ArticlePDF Available

Moinhos e moleiros no Alentejo oriental: Uma perspectiva etnográfica

Authors:
  • Centre for Research in Anthropology

Abstract

Este artigo fala dos moinhos e dos moleiros do rio Guadiana (a sul da foz do Caia) e dos seus afluentes e subafluentes, sublinhando a importância das culturas cerealíferas na economia do Alentejo, fornecendo dados de natureza histórica e tipológica sobre os sistemas hidráulicos de moagem de cereais, identificando os seus proprietários e formas de exploração, bem como os fregueses, o modo como ocupavam o tempo, o labor do moleiro, os usos sociais das farinhas, o sistema de complementaridade decorrente da falta ou excesso de água e a profissão de moleiro.
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
221
Etnográfica, Vol. VIII (2), 2004, pp. 221-242
Ainda que em anos recentes numa escala muito mais reduzida, a agri-
cultura, juntamente com a pecuária, é, desde longa data, um dos pilares
fundamentais da economia da região do Alentejo. Tradicionalmente, nesta
como noutras regiões do Sul da Europa produz-se trigo, centeio, cevada,
azeitona e bolota, e cria-se gado vacum, lanígero e suíno. “A importância
relativa de cada uma destas actividades (...) tem (...) flutuado com o tempo,
ainda que as principais oscilações se situem entre o predomínio da criação de
gado e a preponderância das culturas cerealíferas” (Cutileiro 1977: 31). Entre
os últimos anos do século XIX e a década de 1960, estas foram claramente
preponderantes, como mostra a ideia de que é no Alentejo que encontramos
“o verdadeiro reino do cereal” (Vasconcelos 1980 II: 514). Essa posição de
relevo está estreitamente associada à produção de trigo, cujo cultivo conheceu
uma forte expansão no intervalo de tempo considerado acima, devido a um
conjunto de factores políticos, económicos e tecnológicos (ver Cutileiro 1977:
31-45). A importância do trigo na economia da região, em boa medida simi-
lar à do centeio no Nordeste transmontano (O’Neill 1984: 63-64), está patente
no facto de o tamanho das herdades ser então medido em moios de semea-
dura de trigo e não em hectares (Picão 1983: 16-17) e na circunstância de o
dito ser frequentemente utilizado como moeda de troca e como meio de
pagamento de serviços de vária ordem. Um dado adicional é que tal situação
resulta da conjugação de dois factores, designadamente a centralidade do pão
na dieta alimentar das populações e a conversão do trigo em cereal pani-
ficável de predilecção, ocorrida nos primórdios do século XX.
É neste contexto, marcado por uma economia de subsistência, de fraca
circulação monetária, que se enquadra a actividade dos sistemas de moagem
aqui em estudo, uma vez que era neles que tinha lugar a operação que
permitia o consumo das culturas cerealíferas.1
Este artigo fala dos moinhos e dos moleiros do
rio Guadiana (a sul da foz do Caia) e dos seus
afluentes e subafluentes, sublinhando a
importância das culturas cerealíferas na economia
do Alentejo, fornecendo dados de natureza
histórica e tipológica sobre os sistemas
hidráulicos de moagem de cereais, identificando
os seus proprietários e formas de exploração, bem
como os fregueses, o modo como ocupavam o
tempo, o labor do moleiro, os usos sociais das
farinhas, o sistema de complementaridade
decorrente da falta ou excesso de água e a
profissão de moleiro.
MOINHOS E MOLEIROS
NO ALENTEJO ORIENTAL:
UMA PERSPECTIVA
ETNOGRÁFICA
Luís Silva
1
Os dados etnográficos apresentados neste artigo foram recolhidos em diferentes momentos: em 1993-94, quando
colaborei no projecto Práticas, Representações e Cultura de Fronteira: Interrogação Antropológica a Sul do Caia – financiado
Luís Silva
222
Apontamentos históricos e tipológicos
Contemporânea da agricultura qualificada e da “domesticação” dos cereais
iniciada no Neolítico, a moagem destes para fins de alimentação humana (e
animal) é “um dos capítulos mais fascinantes da história das técnicas” (Borges
1981a: 37). Está fora do âmbito deste artigo falar de todos os sistemas de
moagem de que há memória, pois só se abordam os que eram accionados pela
água, que nos remetem para um estádio relativamente tardio da humanidade
e do fenómeno moageiro (cf. Galhano 1978, Oliveira, Galhano e Pereira 1983,
Escalera Reyes e Villegas Santaella 1983).
Quando se fala em moinhos hidráulicos de cereais, por ordem
cronológica, deve falar-se em primeiro lugar nos moinhos de rodízio. Este
moinho de roda horizontal – cuja data e local de invenção são incertos, dado
ter sido noticiado quase simultaneamente em pontos tão distantes como a
Grécia, o Próximo Oriente, o Norte da Dinamarca e a China, donde resulta
o facto de também ser conhecido por moinho grego e/ou por moinho nórdico
foi pioneiramente referido num epigrama que se presume escrito no ano 85
a.C. por Antipatros de Salónica (Oliveira, Galhano e Pereira 1983: 69) ou
Antifilo de Bizâncio (Bloch 1935: 808) e do qual Childe (1969: 275-76)
apresenta a seguinte versão: “Molineras, no toquéis más el molino de mano,
porque Demeter há pedido a las ninfas que realicen vuestro trabajo. Ellas
corren en lo alto de una rueda y hacen girar su eje”.
A referência mais antiga que se conhece do moinho de roda vertical
encontra-se numa obra escrita por Vitrúvio por volta do ano 25 a.C. (Dias
1993:210). Dada a complexidade técnica acrescida deste engenho, não restam
dúvidas de que o mesmo – também conhecido por moinho romano – representa
o segundo tipo básico de moinho hidráulico, no seio do qual existem dois
modelos: o de propulsão inferior e o de propulsão superior.2
Independentemente do sistema, a invenção dos moinhos de água
significou um progresso de extraordinário alcance técnico, permitindo a
libertação de uma massa volumosa de mão-de-obra que podia ser empregue
pela JNICT, acolhido pelo CEAS, desenvolvido pelo dr. Luís Martins e coordenado pelo prof. doutor Joaquim Pais
de Brito –, biografando o Guadiana e os seus moinhos, entre outras coisas, através de prospecção directa, recolha de
fotografias antigas e realização de entrevistas junto de antigos moleiros e maquilões nos concelhos de Elvas, Vila Viçosa,
Alandroal, Reguengos, Portel, Moura, Mourão, Serpa, Vidigueira, Beja e Mértola; em 1996-97, quando efectuei a
pesquisa de terreno que esteve na base da tese de mestrado realizada no ISCTE, financiada pela FCT (Silva 1999); em
2000, quando integrei a equipa da ERA – Arqueologia, Lda., que realizou o estudo dos moinhos inseridos na área do
regolfo da barragem do Alqueva e do açude de Pedrógão, financiado pela EDIA, SA. Parte dos dados aqui compilados
constam do relatório final entregue à EDIA.
2
Sobre a diferença entre estes dois modelos, ver Oliveira, Galhano e Pereira (1983), Dias (1993) e Borges (1981b).
Dentro dos sistemas hidráulicos de propulsão inferior cabe falar dos moinhos de barcas, nos quais a roda de água – cuja
parte inferior se introduz na corrente que a faz girar – é instalada em barcas. A notícia mais antiga que se conhece a
seu respeito remonta ao século VI (Oliveira, Galhano e Pereira 1983: 72).
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
223
noutras actividades produtivas. Não obstante, dada a articulação estreita
entre a tecnologia – elemento chave dentre os que integram as forças pro-
dutivas de determinado modo de produção – e as estruturas sociais e eco-
nómicas dos grupos humanos, a implantação e a realização prática da
moagem hidráulica só aconteceu centenas de anos depois, quando foram
substituídos os pilares de sustentação das antigas civilizações mediterrânicas,
cujo modo de produção assentava na utilização de mão-de-obra escrava como
fonte de energia fundamental, o que ocorreu no final do período expansivo
e conquistador do Império Romano, ou seja, nos séculos III ou IV da era cristã
(cf. Escalera Reyes e Villegas Santaella 1983: 24).
Se todos os caminhos vão dar a Roma, todos os caminhos partem de
Roma. Os moinhos tomaram-nos, tornando-se presentes em toda a Europa
Ocidental. Mas, como nota Borges (1981b: 72), essa expansão não foi rápida,
devido às “contingências catastróficas que se seguiram à desintegração do
Império”. De todas as formas, entre os séculos III e XII multiplicam-se as
referências à difusão dos moinhos de água por quase todas as regiões do
continente europeu (ver Escalera Reyes e Villegas Santaella 1983: 28, Borges
1981b: 72). No que diz respeito à Península Ibérica, parece que foram
introduzidos pelos romanos, não restando dúvidas quanto à sua utilização
durante a ocupação correspondente (Dias 1993: 208, s/d.: 89). O facto de o
Código Visigótico contemplar uma legislação sobre os moinhos hidráulicos
– onde se regulamenta a construção de açudes e se sancionam os delitos
cometidos para com os moinhos e as suas represas, bem assim como furtos
de objectos que lhes pertençam – faz com que Gama Barros (1950: 30-31)
admita que no século V eles já eram de uso vulgar na Península Ibérica.
