ArticlePDF Available

Abstract and Figures

Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. is an exotic species of Leguminoseae commonly known as flamboyant-mirim, and largely used for unban arborization. The objective of this study was to evaluate methods for overcome dormancy of seeds of flamboyant mirim. The work was developed at the Laboratory of Seed Analysis and green house of Centro de Ciências Agrárias at Universidade Federal da Paraíba, campus II, Areia, PB. The experimental procedure used was completely randomized with 14 treatments (control (intact seeds) (T1); scarification with sandpaper opposite number 80 in the region to hilum soaking in water for 0; 12; 24; 36 and 48 h (T2, T3, T4, T5 e T6) at 30 ºC; immersion in hot water at temperatures 70 and 80 °C (T7 and T8); sulfuric acid scarification by immersion 5; 10; 15; 20; 25 and 30 minutes(T9, T10, T11, T12, T13 e T14) and four repetitions. The variable obtained were percentage emergency, first count emergency and emergency speed index (IVE). Daily count of the seedlings was carried out during 25 days. The seeds immerged in sulfuric acid for 30 minutes presented smaller of seedlings emergency. The mechanical scarification of the seed tegument followed by immersion in water for 12 and 24 h are the most effective method for to overcome dormancy of seeds of flamboyant.
Content may be subject to copyright.
Disponible en: http://www.redalyc.org/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=237117582011
Redalyc
Sistema de Información Científica
Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
MENDES DE OLIVEIRA, LUCICLÉIA; ALCÂNTARA BRUNO, RISELANE DE LUCENA;
PEREIRA GONÇALVES, EDILMA; ROSA DE LIMA JÚNIOR, ADEILDO
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima
(L.) Sw. - LEGUMINOSAE
Revista Caatinga, vol. 23, núm. 1, enero-marzo, 2010, pp. 71-76
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Mossoró, Brasil
¿Cómo citar? Número completo Más información del artículo Página de la revista
Revista Caatinga
ISSN (Versión impresa): 0100-316X
caatinga@ufersa.edu.br
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Brasil
www.redalyc.org
Proyecto académico sin fines de lucro, desarrollado bajo la iniciativa de acceso abierto
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
http://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/sistema
ISSN 0100-316X (impresso)
ISSN 1983-2125 (online)
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherri-
ma (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
1
LUCICLÉIA MENDES DE OLIVEIRA
2*
, RISELANE DE LUCENA ALCÂNTARA BRUNO
2
, EDILMA PEREIRA
GONÇALVES
3
, ADEILDO ROSA DE LIMA JÚNIOR
4
RESUMO - Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. pertencente à família Leguminosae é uma espécie exótica de
pequeno porte, conhecida vulgarmente por flamboyant-mirim, muito utilizada para arborização urbana. O obje-
tivo deste trabalho foi avaliar métodos para a superação da dormência das sementes de flamboyant mirim. O
trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Análise de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universi-
dade Federal da Paraíba, campus II, Areia, PB. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao aca-
so com 14 tratamentos: testemunha (sementes intactas) (T
1
); escarificação manual com lixa nº 80 na região
oposta ao hilo seguida de embebição em água por 0; 12; 24; 36 e 48 h (T
2
, T
3
, T
4
, T
5
e T
6
) a 30 ºC; imersão em
água quente por um minuto a 70 °C e 80 °C (T
7
e T
8
); escarificação com ácido sulfúrico por imersão durante 5;
10; 15; 20; 25 e 30 minutos (T
9
, T
10
, T
11
, T
12,
T
13
e T
14
) e quatro repetições. As variáveis avaliadas foram: por-
centagem de emergência, primeira contagem e índice de velocidade de emergência. A contagem diária das
plântulas foi feita durante 25 dias. As sementes imersas em ácido sulfúrico durante 30 minutos apresentaram
menor emergência de plântulas. A escarificação mecânica do tegumento das sementes seguida de embebição
(água) por 12 e 24 horas foram os tratamentos mais eficazes para superar a dormência das sementes de flambo-
yant-mirim.
Palavras-chave: Flamboyant-mirim. Dormência. Emergência. Exótica. Ornamental.
