordagem histórica que acabam desvirtuando esta pers-
pectiva. Um deles refere-se à abordagem linear e factual da história da ciência, que ignora as
contradições inerentes ao processo da ciência; e o outro se refere à questão da relação ciência,
tecnologia e sociedade, que tem sido comumente deturpada, pela forma parcial com que tem
sido tratada, enfatizando-se o aspecto tecnológico em detrimento de outros aspectos. Sendo
assim, é importante adotar-se uma abordagem que procure analisar criticamente estas relações
envolvidas, na perspectiva de uma história crítica ou de uma ciência histórica.
Em suma, as possibilidades de mediações didáticas que o professor poderá encontrar
a partir das diferentes concepções de contextualização do ensino podem ser muitas, sendo
estas apenas algumas delas. O importante é o professor estar atento a elas, para que ele possa
assumir, de fato, o seu papel de mediador (ativo) dos processos de ensino e aprendizagem.
Referências
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes
curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília: MEC/CNE, 1998.
______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23
dez. 1996. Seção 1.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros
Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros
Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999.
BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à
teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.
DEWEY, J. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 3. ed. Trad.
Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Nacional, 1959.
FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A.; GOUVEIA, M. S. F. O ensino de ciências no
primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.
50
Kato, D. S.; Kawasaki, C. S.
Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011
Artigo recebido em setembro de 2010 e aceito em dezembro de 2010.
LIMA, J. F. L.; PINA, M. S. L.; BARBOSA, R. M. N.; JÓFOLI, Z. M. S. A contextualização
no ensino de cinética química. Química Nova na Escola, Rio de Janeiro, n. 11, p. 27-29,
2000.
LOPES, A. C. Os parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio e a submissão ao
mundo produtivo: o caso do conceito de contextualização. Educação & Sociedade,
Campinas, v. 23, n. 80, p. 386-400, 2002.
LOPES, A. C.; GOMES, M. M.; LIMA, I. S. Diferentes contextos na área de ciências da
natureza, matemática e suas tecnologias nos parâmetros curriculares nacionais para o ensino
médio: integração com base no mercado. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA
EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 2., 2001, Atibaia. Anais... Atibaia: Abrapec, 2001. 1 cd-rom.
MOYSES, L. Aplicações de Vigotsky à educação matemática. Campinas: Papirus, 1997.
RAMOS, M. N. A educação profissional pela Pedagogia das Competências: para além da
superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80,
p. 405-427, 2002.
RODRIGUES, C. L.; AMARAL, M. B. Problematizando o óbvio: ensinar a partir da
realidade do aluno. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-
GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 19., Caxambu, 1996. Anais... Caxambu:
Anped, 1996. p. 197.
SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.
Movimento de reorientação curricular: Ciências – visão de área. São Paulo: SME/DOT,
1992.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas
Pedagógicas. Proposta curricular para o ensino de Biologia: 2º grau. 2. ed. São Paulo:
SE/CENP, 1988.
______. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas.
Proposta curricular para o ensino de ciências e programas de saúde: 1° grau. 2. ed.
São Paulo: SE/CENP, 1991.
STEIN, D. Situated learning in adult education. ERIC Digests, Columbus, OH, n. 195,
p. 1-7, 1998. Disponível em: <http://www.ericdigests.org/1998-3/adult-education.html>.
Acesso em: 07 nov. 2009.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
Chapter
In this chapter we present results of a qualitative evaluation conducted in the Fundamentals of Calculus classes in four service courses, Administration, Biology, Accounting and Physics, from a federal university in Brazil. The objectives were to analyze the main difficulties the students had regarding mathematical modelling, especially with functions and the relationship of these difficulties with the different fields of study. The analysis of the results identified some of the main teaching difficulties were related to contextualization in mathematical modelling, as well as the teaching of mathematical concepts for different courses, whether these were related to the Exact Sciences or not.
Article
Full-text available
O texto analisa a reforma da educação profissional em curso no Brasil desde 1997, a partir do Decreto nº 2.208 e das Diretrizes e Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico, sob duas perspectivas. A primeira apreende o tensionamento do conceito de qualificação pela noção de competência, demonstrando o enfraquecimento de sua dimensão social e a despolitização de seu conteúdo. A segunda discute os limites epistemológicos, pedagógicos e metodológicos das orientações curriculares para a educação profissional baseada em competências. Demonstra as incoerências internas ao discurso oficial e se contrapõe aos seus princípios pela perspectiva materialista-dialética.
Article
Full-text available
Neste artigo, procura-se demonstrar que o processo de produção de um discurso curricular híbrido nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio tem por finalidade a inserção social no mundo produtivo. Tal finalidade limita a dimensão cultural da educação. Como exemplo da produção desse discurso híbrido, são analisadas as ambigüidades expressas pelo conceito de contextualização no conhecimento oficial. Essas ambigüidades são entendidas como ressignificando discursos curriculares acadêmicos. Defende-se neste artigo que tais ambigüidades são uma forma de se legitimar os parâmetros junto a diferentes grupos sociais. Tais idéias são desenvolvidas com base nos conceitos de recontextualização (Bernstein) e de hibridismo (Canclini).
Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos
  • R Bogdan
  • S Biklen
BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.
Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
  • Brasil
  • Ministério Da Educação
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília: MEC/CNE, 1998.
Secretaria Municipal de Educação
  • São Paulo
  • Cidade
SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.
O ensino de ciências no primeiro grau
  • H Fracalanza
  • I A Amaral
  • M S F Gouveia
FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A.; GOUVEIA, M. S. F. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.
Secretaria da Educação Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta curricular para o ensino de Biologia: 2º grau. 2
  • São Paulo
  • Estado
SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta curricular para o ensino de Biologia: 2º grau. 2. ed. São Paulo: SE/CENP, 1988.
A contextualização no ensino de cinética química
  • J F L Lima
  • M S L Pina
  • R M N Barbosa
  • Z M Jófoli
LIMA, J. F. L.; PINA, M. S. L.; BARBOSA, R. M. N.; JÓFOLI, Z. M. S. A contextualização no ensino de cinética química. Química Nova na Escola, Rio de Janeiro, n. 11, p. 27-29, 2000.
Problematizando o óbvio: ensinar a partir da realidade do aluno
  • C L Amaral
  • M B Congresso
  • Associação
  • De Pósgraduação E Pesquisa Em Educação Anais
RODRIGUES, C. L.; AMARAL, M. B. Problematizando o óbvio: ensinar a partir da realidade do aluno. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 19., Caxambu, 1996. Anais... Caxambu: Anped, 1996. p. 197.