A existência do moinho de água em Portugal prova-se com indubitável
segurança no século X, sendo muito abundantes os textos que, daí em
diante, aludem a moinhos, molinus, molendini aquae ou sesegas. No Gua-
diana, a existência de moinhos remonta, pelo menos, ao século XIII, dado
que são objecto de menção no Convénio de Limites assinado em Badajoz
em 1267 entre Afonso X de Leão e Castela e seu neto, D. Dinis, futuro
rei de Portugal (Torrado González 1999: 140). A par dos moinhos de
roda horizontal, os referidos “textos” aludem às azenhas, termo que, para
alguns autores, serve para designar os moinhos de água de roda vertical.
Sampaio (1923) e Ribeiro (1945), por causa da derivação etimológica das
palavras e pelo facto de no século X no Norte só conhecerem o moinho,
quando a azenha já havia sido introduzida no Sul, são de opinião de que
os moinhos que os romanos trouxeram para Portugal foram os de roda
horizontal e de que as azenhas foram introduzidas pelos árabes. Dias
(s/d.: 89-90) entende que esta tese é verosímil, mas impossível de com-
provar. Oliveira, Galhano e Pereira (1983: 80) consideram que o argumento
linguístico não é suficientemente forte para corroborar a hipótese segundo
Luís Silva
224
a qual a generalização das azenhas em Portugal “teria tido lugar a partir do
domínio árabe”, dado que “os Romanos conheceram bem e usaram, sobre-
tudo, a roda vertical” e uma vez que a “documentação existente sobre moi-
nhos de água não autoriza a sua repartição com maior incidência das
azenhas no Sul do país”.
Os moinhos de roda vertical, apesar de necessitarem de um caudal
maior de água para o seu funcionamento e de a sua instalação ser mais
dispendiosa, têm sobre os de roda horizontal a vantagem de serem mais
rentáveis: por um lado, a velocidade a que circula a mó andadeira é bastante
superior; por outro, ao invés dos de roda horizontal, que trabalham à razão
de uma roda por aferido, a roda vertical pode accionar mais do que um casal
de mós (Dias 1993:213). Talvez por isso, por volta de 1600, o moinho de roda
vertical substituiu os moinhos de rodízio em muitas das áreas onde ele existiu
durante séculos, em especial na Europa Central (Jespersen 1953: 8). Em Por-
tugal, por uma multiplicidade de factores naturais, sociais e económicos – a
existência de inúmeros cursos de água com um acentuado desnível e sujeitos
a cheias, assim como o facto de em muitas regiões do país os moinhos serem
colectivos ou de proprietários que cediam aos seus vizinhos o direito de moer,
mediante o pagamento de uma percentagem em farinha, nada favorecendo
a introdução de melhoramentos mecânicos com vista ao aumento de
produção –, inversamente à tendência realçada por Jespersen, os moinhos de
rodízio não só subsistiram até muito recentemente, como eram em número
bastante superior ao das azenhas. Na década de 1960, Dias (s/d.: 90) iden-
tificou cerca de 10 mil moinhos em actividade – 3 mil de vento e 7 mil de
água, entre os quais 5 mil de rodízio. Tendo em conta as pesquisas levadas a
cabo no Alentejo oriental, o número de moinhos hidráulicos de roda horizon-
tal era aí bastante superior ao dos de roda vertical, que estavam confinados
aos cursos de caudal reduzido que banham a área marginal ao dito alto
Guadiana internacional, entre os quais as ribeiras de Varche, Vila Viçosa,
Borba, Santiago Rio-de-Moinhos, Pardais e Bencatel. Os restantes cursos de
água, entre eles o barranco de Quintos e os rios Caia, Guadiana, Degebe,
Ardila e Brenhas, assim como as ribeiras de Lucefecit, Azevel, Alcarrache,
Godelin, Odearce, Enxoé, Cardeira e Oeiras, possuíam moinhos de roda hori-
zontal. É preciso dizer que em muitos dos moinhos do Guadiana e em alguns
dos seus principais afluentes, como o Ardila, a roda primitiva (o rodízio de
penas) foi, no princípio do século XX, substituída por uma nova roda (o rodete
de cochas), que permitia um período de laboração mais prolongado, pois
podia trabalhar parcial ou inteiramente imerso (cf. Oliveira, Galhano e Pereira
1983: 122). Como muitos destes cursos de água estavam sujeitos a bruscos e
acentuados aumentos do volume e ímpeto dos seus caudais, os moinhos a
que faço alusão estavam integrados em edifícios construídos de forma a não
sofrer danos importantes na sua estrutura arquitectónica nas alturas em que
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
225
eram submersos.3 A circunstância de serem chamados moinhos de submersão
decorre disso mesmo.
A par dos edifícios permanentes, existiam no Guadiana moinhos
temporários, de laboração exclusivamente estival, um deles junto às Azenhas
d’El Rei, no termo do Alandroal – que foi posteriormente tornado permanente
através de uma cobertura de cimento –, outro junto ao Moinho dos Canais,
no concelho de Mértola. Como notam Oliveira, Galhano e Pereira (1983):
Nestes casos, apenas as infraestrututras, com o aparelho interno aí situado [...]
são estáveis e sólidos [...]; o piso de cima, onde se encontra a moenda, é uma
casota ou barraco tosco de materiais leves e pobres, tabuado, gesta ou
ramagens, cobertura de colmo, e por vezes estrados amovíveis, que se monta
todos os anos no bom tempo, e que, quando chega a invernia, se remove, ou
se abandona e se deixa perder, arrastado pelas cheias que poupam as mós e
as infraestruturas (1983:111).
Proprietários e formas de exploração
Em razão dos custos inerentes à construção dos moinhos, em épocas ante-
riores a posse dos mesmos estava geralmente a cargo da coroa, da grande
nobreza, do alto funcionalismo régio e das ordens militares e religiosas. Com
o desaparecimento destas entidades, os moinhos da área em estudo passaram
a constituir propriedades privadas individuais, muitas vezes detidas por
lavradores, moleiros e maquilões.
Os testemunhos directos dos moleiros que neles trabalharam permitem
conhecer a actividade e seguir de forma aproximada as vicissitudes sofridas
pelos moinhos desde o princípio do século XX até aos nossos dias. Através
deles, a história recente dos moinhos de água configura-se como um modelo
resistencial ou de sobrevivência face à concorrência das grandes fábricas de
moagem, que em Portugal surgiram em meados do século XIX, implantando-
se cerca de cem anos depois.4 Os moinhos do Guadiana não só subsistiram
até muito recentemente como ainda se construíram alguns exemplares nos
últimos anos do primeiro quartel do século XX, nomeadamente o Moinho
Novo (Reguengos) e o Moinho do Bolas (Alandroal). A actividade destes
moinhos mantém-se com esplendor até à década de 1960, altura em que
laboravam mais de trinta unidades, ou seja, cerca de um terço dos moinhos
3
Mello de Mattos (1899) descreve detalhadamente o moinho do Alvarinho, no rio Ardila, paradigma deste género
de construção.
4
A difusão das fábricas de moagem em áreas marginalizadas do ponto de vista económico e social, como o interior
do Alentejo, tardou a realizar-se, sobretudo nas povoações de menor dimensão. Os dados compilados no Inquérito
Industrial (1881) são, neste ponto, elucidativos.
Luís Silva
226
edificados a sul da confluência do Caia. Nos anos de 1980, ainda laboravam
cinco moinhos – o da Abóbada (Alandroal), o de Miguéns (Alandroal), o dos
Clérigos (Reguengos), o dos Moinhos Velhos (Serpa) e o dos Canais (Mértola)
–, todos eles desactivados antes de 1990. O prolongamento da actividade dos
moinhos foi conseguido pelos moleiros através do ensaísmo de novas formas
económicas e/ou através da promoção de actividades anteriormente subsi-
diárias, como o cultivo de seara, a criação de animais e a pesca.
As modalidades de exploração dos ditos foram, nas últimas décadas,
múltiplas e variáveis. Em alguns casos, os moinhos eram explorados pelos
seus proprietários, umas vezes de forma directa, quando eram os próprios
quem trabalhava no moinho, outras indirecta, quando o moinho era manu-
seado por um moleiro contratado a troco de uma jorna ou de uma percen-
tagem das maquias apuradas, usualmente um quarto, e uma amassadura
(montante variável de farinha de trigo, semanalmente vencido).5 Noutros,
essa exploração era feita de modo repartido, “à sociedade”, entre os moleiros
e os proprietários, que dividiam entre si os respectivos ganhos e despesas,
sendo que o dono não trabalhava no moinho. Um outro sistema existente,
embora pouco usual, consistia na cedência da exploração de um moinho a um
moleiro a troco da farinação gratuita das sementes do seu proprietário,
ficando o moleiro com a totalidade das maquias pagas pela freguesia e
suportando as despesas inerentes à contribuição industrial e à avença.6
O regime mais frequente era, no entanto, o arrendamento, que geralmente
assumia a forma de um contrato apalavrado entre o proprietário e o rendeiro,
que podia ser um moleiro, um acarretador ou um lavrador. Válido nor-
malmente por um ano, passível de renovação, esse contrato implicava o
pagamento de uma renda, muitas vezes fixa, em géneros ou em dinheiro,
sendo correntemente celebrado no dia de Santa Maria, 15 de Agosto, pelo
menos nos concelhos de Moura, Serpa e Vidigueira. Além do montante da
renda, tais contratos normalmente estabeleciam a responsabilidade do
rendeiro no pagamento das despesas inerentes ao funcionamento do moinho,
incluindo os impostos, com a excepção da contribuição predial, paga pelo
dono. O montante da renda variava em função do valor do objecto de
arrendamento, que dependia de um conjunto de factores, entre os quais o
curso de água em que o moinho se encontrava edificado, o número de aferidos
de que dispunha, a distância em relação aos centros de consumo e os res-
pectivos meios de acesso, a disponibilidade de terras aráveis e a presença ou
ausência de um dispositivo de pesca chamado caneiro ou pesqueira – por-
5
A jorna variava em função do facto de o moleiro estar contratado a de comer ou a seco.