PRE-GERMINATED TREATMENTS IN SEEDS OF Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. -
LEGUMINOSAE
ABSTRACT - Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. is an exotic species of Leguminoseae commonly known as
flamboyant-mirim, and largely used for unban arborization. The objective of this study was to evaluate
methods for overcome dormancy of seeds of flamboyant mirim. The work was developed at the Laboratory of
Seed Analysis and green house of Centro de Ciências Agrárias at Universidade Federal da Paraíba, campus II,
Areia, PB. The experimental procedure used was completely randomized with 14 treatments (control (intact
seeds) (T
1)
; scarification with sandpaper opposite number 80 in the region to hilum soaking in water for 0; 12;
24; 36 and 48 h (T
2
, T
3
, T
4
, T
5
e T
6
) at 30 ºC; immersion in hot water at temperatures 70 and 80 °C (T
7
and T
8
);
sulfuric acid scarification by immersion 5; 10; 15; 20; 25 and 30 minutes(T
9
, T
10
, T
11
, T
12,
T
13
e T
14
) and four
repetitions. The variable obtained were percentage emergency, first count emergency and emergency speed
index (IVE). Daily count of the seedlings was carried out during 25 days. The seeds immerged in sulfuric acid
for 30 minutes presented smaller of seedlings emergency. The mechanical scarification of the seed tegument
followed by immersion in water for 12 and 24 h are the most effective method for to overcome dormancy of
seeds of flamboyant.
Keywords: Flamboyant-mirim. Dormancy. Emergency. Exotic. Ornamental.
___________________
*Autor para correspondência.
1
Recebido para publicação em 06/07/2009; aceito em 02/05/2010.
Trabalho de monografia de conclusão de curso de graduação em Ciências Biológicas do primeiro autor.
2
Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Fitotecnia, UFPB, Caixa Postal 22, 58397-000, Areia - PB; lucicleiabiologa@hotmail.com;
riselane@pq.cnpq.br
3
Unidade Acadêmica de Garanhuns, UFRPE, av. Bom Pastor, s/n, Boa vista, 55296-901, Garanhuns - PE; edilmapg@hotmail.com
4
Centro de Ciências Agrárias e da Natureza, Departamento de Sistemática e Ecologia, UFPB, Cidade Universitária, 58059-900, João Pesso-
a - PB; adeildojr@uol.com.br
71
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
L. M. OLIVEIRA et al.
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010
INTRODUÇÃO
A germinação da semente é o processo no
qual o eixo embrionário retoma seu crescimento an-
tes paralisado, dando origem a uma nova planta. Po-
rém, a germinação é afetada pela atuação de diversos
fatores destacando-se principalmente luz, temperatu-
ra, disponibilidade de água, oxigênio e substrato,
cada um, atuando de maneira específica
(CARDOSO, 2004). A maioria das sementes das
espécies florestais germina quando são colocadas em
condições ambientais favoráveis, porém quando a
germinação não ocorre nessas condições às sementes
são consideradas dormentes.
As espécies florestais geralmente apresentam
o mecanismo da dormência, o qual poderá impedir a
germinação de todas as sementes após a maturação,
evitando possivelmente a destruição da espécie, caso
haja uma calamidade climática após a germinação
(CARVALHO; NAKAGAWA, 2000). As plantas da
família Leguminosae – Fabaceae possuem grande
facilidade de propagação e perpetuação da espécie,
mas apresenta dormência caracterizada como imper-
meabilidade do tegumento das sementes à água
(POPINIGIS, 1985), o que pode dificultar e retardar
a germinação das mesmas. Os tratamentos utilizados
para esse tipo de dormência baseiam-se na remoção
da camada cuticular cerosa ou na formação de estrias
no tegumento das sementes, seguido imediatamente
de embebição após a ruptura, o que proporciona o
início do processo germinativo (BIANCHETTI; RA-
MOS, 1981).
Vários estudos foram realizados com semen-
tes de espécies florestais para a superação da dor-
mência, tais como: Bowdichia virgilioides onde o
melhor tratamento foi imersão em ácido sulfúrico
concentrado por um período de 5 minutos
(SMIDERLE; SOUSA, 2003) e oito a onze minutos
(SAMPAIO et al., 2001); em Acacia mearnsii Willd.
a escarificação mecânica por 15 segundos
(ROVERSI et al., 2002); em Opuntia fícus-indica
Mill a escarificação mecânica com lixa dágua duran-
te 10 minutos (GUEDES et al., 2009); para Bauhinia
divaricata L destacou-se o desponte da semente na
região oposta à micrópila (ALVES et al., 2004); Pel-
tophorum dubium a imersão em água quente (95 °C)
e repouso na mesma água por 24 horas fora do aque-
cimento (OLIVEIRA et al., 2003). Entretanto em
Caesalpinia ferrea Mart. Ex Tul, o uso do tratamento
de imersão em água quente (65 ºC) se mostrou inefi-
ciente, com porcentagem de germinação inferior a
30%, semelhante ao verificado na testemunha
(CÂMARA et al., 2008).
Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. é uma es-
pécie arbustiva nativa da África oriental conhecida
vulgarmente por poinciana-anã, baio-de-estudante,
orgulho de barbados, flor-do-paraíso e flamboyant-
mirim, tendo as sementes como o principal meio de
propagação (LORENZI; SOUSA, 2001). A uma es-
pécie cultivada pela sua beleza destacada principal-
mente pela diversidade de inflorescências e o peque-
no porte a torna apropriada para a arborização das
cidades, já que não atinge a fiação elétrica conforme
destaca a Companhia Energética de Minas Gerais
(CEMIG, 2007). Mas, o principal problema em sua
propagação é a desuniformidade de germinação atri-
buída à impermeabilidade do tegumento.
Dessa forma, a pesquisa teve como objetivo
avaliar os métodos para acelerar e uniformizar a e-
mergência de plântulas de Caesalpinia pulcherrima
(L.) Sw.
MATERIAL E MÉTODOS
O trabalho foi realizado na casa de vegetação
do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universi-
dade Federal da Paraíba (UFPB), campus II, em A-
reia-PB. As sementes foram obtidas de 400 frutos, de
três arbustos de Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw,
colhidos no município de Areia – PB, no mês de
março de 2007 e levados ao laboratório para os se-
guintes tratamentos para superação da dormência:
testemunha (sementes intactas) - (T
1
); escarificação
manual com lixa nº 80 na região oposta ao hilo se-
guida de embebição em água destilada por 0; 12; 24;
36 e 48 h (T
2
, T
3
, T
4
, T
5
e T
6
) em câmara sob tempe-
ratura constante de 30ºC; imersão em água quente
nas temperaturas 70 e 80 °C (T
7
e T
8
) por um minu-
to; sementes tratadas com escarificação com ácido
sulfúrico concentrado por: 5; 10; 15; 20; 25 e 30
minutos (T
9
, T
10
, T
11
, T
12,
T
13
e T
14
), lavadas em água
corrente por 10 minutos para remoção dos resíduos
do ácido.
As sementes procedentes dos respectivos tra-
tamentos foram semeadas a uma profundidade de 1,5
cm em bandejas plásticas, tendo como substrato areia
lavada, e mantidas em casa de vegetação. Para avali-
ação da emergência as contagens iniciaram-se no
quarto dia após a semeadura e encerraram-se aos 25
dias, quando houve a estabilização da emergência
das plântulas. O vigor foi avaliado pelo teste de pri-
meira contagem de plântulas normais, conforme Bra-
sil (1992), no sétimo dia após a semeadura, e os re-
sultados expressos em porcentagem. O índice de
velocidade de emergência (IVE) foi determinado
mediante contagem diária das plântulas normais e-
mersas a partir do quarto dia até o final do teste de
emergência, sendo calculado através da fórmula pro-
posta por Maguire (1962).
O delineamento utilizado foi o inteiramente
casualizado com 14 tratamentos e quatro repetições
de 25 sementes. Os dados foram submetidos à análi-
se de variância pelo teste F e as médias comparadas
pelo teste de Scott – Knott a 5% de probabilidade,
por meio do software Sisvar.
72
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
L. M. OLIVEIRA et al.
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010 73
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Na Figura 1, encontram-se os resultados do
vigor das sementes avaliado pela primeira contagem,
observou-se que os tratamentos de escarificação me-
cânica seguida ou não de embebição (T2, T3, T4),
bem como, a imersão em ácido sulfúrico por cinco
minutos (T9), proporcionaram maior porcentagem de
plântulas emersas na primeira contagem, não diferin-
do estatisticamente entre si. Resultados semelhantes
foram obtidos por Santos et al. (2004) nas sementes
de chicha (Sterculia foetida L.) quando previamente
escarificadas com lixa nº 40 seguida ou não de embe-
bição durante 24 horas para a posterior semeadura.
não diferindo estatisticamente entre si. Semelhante
ao observado pelo teste de primeira contagem de
emergência das plântulas fica evidente a importância
dos tratamentos T2, T3 e T4 na superação da dor-
mência da espécie em estudo.
d
aaa
b
c
dd
a
b
d
b
b
d
0
20
40
60
80
100
T1
T2
T3
T4
T5
T6
T7
T8
T9
T10
T11
T12
T13
T14
Primeira Contagem
(%)
Tratamentos
Figura 1. Primeira contagem de emergência de plântulas
de flamboyant-mirim [Caesalpinia pucherrima (L.) Sw.],
aos sete dias após a semeadura. T1 – sem tratamento; T2 –
escarificação, T3, T4, T5, T6 – escarificação e em embebi-
ção por 12, 24, 36, 48h, respectivamente; T7, T8 – imersão
em água quente (70 e 80 °C) por um minuto; T9, T10, T11,
T12, T13, T14 – imersão em ácido sulfúrico por 5; 10; 15;
20; 25; 30 minutos.