6
A contribuição industrial era um imposto anual que incidia sobre a moagem propriamente dita e a avença
correspondia a um imposto mensal, incidente sobre a actividade desenvolvida no moinho enquanto este laborava
(Guita 1991: 53).
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
227
menorizadamente descrito por Abreu e Fernandes (1990: 208). Quando os
arrendamentos eram efectuados por maquilões ou por lavradores havia lugar
à contratação de moleiros. Esses moleiros eram normalmente arregimentados
num sistema percentual, habitualmente ao quarto, embora existissem
lavradores que empregassem moleiros a troco de comedias ou cabanhas,
sobretudo quando os seus moinhos moíam apenas cereais “da casa”, o que
chegou a suceder no Moinho do Gato (Reguengos) e nos das Azenhas da
Canada (Serpa) no Guadiana. Entretanto, os moleiros que trabalhavam por
conta própria também se viam muitas vezes obrigados a contratar outros
moleiros, nos moldes praticados no sistema de exploração indirecta,
anteriormente abordado. Era nos moinhos do Guadiana que essa situação se
tornava mais premente, dado que possuíam um maior número de aferidos e
mais serviço, havendo moinhos que ocupavam permanentemente dois ou três
moleiros, como o dos Clérigos (Reguengos), os da Barca (Moura), os das
Azenhas do Vau de Beirão (Serpa/Beja) e o do Vau de Dona Isabel (Beja).
Nesses como nos restantes casos, o contrato de trabalho dos moleiros não era
formalizado documentalmente, estabelecendo-se através de um acordo ver-
bal entre as partes envolvidas, que incidia sobre o montante a auferir e que
não determinava qualquer especificação temporal, exceptuando os casos em
que se definiam termos sazonais, como ocorria quando se arregimentava um
moleiro para fazer o Verão num moinho do Guadiana ou o Inverno num
moinho de um dos seus afluentes.
Vivências e labores
Os moinhos, muitas vezes construídos em locais de rara beleza, têm o
inconveniente do relativo isolamento e da distância face aos núcleos popula-
cionais, se tivermos em conta a precariedade dos caminhos e dos meios de
transporte. O transporte dos cereais para os moinhos era normalmente feito
a dorso de burros ou em carros de tracção animal, havendo inclusivamente
acarretadores ou maquilões que prestavam esse serviço a troco de uma maquia,
que variava entre os 5 e os 10% do volume transportado.7
A freguesia dos moinhos era constituída por maquilões, seareiros
e lavradores, cabendo aos primeiros e aos últimos uma maior assidui-
dade, não raramente diária, registando os restantes uma presença mensal
ou superior, enquadrada no ciclo agrícola, pois as suas colheitas não
cobriam as necessidades de consumo anual. O facto de estes fregueses
7
Os maquilões, moleiros e quaisquer outras pessoas que levassem cereais para os moinhos incluídos em zonas raianas
eram obrigados a fazer-se acompanhar de uma “guia de transporte” emitida pela Guarda Fiscal, de modo a que o
transportado não fosse considerado contrabando.
Luís Silva
228
frequentarem um ou outro moinho dependia de um conjunto de factores,
entre os quais a distância a percorrer e os meios de acesso, as relações de
amizade e de parentesco que se tinham com os moleiros, o montante das
maquias, a qualidade do serviço, a disponibilidade do moleiro e o aten-
dimento:
A freguesia dos moinhos dependia dos concelhos onde eles estavam
localizados. Havia uns acarretadores e fregueses que eram conhecidos, mas
outros não. Eles, uns com os outros, “então, aonde é que vai?”, “olhe, vou ao
moinho tal”, “eu também vou”. Iam lá, eu servia-os bem e eles voltavam;
assim é que se arranjava a freguesia. A clientela dependia também da maneira
como era servida. A gente quando não tinha vagar de apanhar os peixes,
chegava a comprar e oferecia-lhes para eles comerem uma caldeirada
enquanto se moíam os sacos (J.B., 81 anos, entrevistado em 1994 na Estrela –
Moura).
Os fregueses esperavam até que a farinha estivesse feita (durante um ou
mais dias) ou regressavam a casa e voltavam ao moinho dias depois para
a levar. No caso dos maquilões, o processo era ligeiramente diferente, já que
tinham uma carga assente no moinho, o que requeria uma presença quase
diária, de maneira que a permuta entre semente e farinha era constante. Mas
também havia quem, por necessidade premente de farinha, realizasse a
troca no momento. Quem resolvia aguardar, entretinha-se em diversas
actividades lúdicas, comiam queijo, enchidos, azeitonas, peixe frito e
caldeiradas de peixe do rio, bebiam vinho e conviviam com os restantes
fregueses. Os moinhos eram, aliás, espaços de convívio social de eleição,
não sendo rara a circunstância de os fregueses se deslocarem em grupos de
homens, “por mor da paródia”, dormindo ou na rua ou na casa do moinho
ou, ainda, dentro deste, consoante a disponibilidade espacial e/ou as
condições climatéricas:
Quando os fregueses lá iam, aquilo era uma festa: bebiam vinho, comiam
peixe frito, andavam de paródia… era uma coisa bonita. Havia uns gajos que
vinham além da Vidigueira a vender vinho aqui a Moura e depois dormiam
ali no moinho da Barca [no Guadiana], já por causa dos peixes. A gente já
sabia, apanhava os peixes e fazia a caldeirada. Era um festejo, essa noite
(A.M., 71 anos, entrevistado em 2000 em Moura).
No Verão, os fregueses dos moinhos do Guadiana eram muitas vezes acom-
panhados pelas suas famílias, instalando-se à beira-rio, em malhadas cons-
truídas para o efeito ou debaixo de uma azinheira, durante períodos que
podiam ascender a duas semanas. É de assinalar a analogia estabelecida pelos
moleiros entre essas estadias e as presentes deslocações para praias, bem
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
229
como a alusão às qualidades terapêuticas que a água do Guadiana então
possuía, aconselhada inclusivamente por médicos:
Nessa altura, até a malta daqui, agora é de praias e Lisboa e aqui e além, nessa
altura era a Guadiana. Receitavam mesmo os médicos, os banhos na
Guadiana, [porque] antigamente a água da Guadiana era muito boa. Dava
para tudo, para as maleitas do fígado, do reumático, do escafeloso e isso tudo,
e [as pessoas] ficavam ali nove dias, porque tinham que dar nove banhos, um
por dia, logo de manhã cedo. Aquilo era uma povoação naquelas margens,
era uma festa (D.A., 73 anos, entrevistado em 2000 na Amareleja).8
De acordo com os moleiros, os moinhos eram importantes locais de con-
vergência, sendo usual o facto de neles ou nas suas imediações se encontrar
gente, incluindo fregueses, lavadeiras, mourais (pastores), pescadores, ociosos,
transeuntes e fiscais.
Uma vez no moinho, o cereal era identificado e contado, pelo moleiro,
na presença dos fregueses, inicialmente em medidas, mais tarde a peso,
contagem essa determinante para a definição das maquias, em semente, mas
que eram executadas antes de os cereais serem objecto de qualquer preparo
prévio à sua farinação. Antes de ser moído, o trigo era sujeito a um conjunto
de operações de limpeza, começando pela lavagem, usualmente feita em
espartões ou caixotes e destinada a extrair impurezas, sendo o consequente
humedecer do grão considerado vantajoso na acção de moagem. A quan-
tidade de água utilizada nessa operação dependia da qualidade do trigo,
sendo que “o trigo rijo pode com mais água do que o trigo mole”. Depois de
lavado e enxuto, o trigo era joeirado e bandejado, para se separar da terra, no
primeiro caso, e das impurezas remanescentes, como as pedras, no segundo.
A partir do momento em que a debulha deixou de ser feita “à pata de bestas”
e as máquinas começaram a realizar esta tarefa, as operações de limpeza do
trigo simplificaram-se. As chamadas sementes brancas, a aveia, o centeio e a
cevada, e outras gramíneas, como o milho, tal como as leguminosas, o
chicharro, a fava e o grão, não requeriam qualquer desses procedimentos, a
não ser que tivessem pedras, circunstância em que eram joeiradas. Estas
sementes eram habitualmente moídas em mós ralas, também conhecidas por
salgueiras ou barroqueiras, embora em anos mais recentes se tivesse mul-
tiplicado em algumas zonas o uso de mós francesas. O trigo, além de ser
moído na mó rala ou na francesa, era-o na mó alva, dependendo da qualidade
da semente e da qualidade da farinha que o freguês pretendia. A ideia de que
“a mó alva só servia para trigos bons”, rijos, reitera-o, o mesmo acontecendo
8
Esta hidroterapia também era administrada aos animais. A propósito das qualidades medicinais da água do
Guadiana no passado, ver Henriques (1726).
Luís Silva
230
com a indicação de que “fazia uma farinha mais branca e melhor”, usada no
fabrico de pão qualitativamente superior e de bolos. O argumento de que “a
rala faz a farinha mais trigueira” é susceptível de uma mesma asserção.
Havia casos em que os moleiros, umas vezes de moto próprio, outras de
acordo com as disposições dos fregueses, faziam lotações de trigo, compostas
por uma percentagem de trigo rijo e outra de mole. As restantes sementes
eram também moídas em separado ou em lotes, “traçadas”, dependendo da
vontade do freguês. De acordo com a lei, todas as sementes moídas no
moinho deveriam ser objecto de registo para determinar a respectiva
contribuição industrial. Para tal, apesar de muitos moleiros serem analfabetos,
caso em que requeriam esse serviço, todos os moinhos dispunham de um
livro de registo, a cujas notações os moleiros frequentemente se furtavam,
pelo ónus:
Os fiscais iam lá ao moinho mesmo, isso era muito rigoroso. A gente estava
lá, tinha que ter um documento dos sacos que dizia “este saco é de fulano tal”,
“este é de beltrano”, bom, conforme. Tínhamos que ter aqueles sacos todos
apontados para que quando chegassem vissem; tinha que ter a escrita daquela
semente toda feita, senão era o moinho lacrado. (E quem não sabia escrever?)
Tinha que arranjar um escrevente, conforme havia. […] Aqui em Brinches há
dois ou três rapazes que estiveram num moinho assim (A.S., 71 anos,
entrevistado em 2000 em Brinches – Serpa).
As maquias relativas à farinação oscilavam entre os 5 e os 10% do total de
semente, sendo a sua qualidade uma variável a considerar, pois a moagem
do trigo era a mais barata, devido às fundas ou aos aumentos resultantes da
sua lavagem, que o moleiro reservava para si. O facto de alguns moleiros
concederem aos fregueses um volume de farinha igual ao montante da
semente que lhe fora entregue adquire sentido neste contexto, o que também
ocorre com a ideia de que “a água é o ganho do moleiro”. O uso de unidades
de peso na definição do montante dos cereais e das farinhas é um fenómeno
relativamente recente, precedido pelo uso de unidades de medida, ou seja, o
litro foi preterido pelo quilo.
Estas maquias eram posteriormente moídas, destinando-se as farinhas
ao consumo do moleiro, da sua família e dos seus animais, sendo o excedente
vendido no moinho ou nas povoações, quer em casas particulares, quer em
depósitos, também conhecidos por terreiros de farinha, onde a farinha de trigo
podia ainda tornar-se objecto de troca directa por semente, em regime de
maquia, tal como era prática dos moinhos. Depois de peneiradas, as farinhas
de trigo, embora também consumidas sob a forma de papas ou de bolos – os
chamados bolos da amassadura, como as tôrtas e as pupias –, eram essen-
cialmente utilizadas no fabrico de pão. Apesar de haver padeiras, mulheres
cujo modo de vida era amassar e vender pão ao público, o fabrico deste
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
231
constituía um trabalho caseiro, semanalmente executado, que compreendia
várias tarefas, nomeadamente a preparação do fermento, o amassado, a
fermentação, a tendedura e a cozedura, todas elas de concurso feminino. Como
este processo se encontra descrito noutros lugares (Borges 1986, Machado
1980), interessa notar que a cozedura do pão era feita ou nos fornos existentes
na maioria dos montes de lavoura e de habitação ou nos chamados fornos de
poia, presentes em quase todas as povoações. Estes fornos, também conhe-
cidos por fornos de cozer à maquia, eram fornos particulares onde a população
cozia o seu pão mediante o pagamento da designada poia.9 Esta prática
constitui uma sobrevivência de um antigo costume representado pelo tributo
que os moradores tinham que pagar aos senhores pela utilização dos seus
estabelecimentos, na circunstância fornos de cozer, conhecido por direito
banal (Graça Affreixo 1993: 113). O pão do dia ou de fabrico recente era
preferencialmente comido seco e acompanhado de condutos, como queijo,
azeitonas e chouriço. O pão com alguns dias de fabrico costumava comer-se
afogado, sendo utilizado em comeres que levam pão migado às fatias ou em
pedaços, como as migas, as açordas, os gaspachos, os caldos e as sopas. As
farinhas derivadas das sementes brancas e das leguminosas destinavam-se ao
consumo dos animais, incluindo os da lavoura.
As épocas de maior actividade nos moinhos coincidiam com as
colheitas, particularmente nos meses de Maio, Junho e Julho, altura em que
se verificava uma afluência muito considerável de pessoas aos moinhos do
Guadiana, em virtude da inactividade dos moinhos situados nos seus cursos
subsidiários, provocada pela falta de água. Essa afluência era de tal ordem
que os donos e/ou os rendeiros dos moinhos se viam muitas vezes com-
pelidos a incrementar o número de trabalhadores dos mesmos, recrutando-
-os nos que então se encontravam inactivos. Em consonância com o referido,
era justamente no Verão que o raio de influência dos moinhos do Guadiana
se alargava, atraindo fregueses de povoações a mais de 20 quilómetros de
distância, especialmente maquilões. Entretanto, no Verão, embora ocasional-
mente, também o Guadiana mantinha períodos de falta de água, o que obri-
gava os moleiros a moer de presada e inclusivamente a paralisar a actividade.10
9
O montante que correspondia à poia variava de região para região e inclusive no interior de um mesmo concelho.
O pagamento de um pão de quilo por amassadura, normalmente de dez ou quinze quilos, era, no entanto, de uso
habitual.
10
As Azenhas das Carochas, junto a Mértola, tinham a particularidade de poder laborar com o concurso da água das
marés. Os moinhos de maré são moinhos de roda horizontal, que constituem uma categoria à parte dentro desse tipo
geral. A energia que os acciona é a água que corre de uma represa, a caldeira, que se encheu com o subir da maré, e
se vai esvaziando à medida que esta desce. Segundo Escalera Reyes e Villegas Santaella (1983: 70), em alguns casos,
estes moinhos também podem ser de roda vertical. Tendo em conta que no século XV, no Tejo, existiram moinhos de
barcas accionados pela água das marés (Viterbo 1896: 198), é de crer que aqueles autores tenham razão, embora não
seja possível comprová-lo.
Luís Silva
232
A instalação de motores a gasóleo feita em anos mais recentes em alguns
moinhos, como o dos Clérigos (Reguengos), os do Caneiro (Moura/Portel),
os dos Doutores (Beja) e os das Azenhas de Fagundes (Beja), decorre dessa
realidade.11 No Inverno invertia-se a situação, pois estando os moinhos do
Guadiana paralisados pelo excesso de água, ficando muitas vezes submersos
durante três ou mais meses, a moagem era realizada preferencialmente nos
moinhos localizados nos seus afluentes e subafluentes. A ocorrer um incre-
mento de caudal nestes cursos, o que costumava acontecer nos mais impor-
tantes, como o Ardila, o Degebe e as ribeiras de Azevel, Lucefecit, Godelin e
Alcarrache, seria temporário, como mostra a ideia de que “as cheias do rio
Degebe eram como a fervura do leite”.12 Havia pois um sistema de com-
plementaridade entre os moinhos do Guadiana e os dos seus cursos
subsidiários, que permitia produzir farinhas praticamente ao longo de todo
o ano. Em muitos casos, havia proprietários que possuíam um moinho no
Guadiana e um outro num dos seus afluentes, em áreas relativamente
próximas. O Moinho do Porto (Elvas), no Guadiana, e o da Azenha de Busca-
Vides (Elvas), na ribeira de Varche, e o do Moinho do Rodete (Alandroal), no
Guadiana, e a Azenha da Rocha (Vila Viçosa), na ribeira de Pardais, estiveram
nessas condições, o mesmo acontecendo com os casos constantes do quadro
1. Quando eram arrendados, salvo raras excepções, o contrato incidia sobre
ambas as unidades de moagem. Como a existência das referidas propriedades
conjuntas nem sempre se verificava, os moleiros que possuíam moinhos no
Guadiana e os que os arrendavam costumavam proceder ao arrendamento de
moinhos nos seus afluentes, a fim de laborar no Inverno. É disso exemplo o
arrendamento do Moinho do Inchado (Alandroal), na ribeira de Lucefecit,
pelo moleiro que a dada altura possuiu os Moinhos Novos de Cima (Alan-
droal), no Guadiana, o mesmo ocorrendo com o arrendar do Moinho do
Mosteiro (Mértola), na ribeira de Terges, pelo moleiro que explorava o
Moinho do Escalda (Mértola) no Guadiana. Mas também se verificava a
situação inversa, como decorre do arrendamento dos Moinhos da Barca
(Moura), no Guadiana, pelo moleiro que era proprietário do Moinho do Pé
Garrido (Moura), no rio Brenhas, bem como do do Moinho Novo (Reguen-
11
Para não permanecerem inactivos durante as invernadas, alguns desses motores, adaptados a um casal de mós,
foram reinstalados junto à casa do moleiro, como sucedeu com os Moinhos do Caneiro (Moura/Portel) e de Fagundes
(Beja). Os moinhos das Azenhas d’El Rei (Alandroal) e os de Mendonça (Mourão/Reguengos) no Guadiana possuíam
também um desses motores junto à casa do moleiro. Esses motores foram igualmente instalados em alguns dos
moinhos dos afluentes do Guadiana, caso do Moinho de Porto Mourão (Moura) no Ardila, do Moinho de Santo
António (Moura) no Brenhas e do Moinho da Solitária (Serpa) no Enxoé, entre outros.
12
Para além dos sacos de semente e de farinha, se havia tempo para tal, quando vinha uma cheia, tudo quanto estava
dentro do moinho, à excepção das mós, era retirado do seu interior e colocado num local abrigado. Quando desciam
as águas, o interior do moinho era lavado, inclusive as mós. As cheias que apanhavam os moleiros de surpresa
ocorriam fundamentalmente no Verão, por ocasião das trovoadas.
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
233
gos), no Guadiana, pelo dono do Moinho do Poio (Portel), no Degebe.
Entretanto, havia moleiros que trabalhavam por conta própria apenas
num moinho, deslocando-se nas épocas de falta ou excesso de água para
um outro em que houvesse condições para trabalhar como assalariados,
o que é exemplificado pela ida do moleiro que explorava o Moinho do
Catacúz (Reguengos), no Azevel, para os Moinhos de Mendonça (Mourão/
Reguengos), no Guadiana. Este sistema de complementaridade gerava uma
extrema mobilidade sazonal, especialmente entre os moleiros que neles
laboravam.
Nome do moinho Curso de água Nome do moinho Curso de água
Azenhas d’El Rei rio Guadiana Moinho do Bufo ribeira de Lucefecit
Moinhos Novos de Cima rio Guadiana Moinho do Roncanito ribeira de Lucefecit
Moinho da Moinhola rio Guadiana Moinho do Inchado ribeira de Lucefecit
Moinho do Miguéns rio Guadiana Moinho do Azinhal ribeira de Azevel
Moinho da Volta rio Guadiana Moinho do Major ribeira de Azevel
Moinho de Calvinos rio Guadiana Moinho das Piteiras ribeira de Azevel
Moinho do Gato rio Guadiana Mº do Coronheiro
de Baixo ribeira de Azevel
Moinhos de Mendonça rio Guadiana Moinho do Torjão rio Degebe
Moinho do Pisão rio Guadiana Moinho da Abóboda rio Degebe
Moinho Novo rio Guadiana Moinho do Poio rio Degebe
Moinho de Catalão rio Guadiana Moinho da Vargem rio Brenhas
Azenha da Rocha rio Guadiana Moinho de Selmes ribeira de Odearce
Azenhas dos Almoxerifes rio Guadiana Moinho do Demo ribeira de Odearce
Azenha do Correia rio Guadiana Moinho da Fonte Santa ribeira de Odearce
Azenha da Aldeia rio Guadiana Moinho do Pisanito barranco da Amoreira
Azenhas do Laço rio Guadiana Moinho do Laço ribeira de Enxoé
Moinhos da Canada rio Guadiana Moinho dos Marianos ribeira de Enxoé
Azenhas do Vau de Beirão rio Guadiana Moinho do Vale de
Figueiras ribeira de Enxoé
Azenha do Ferrobo rio Guadiana Moinho do Cubo ribeira de Enxoé
Azenhas da Barca rio Guadiana Moinho da Solitária ribeira de Enxoé
Azenhas dos Machados rio Guadiana Moinho do Painço ribeira de Cardeira
Azenha da Ordem rio Guadiana Moinho da Carocha ribeira de Enxoé
Azenha da Misericórdia rio Guadiana Moinho de Canilhas ribeira de Enxoé
Azenha dos Bugalhos rio Guadiana Moinho da Abóboda ribeira de Enxoé
Quadro 1 – Moinhos de diferentes cursos de água que pertenciam
ao mesmo proprietário.
Luís Silva
234
A profissão de moleiro
Segundo Escalera Reyes e Villegas Santaella (1983:149-166), o ofício de
moleiro enquanto actividade artesanal especializada surgiu com o apogeu das
cidades gregas, aproximadamente no século V a.C., desenvolvendo-se na
época helenística. Os primeiros moleiros eram escravos libertos ou homens
de procedência humilde que também efectuavam a panificação. Esta situação
só se alterou a partir do século X, quando a moagem e a panificação se
diferenciaram quanto aos seus produtores. O ofício de moleiro teria, então,
adquirido os moldes que o caracterizaram até ao seu desaparecimento, em
pleno século XX, exceptuando algumas variações quanto ao estatuto social e
ao grau de especialização e dedicação ao ofício nos diversos contextos
espaciais e temporais. O moleiro-tipo, de que falam os autores, era um
profissional especializado que tinha uma grande importância na vida e na
economia das sociedades tradicionais rurais e urbanas, apesar de existirem
algumas considerações sociais de valor negativo em relação ao seu ofício, cuja
relevância se manteve acentuada enquanto os moinhos foram o meio
preferencial de produção da farinha necessária ao fabrico do pão, que então
era a base da dieta alimentar das referidas sociedades.
Os moleiros aqui em apreciação enquadram-se no modelo referido
acima, enquanto artesões especializados e elementos fulcrais no seio das
respectivas sociedades. O entendimento da sua posição socioeconómica
carece, entretanto, de uma abordagem diacrónica e sincrónica. Em termos
diacrónicos, essa posição era mais relevante quando os moinhos eram o meio
preferencial de produção de farinhas, o que se foi esbatendo à medida que
as fábricas adquiriram preponderância.13 No plano sincrónico, é preciso dizer-
-se que a riqueza gerada pelos moinhos variava muito em função de diversos
factores, entre os quais o tempo de laboração ao longo do ano (em directa
razão com os caudais de água), o número de casais de mós disponíveis, a
distância e os meios de acesso em relação aos centros de consumo. Por outro
lado, os moleiros por conta própria tinham normalmente ganhos e prestígio
superiores aos que trabalhavam por conta de outrem. Além disso, como os
dos primeiros, os rendimentos dos últimos variavam de caso para caso, em
virtude da oscilação das jornas e dos montantes relativos às percentagens das
maquias, o que produzia uma forte mobilidade laboral. No geral, porém, os
moleiros detinham uma posição socioeconómica de relevo, sobretudo em
relação aos trabalhadores rurais e aos outros artífices, devido à importância
e à rentabilidade do seu ofício, bem como às actividades subsidiárias do
13
A importância dos moleiros na altura em que detinham o exclusivo da produção de farinhas em Portugal reflecte-
-se nos privilégios de que gozavam à época da monarquia (ver Lima 1948).
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
235
moinho normalmente desenvolvidas pela generalidade dos moleiros, quer
para consumo familiar quer para venda: o cultivo de searas, a produção
agropecuária, a horticultura, a exploração de olivais, o carrego de sementes
e de farinhas à maquia e a pesca. Note-se que a pesca era uma actividade
exercida pela generalidade dos moleiros, praticamente ao longo de todo o
ano, fazendo-o essencialmente para o consumo da casa e dos fregueses, a
quem era corrente oferecer uma caldeirada; a prática da pesca implicava
recorrentemente o uso de barcos, existentes na totalidade dos moinhos, que
também serviam para transportar sacos de semente e de farinha entre estes
e as margens do rio, podendo ser ainda utilizados no transporte de pessoas,
bens e animais de pequeno porte.14
Essa posição de relevo repercute-se na valoração positiva que os
membros das comunidades do Alentejo tendem a conferir ao ofício de
moleiro e aos seus praticantes, imputando-lhes um desafogo económico
invejável, como expõe a difundida ideia de que “os moleiros eram todos
ricos”, que também se encontra noutros contextos ibéricos (Oliveira, Galhano
e Pereira 1983: 484, Escalera Reyes e Villegas Santaella 1983: 164). Mas esse
desafogo é recorrentemente associado a actos fraudulentos, especialmente na
cobrança das maquias, o que devia ser prática corrente, a julgar pela quan-
tidade de posturas municipais a elas respeitantes. De salientar é o facto de a
desonestidade surgir integrada na imagem dos moleiros noutras áreas de
Portugal e de Espanha (Escalera Reyes e Villegas Santaella 1983: 164, Dias
1942, Galhano 1978: 129, Guita 1991: 70-71, Lima 1948, Vasconcelos 1983 VI:
33-34), sendo inclusivamente admitida por alguns dos moleiros, que a jus-
tificam declarando que era a única forma de acumularem algum capital.
A este respeito nos recitou um antigo moleiro de Monte do Trigo (Portel) uma
quadra lapidar:
Deus te salve, saco:
Primeiro vai a minha Maria,
Tira a maquia,
Depois vai a minha mulher,
Tira o que quer,
Depois vai lá a minha Inácia,
É uma desgraça,
E eu se não fosse pelas contas que tenho a dar,
Nem um saco ao dono havia de mandar.
14
Os moleiros que exerciam a sua actividade perto da raia encontraram muitas vezes na travessia de contrabandistas
e de cargas uma importante fonte de rendimento, não raramente a mais proveitosa. Em razão precisamente do
contrabando, os moleiros nessas condições tinham que declarar o número de existências, animais e bens, que possuíam
junto ao moinho.
Luís Silva
236
Os moleiros, por seu lado, tendem a valorizar positivamente o seu ofício, quer
em termos de rentabilidade quer de importância para a comunidade. Essa
valoração é, no entanto, sensível às razões de ordem temporal e sincrónica
anteriormente enunciadas. O primeiro leque de razões surge evidenciado no
depoimento que se segue:
Em outros tempos os moleiros conquistavam sempre as melhores mulheres…
[Porquê?] Porque tinham um ofício bom, ganhavam muito dinheiro. No
tempo do meu avô e dessa gente assim… não havia moagens… a arte de
moleiro era um ofício bom. Foi indo, foi indo, agora [por fim] já lhes
chamavam oficiais de pé descalço. Isso tem as suas épocas (J.N., 68 anos,
entrevistado em 1994 em Pedrógão – Vidigueira).
Os factores de natureza sincrónica reflectem-se na diferenciação entre os
moleiros proprietários, arrendatários e assalariados, cabendo aos primeiros
o topo de uma hierarquia baseada em rendimentos económicos:
[O moleiro] vivia bem… Mas há aí duas coisas que ainda não te explicaram.
Havia o moleiro e o moleiro ao quarto, que era como o trabalhador à jorna.
Quando era ao quarto, a fazenda tinha que ganhar; o moleiro [ao quarto] foi
sempre pobre. […] E havia aqueles rendeiros, como os meus tios, que já
tinham uma vida um bocadinho mais larga (G.P., 71 anos, entrevistado em
2000 em Pedrógão).
Mas o ofício é geralmente encarado como uma fonte de rendimentos
proveitosa, permitindo o sustento do moleiro e dos seus familiares, assim
como a acumulação de riqueza, o que decerto se relaciona com o facto de os
moinhos terem ganhos elevados e despesas diminutas, na medida em que
utilizavam uma fonte de energia praticamente gratuita, a água, e requeriam
exíguos e esporádicos custos de manutenção do edifício e do mecanismo. No
que diz respeito a aspectos extra-económicos, os antigos moleiros tendem a
valorizar o ofício, por lhes permitir muitas vezes trabalhar por conta própria
e sobretudo ao ritmo pessoal, o que também sucedia quando laboravam por
conta de outrem, devido à sua condição de especialistas:
Pelo menos andava à minha vontade, nunca patrão nenhum me mandou
trabalhar. E quando ia trabalhar para os outros, era criado, eles eram patrões,
mas eu é que mandava, que eu é que sabia. Lá dentro do moinho, eu é que
punha e dispunha. Nunca andei debaixo dos pés de ninguém (A.S., 71 anos,
entrevistado em 2000 em Brinches – Serpa).
As desvantagens do ofício, segundo os seus praticantes, residiam no facto
de ser trabalhoso e duro, implicando uma dedicação muitas vezes per-
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
237
manente, quer na labuta do moinho quer na vigilância dos caudais de
água:15
A vida nos moinhos era muito trabalhosa. […] Naquele tempo, a vida de
moleiro era chegar ao moinho, descalçar-se, andar para ali, vestir umas
ceroulas, que precisava de umas ceroulas, e andava-se lá o dia inteiro
trabalhando. À noite fazia-se uma cama ali no chão, com uma pele, com uma
enxerga de palha e uma pele em cima, ali descansava. À meia-noite, ou coisa
assim, começava a joeirar e a trabalhar, e ali estava até de manhã. Assim que
se fizesse dia, começava a lavar trigo. Bem, era uma vida de sacrifício. […]
Tinha que se andar todo o dia carregando sacos de um lado para outro, uns
mais pesados, outros mais leves, conforme (G.P., 71 anos, entrevistado em
2000 em Pedrógão).
Entre as desvantagens do ofício encontra-se também o facto de o seu desem-
penho envolver certos riscos, como a perda eventual de membros aquando
da montagem e desmontagem das mós, o possível surgimento de lesões nos
olhos e nas mãos nos momentos em que se procedia à picadura das ditas e a
contracção de problemas reumatismais e hipotermias devido ao contacto
quase permanente com a água. É precisamente a este último elemento que se
faz referência na identificação dos episódios mais difíceis da vida de moleiro,
como mostra a transcrição seguidamente apresentada:
Aconteceu muitas vezes no Inverno estarmos deitados lá em cima na casa –
quando não precisava de moer de noite – e daí a pouco ouvir um colega que
era da Amareleja assobiar, levantava-me, ia ver e já estava a água a correr na
rua do moinho [da Caveira, no Ardila], estando o moinho cheio de sacos.
Chamava a mulher, íamos lá abaixo e carregávamos os sacos às costas ali para
cima de uma rocha, de noite, com um candeeirozinho a petróleo, muito
pequenino; a gente não via nada. Uma vez deixei abalar uma mão cheia de
farinha que estava no moinho por água abaixo; veio uma trovoada de repente
e abalou. De vez em quando, entrava um cascalho pela adufa do moinho e
travava-se a roda. Às vezes, a mulher estava cá em cima aquecendo vinho e
eu vai de mergulhar lá abaixo [ao poço]. Vinha para cima com o corpo
vermelho que nem um pimento, as partes nem as sentia, com o frio, deitava-
lhe um copo de vinho quente pelas goelas abaixo e pronto. O moinho que me
castigou mais foi o do Meirinho [no Guadiana], porque as paredes, quando
15
Quando o moinho laborava durante a noite, o moleiro dormia o designado sono dos ratos, de vigilância parcial, com
uma enxerga de palha e umas mantas, erguendo-se ao soar do chocalho inserido na moega, para a atestar. A iluminação
do moinho (e do monte) era feita com uma candeia de azeite, mais tarde de petróleo. Por regra, enquanto existissem
condições propícias à laboração, os moinhos nunca encerravam, nem nos dias festivos, como o Natal, muitas vezes
celebrados no local. Quando o moleiro tinha que se ausentar, caso não tivesse companheiros de trabalho ou outra
qualquer pessoa que pudesse guardar o moinho, contratava alguém para essa tarefa, pois este nunca podia ficar
abandonado. O tempo livre que tinha ocupava-o o moleiro a fazer e a amanhar aprestos de pesca, a pescar, a caçar, a
tratar dos animais e das culturas agrícolas e, se era de Verão, a amanhar o açude e os caminhos do moinho.
Luís Silva
238
a gente ia lá abaixo desencascalhar o moinho, deixavam passar muita água;
aquilo parecia um chuveiro. Punha um chapéu velho na cabeça para a água
não me fazer diferença. Penava-se muito. Eu sofri muito de reumático aqui
há uns anos por causa disso (H.M., 69 anos, entrevistado em 2000 em Moura).
De uma forma pungente, como consta da parte final do enunciado acima
apresentado, a água surge mencionada na etiologia de algumas doenças
profissionais:
[O ofício] era trabalhoso e velhaco, porque muitas das vezes a gente tinha que
andar metido dentro da água. De Verão era bom, melhor do que aquilo não
podia ser, mas de Inverno era ruim. Muitas vezes, a gente, nas deitadas fora,
a ribeira enchia… tinha que tirar tudo [de dentro do moinho]… descalço,
despido e tudo para tirar de lá as coisas. Era uma arte sempre ruim. Já lhe
disse que os moleiros morriam todos com catarrais, chamavam-lhe nesse
tempo, que eram broncopneumonias, e dores, de andar metido naquelas
águas frias (J.N., 68 anos, entrevistado em 1994 em Pedrógão).
Por outro lado, de acordo com os moleiros, havia ainda o risco de contrair
múltiplas patologias pulmonares, devido à presença constante de poeiras no
moinho:
Era uma vida de sacrifícios e de doenças. Os moleiros morriam novos. Estes
agora já duram mais anos porque já acabou, não é como [no tempo] do meu
avô e dos meus tios. O meu avô morreu com 48 anos, era moleiro; os meus
tios morreram com 50 e poucos. Eu é que já tive outra vida, já pude viver mais
anos. (Porque é que morriam?) Porque aquilo havia muito pó, o trigo era
debulhado no chão e depois aquela poeirada… punham-se ali a joeirar e
aquela poeirada vinha para os pulmões e dali entupia e era bronquites e
aquelas coisas. Aquilo, os pulmões iam num instante. […] Na minha família
morreram todos muito novos por causa disso (G.P., 71 anos, entrevistado em
2000 em Pedrógão).
Os moleiros, os homens que trabalhavam nos moinhos, tal como outros
artesãos, “formavam a categoria dos ‘oficiais’, que se dividiam em ‘mestres’
e ‘aprendizes’” (Borges 1986:155). A aprendizagem do ofício, por regra, tinha
lugar no círculo familiar, iniciando-se durante a infância. Mas também havia
pessoas sem antecedentes familiares no ofício, que se iniciavam com qualquer
moleiro experiente, alguns ainda na adolescência, outros em idade adulta, não
havendo idade mínima nem máxima para a aprendizagem e para o exercício
da profissão. Como tendia a ocorrer noutros ofícios tradicionais, durante o
período de aprendizagem, que não era temporalmente definido, o aprendiz
não recebia qualquer remuneração, exceptuando quantias que o mestre lhe
conferia voluntariamente e a designada mastiga, a alimentação: “Em aprendiz
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
239
(…) só se ganhava a mastiga. Quando vínhamos ao povo, quando se vinha
passar um dia santo ou isso é que davam alguma coisa à gente” (M.G., 78
anos, entrevistado em 1994 em Moura).
A ascensão a mestre obtinha-se no momento em que o aprendiz
dominava todas as vertentes do funcionamento do moinho e da moagem
(incluindo os regimes do rio, as variedades de semente e os pressupostos
inerentes à produção de farinha de qualidade), o que em circunstâncias
normais ocorria entre os 16 e os 19 anos de idade. Refira-se que não havia
nenhuma instância que normalizasse esse processo, orientado exclusivamente
pela pessoa que transmitia os conhecimentos ao candidato, normalmente o
pai, um irmão mais velho ou um tio. Na altura em que era considerado
mestre, o moleiro ou se mantinha no mesmo moinho com outras funções ou
se deslocava para um outro, a troco de uma jorna ou de uma percentagem.
Mas era corrente manter-se a trabalhar com os seus familiares, tornando-se
independente apenas quando se casava. O processo de aprendizagem é
considerado pelos moleiros como relativamente fácil e célere, sobretudo por
aqueles que sempre conviveram com o ofício, praticamente a partir da data
em que nasceram, o que em muitos casos aconteceu justamente no moinho
ou na casa que lhe correspondia.
Interessa dizer que o ofício detinha muitas vezes um carácter familiar.
Embora tivesse um cunho eminentemente masculino, todos os membros da
família do moleiro, incluindo a mulher e os filhos solteiros de ambos os sexos,
participavam da labuta do moinho, particularmente a ensacar farinhas e
a deitar trigo na moega. O papel da mulher é patente na transcrição que
se segue:
Quando estava lá muita gente, de Verão, ela ajudava-me. (E ela sabia?) Sabia,
sabia fazer tudo! Eu chegava a largar o moinho dias inteiros, ia a Beja, ia aqui
e ia além e ela ficava de posse do moinho. Oh! Tenho um irmão que mora ali
logo desse lado, esse também… a mulher dele é igual à minha, só o que
faltava era carregarem sacos às costas (A.S, 71 anos, entrevistado em 2000 em
Brinches).
A participação dos membros da família do moleiro nos labores do moinho era
entretanto característica dos casos em que este trabalhava por conta própria,
casos esses em que o grupo doméstico normalmente habitava numa casa
junto ao moinho, sobretudo nas situações em que este se encontrava distante
dos núcleos populacionais.16 Além de servirem de habitáculo para o moleiro
e os seus familiares, essas casas serviam para resguardar os pertences do
16
Quase todos os moinhos, sobretudo os de submersão, dispunham de uma construção anexa, chamada monte. Quando
tal não sucedia, como no caso dos Moinhos do Boi (Mourão) e dos Bispos (Alandroal), no Guadiana, o moleiro
construía uma malhada para habitação própria e dos seus.
Luís Silva
240
17
Por regra, nas situações em que o moinho mantinha mais do que um moleiro, era ao rendeiro ou ao proprietário e
correspondentes agregados familiares que cabia o direito de usufruto da casa, ocuoada pelo moleiro responsável ou
“cabeça” nas restantes circunstâncias.
moinho durante as invernadas e para acomodar os fregueses, dispondo ainda
de uma quadra para animais17.
Num outro nível de análise, importa observar que havia localidades
que funcionavam como centros irradiadores de moleiros para as áreas
circundantes, com destaque para São Marcos do Campo (Reguengos), Pedró-
gão (Vidigueira), Brinches (Serpa) e Moura.
Visto que a aprendizagem era normalmente transmitida de pais para
filhos, significativo é o facto de a maioria dos moleiros contactados não terem
ensinado aos seus filhos a arte que haviam aprendido com os seus ascen-
dentes, nem terminado a sua vida activa no desempenho do ofício, devido
essencialmente à perda de rentabilidade do mesmo, o que se acentuou a partir
da década de 1960, altura em que se verificou uma transformação radical no
modo de vida, na economia do país e na distribuição da sua população. As
causas da desactivação destes moinhos são, no entanto, múltiplas e variadas.
Entre elas inclui-se a redução substancial dos quantitativos de pão gastos nas
casas de lavoura para alimentar o pessoal de trabalho, numericamente
reduzido em virtude da mecanização da agricultura, que é também a princi-
pal responsável pela dispensa dos animais de trabalho e pela consequente
diminuição do consumo de farinhas de rações. Decisivo, neste processo, foi
também o desencadear das correntes migratórias da população rural em
direcção aos centros mais industrializados de Portugal e do resto da Europa
e a subsequente redução da freguesia dos moinhos, bem como a transfor-
mação dos hábitos alimentares das populações, na qual o pão perdeu o seu
valor quase absoluto, a falta de homens aptos a desempenhar o ofício de
moleiro, a melhoria das vias de comunicação e dos meios de transporte, a
concorrência das fábricas de moagem, o incremento do fabrico e a genera-
lização do consumo de pão comercial ou de padaria. Acresce que, em termos
globais, foram justamente estes motivos que estiveram na origem da desac-
tivação dos sistemas tradicionais de moagem em Portugal e noutros países
europeus, de modo quase simultâneo (cf. Escalera Reyes e Villegas Santaella
1983:49).
Moinhos e Moleiros no Alentejo Oriental
241
BIBLIOGRAFIA
ABREU, Maurício, e José Manuel FERNANDES, 1990, “Guadiana”, Rios de Portugal, Lisboa, Gradiva,
204-227.
BLOCH, Marc, 1935, “Avènement et Conquêtes du Moulin à Eau”, Annales d’Histoire Économique et Sociale,
36, 583-663.
BORGES, Luís Figueira, 1986, Monografia de Pias, Pias (Serpa), edição de autor.
BORGES, Nelson Correia, 1981a, “As Origens do Fabrico do Pão”, História, 26 e 27, 37-43.
————, 1981b, “Moinhos Hidráulicos”, História, 29, 66-82.
CHILDE, Gordon, 1969, ¿Qué sucedió en la historia?, Buenos Aires, Pléyade.
CUTILEIRO, José, 1977 [1971], Ricos e Pobres no Alentejo: uma Sociedade Rural Portuguesa, Lisboa, Sá da Costa.
DIAS, António, 1942, “Moinhos e Moleiros”, Revista Altitude, II (3), 98-101.
DIAS, Jorge, s/d., “Moagem Tradicional”, Joel Serrão (org.), Dicionário de História de Portugal, vol. III,
Lisboa, Iniciativas Editoriais, s.v. “moinhos”.
————, 1993 [1964], “Moinhos Portugueses”, Estudos de Antropologia, vol. II, Lisboa, Imprensa Nacional
– Casa da Moeda.
ESCALERA REYES, Javier, e Antonio VILLEGAS SANTAELLA, 1983, Molinos y Panaderías Tradicionales,
Madrid, Editora Nacional.
GALHANO, Fernando, 1978, Moinhos e Azenhas de Portugal, Lisboa, Associação Portuguesa dos Amigos
dos Moinhos e Secretaria de Estado da Cultura.
GAMA BARROS, Henrique da, 1950, História da Administração Pública em Portugal nos Séculos XII a XV, tomo
IX, 2ª edição, Lisboa, Sá da Costa.
GRAÇA AFFREIXO, J. Maria da, 1993 [1884], Memória Histórico-Económica do Concelho de Serpa, Serpa,
Câmara Municipal de Serpa.
GUITA, Rui, 1991, Moinhos de Água no Concelho de Mértola, Mértola, Associação de Defesa do Património
de Mértola.
HENRIQUES, Francisco da Fonseca, 1726, Aquilégio Medicinal.
Inquérito Industrial de 1881, 1881, Imprensa Nacional, Lisboa.
JESPERSEN, Anders, 1953, Gearing in Watermills, Dinamarca, Virum.
LIMA, Augusto César Pires de, 1948, “As Artes e Ofícios nas Tradições Populares”, Portucale, III.
MACHADO, Francisco Valente, 1980, Monografia de Vila Verde de Ficalho, Vila Verde de Ficalho, Biblioteca-
-Museu de Vila Verde de Ficalho.
MATTOS, Mello de, 1899, “As Azenhas do Rio Ardila”, Portugália, I, 849-850.
OLIVEIRA, Ernesto Veiga de, Fernando GALHANO, Benjamim PEREIRA, 1983, Tecnologia Tradicional
Portuguesa: Sistemas de Moagem, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica.
O’NEILL, Brian Juan, 1984, Proprietários, Lavradores e Jornaleiras, Lisboa, Dom Quixote.
PICÃO, José da Silva, 1983, Através dos Campos: Usos e Costumes Agrícolo-Alentejanos (Concelho de Elvas),
Lisboa, Dom Quixote.
RIBEIRO, Orlando, 1945, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, Coimbra Editora.
SAMPAIO, Alberto, 1923, As Villas do Norte de Portugal, Porto, Lello & Irmão.
SILVA, Luís, 1999, “Identidade Nacional: Práticas e Representações num Contexto de Fronteira”, Tese de
mestrado em antropologia, património e identidades, Lisboa, ISCTE, policopiado.
TORRADO GONZÁLEZ, José António, 1999, Chelles: Villa Fronteriza, Badajoz, Diputación Provincial de
Badajoz.
VASCONCELOS, J. Leite de, 1980-1985, Etnografia Portuguesa, 9 volumes, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa
da Moeda.
VITERBO, Sousa, 1896, “Arqueologia Industrial Portuguesa: os Moinhos”, O Arqueólogo Português, II,
849-850.
Luís Silva
242
Luís Silva
Bolseiro da FCT e investigador do CEAS
luisilva@netc.pt
MILLS AND MILLERS IN THE EASTERN
ALENTEJO: AN ETHNOGRAPHIC
PERSPECTIVE
This article describes the mills and millers of the River
Guadiana (South of the mouth of the Caia) and its
tributaries and sub-tributaries, underlining the
importance of cereal cultivation in the economy of the
Alentejo, providing historical and typological
information about hydraulic systems of cereal milling,
identifying their owners and mode of working, their
clients, their use of time, the work of the miller, the
social uses of flours, the system of complementarity
resulting from the lack or excess of water and the
profession of miller.
... Alguns dos moinhos (portugueses) edificados no rio Guadiana já foram objeto de estudo etnográfico, concretamente em duas das cinco monografias sobre moinhos de cereais que foram produzidas pela equipa de Jorge Dias (Galhano 1978;Oliveira, Galhano e Pereira 1983: 123-127), no estudo dos moinhos do distrito de Beja desenvolvido por Armando Galvão, Francisco Mosca, Jorge Amador e José Barnabé (1979), e na pesquisa de Rui Guita (1991) sobre os moinhos do concelho de Mértola. No entanto, a despeito das nossas contribuições (Silva 2003(Silva , 2004, não existe qualquer estudo antropológico exaustivo sobre os moinhos e os moleiros do Guadiana a jusante do Caia, coisa que este trabalho de investigação procura providenciar. ...
Book
Full-text available
Este livro aborda os moinhos do rio Guadiana, concretamente os moinhos edificados a jusante da foz do Caia, de um ponto de vista antropológico. Especial atenção é conferida aos aspetos técnicos e aos aspetos sociais e económicos destes peculiares moinhos hidráulicos. O principal objetivo do trabalho de investigação aqui apresentado é enriquecer o campo de estudos das tecnologias tradicionais portuguesas, particularmente aquelas que eram destinadas à moagem de cereais (para fins de alimentação humana e animal), contribuindo, simultaneamente, para a preservação da sua memória. O estudo baseia-se, sobretudo, em materiais etnográficos recolhidos pelo autor sensivelmente nas últimas duas décadas, incluindo o testemunho direto de antigos moleiros e de antigos acarretadores ou maquilões.
Book
Full-text available
Este livro aborda as modalidades de construção da identidade nacional em duas localidades situadas em lados opostos da fronteira luso-espanhola no rio Guadiana. O principal objetivo é contribuir para o estudo da identidade portuguesa. Os objetos mais precisos da investigação etnográfica em que se baseia o trabalho apresentado são as festas, incluindo as taurinas, a alimentação e os estereótipos nacionais. As semelhanças e dissemelhanças de facto entre as populações em estudo também são objeto de descrição e análise, mas a atenção centra-se no ponto de vista dos habitantes, nos seus discursos.
Thesis
Full-text available
The purpose of the present research was to develop a game, and then to identify and organize the actions of the players while playing this game and solving puzzles. More specifically, we intended to investigate which mathematical experiences would emerge from the action of playing this game, by means of the immersion and exploration within the realm of this game. We developed and implemented the game in its Alpha version – Wind Phoenix: Tales of Prometheus –, which offered, from the perspective of our hypothesis, to its protagonist the opportunity to develop and to produce mathematical knowledge through logical and mathematical reasoning, by solving the puzzles and exploring the paces of the game. We have articulated these aspects with our survey issues: [1] What mathematical objects emerge from the actions of the protagonists during their experience in the game? [2] What aspects influence the elaboration and modification of the game and the puzzles? [3] What didactic and methodological applications arise from this kind of game? The methodology adopted was the Design Based Research (DBR) model, since it presents an interactive and interventionist approach, which allowed us the consideration of the theories we presented through the production and gameplay of this game. The Embodied Cognition – presented as our theoretical principle – deals with concepts of the Merleau-Ponty’s Phenomenology and reaches the work of Barsalou (2003; 2008), Fauconnier (2000), among others, from which we understand that every action is contextualized. Therefore, in our case, this experience within a game contributes for the production of knowledge upon the logical and mathematical reasoning. Indeed, the challenges the players accepted and faced – in a contextualized way – in an adventure in this digital game provided engagements with the Mathematics connected with the real life. The overcoming of the process of trial and error and its substitution for processes of problem solving, through the creation of conjectures, data collection and tests and analysis of the effects showed an elaborate capacity of strategic thinking. We also observed a meaningful increase in the capacity of concentration in the actions of the participants, given their attention and observation of the details of the game, such as sceneries, map of the game and its operation or effects/feedbacks. For the next versions, Wind Phoenix will be implemented using the game engine Unreal 4, adapting its level design, in order to expand the mechanisms proposed in the parameterizations of the puzzles. The premise of freedom or invitation to play has always been present in our proposal. We have observed that the apparently uncommitted playing presented itself in a pleasant and motivating way. Thus, the use of digital games in learning environments is related to a pedagogical proposal, which must be implied in the choice or production of a game. We concluded that the players assumed a role in the game and constituted a process of enunciation of logical problems – puzzles. Hence, the development of epistemological games in 3D with commercial quality showed a possibility for us to unveil new paradigms in the production of knowledge and in the construction of mathematical knowledge upon the logical and mathematical reasoning that surpasses our personal experiences.
Book
Full-text available
Este livro propõe-se discutir a problemática da ruralidade na sociedade portuguesa, mediante a compilação e análise de cinco estudos de caso desenvolvidos pelo autor em Portugal continental e insular na última década. Os estudos de caso etnográficos apresentados nas duas primeiras partes do livro (I – Teorias de património e impactos locais; II – Ecoturismo e governamentalidade nos Açores) descrevem e examinam o modo como a proteção e a comercialização, via turismo, de recursos culturais e naturais afetam as populações locais, privilegiando o ponto de vista dos residentes. O estudo de caso constante da terceira parte (III – A persistência do pastoralismo em Portugal) estabelece um paralelo entre a literatura de ficção do século XIX e as práticas de turismo rural do início do século XXI.
Article
Full-text available
This article describes spa and wellness tourism as an example of a tourist product in the spatial formulation of health resorts in Poland. Health resorts are described as a specific local product that could be the object of territorial marketing. The factor conception of a general tourist product that was developed by V. T. C. Middleton, which refers to building the tourist product of a health resort, is thoroughly analysed. The difference between the tourist product of a health resort and a health resort tourist product is highlighted, as well as themultifunctional character of health resorts. There is no agreement on the definition of a spa in specialist literature. There is a difference between the notion of spa in Europe and in the U.S. This difference was observed by analysing the definitions of a spa as set forth by the European Spas Association (ESPA) and the International Spa Association (ISPA).
Arqueologia Industrial Portuguesa: os Moinhos
  • Sousa Viterbo
VITERBO, Sousa, 1896, " Arqueologia Industrial Portuguesa: os Moinhos ", O Arqueólogo Português, II, 849-850.
As Origens do Fabrico do Pão
  • Nelson Borges
  • Correia
BORGES, Nelson Correia, 1981a, " As Origens do Fabrico do Pão ", História, 26 e 27, 37-43.
As Artes e Ofícios nas Tradições Populares
  • Augusto César Pires De
LIMA, Augusto César Pires de, 1948, " As Artes e Ofícios nas Tradições Populares ", Portucale, III.
História da Administração Pública em Portugal nos Séculos XII a XV, tomo IX
  • Gama Barros
  • Henrique Da
GAMA BARROS, Henrique da, 1950, História da Administração Pública em Portugal nos Séculos XII a XV, tomo IX, 2ª edição, Lisboa, Sá da Costa.
Chelles: Villa Fronteriza
  • Torrado González
  • José António
TORRADO GONZÁLEZ, José António, 1999, Chelles: Villa Fronteriza, Badajoz, Diputación Provincial de Badajoz.
  • Luís Borges
  • Figueira
BORGES, Luís Figueira, 1986, Monografia de Pias, Pias (Serpa), edição de autor.
As Azenhas do Rio Ardila
  • Mello De
MATTOS, Mello de, 1899, " As Azenhas do Rio Ardila ", Portugália, I, 849-850.