Resultados semelhantes foram obtidos por
Alves et al. (2004) com sementes de Bauhinia diva-
ricata L., onde a escarificação, sem embebição, rea-
lizada pelo desponte na região oposta à micrópila,
assim como a fissura da semente com lixa nº 80 evi-
denciaram valores mais altos de vigor em relação aos
demais tratamentos. Os tratamentos T5, T10, T12 e
T13, embora tenham apresentado valores menores
que os anteriores, foram significativamente maiores
que a testemunha e similares entre si, enquanto os
tratamentos T7, T8, T11 e T14 foram os que apre-
sentaram os menores valores, não diferindo da teste-
munha. A escarificação mecânica é um método abra-
sivo que requer cuidado durante o manuseio, para
evitar danos ao embrião. Apesar disso, é um dos pro-
cedimentos mais utilizados para espécies que apre-
sentam sementes impermeáveis à água, além do mes-
mo ser de baixo custo.
Na Figura 2 estão os valores do percentual de
emergência das plântulas por tratamento, após 25
dias da semeadura. Pode-se observar que os trata-
mentos T2, T3 T4, T7, T9, T10, T12 proporcionaram
maiores porcentagens de emergência de plântulas,
b
a a ab
b
a
b
a a
b
ab
c
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
T1
T2
T3
T4
T5
T6
T7
T8
T9
T10
T11
T12
T13
T14
Emergência (%)
Tratamentos
Figura 2. Emergência de plântulas de plântulas de flambo-
yant-mirim [Caesalpinia pucherrima (L.) Sw.] submetidas
aos tratamentos para superação da dormência, aos 25 dias
após a semeadura. T1 – sem tratamento; T2 – escarifica-
ção, T3, T4, T5, T6 – escarificação e em embebição por
12, 24, 36, 48 h, respectivamente; T7, T8 – imersão em
água quente (70 e 80 °C) por um minuto; T9, T10, T11,
T12, T13, T14 – imersão em ácido sulfúrico por 5; 10; 15;
20; 25; 30 minutos.
A Figura 2 sugere que nos períodos de embe-
bição mais prolongados (36 e 48 h) pode ter ocorrido
danos na conformação da membrana plasmática,
decorrente provavelmente da mudança do estado gel
para o estado cristalino líquido, e dessa forma prova-
velmente comprometeu a viabilidade das sementes
evidenciada pela baixa emergência. Diferente do
verificado neste estudo, Souza et al (1994) constata-
ram que entre os testes avaliados para a superação da
dormência das sementes de Apuleia leiocarpa (Vog.)
Macbride Var. molaris spr. Ex Benth., a escarifica-
ção manual com e sem imersão em água foram efeti-
vos na quebra da dormência.
As sementes imersas em ácido sulfúrico du-
rante 30 minutos apresentaram menor emergência de
plântulas (Figura 2) provavelmente devido ao tempo
de exposição das sementes no ácido, já que apenas
30% das plântulas emergiram. Fato semelhante foi
verificado por Oliveira et al. (2003) ao contabilizar
97% das sementes de Peltophorum dubium mortas.
Entretanto, sementes de flamboyant-mirim submeti-
das a diferentes períodos (5 a 15 minutos) de imersão
apresentaram resultados de germinação de 98%
quando comparado com a testemunha (germinação
abaixo de 20%), porém a partir dos 20 minutos, hou-
ve queda acentuada do percentual de germinação
(GARCIA et al., 2002). No entanto, a permanência
das sementes por períodos prolongados no ácido,
embora supere o fenômeno da dormência, aumenta a
porcentagem de sementes deterioradas e de plântulas
anormais. Dessa forma, percebe-se que esses trata-
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
L. M. OLIVEIRA et al.
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010 74
mentos devem ser utilizados com muita precaução
ou mesmo evitados devido ao grau de periculosidade
oferecido (LOPES et al., 2006).
Em sementes de Bowdichia virgilioides Kunth, Smi-
derle e Sousa (2003) verificaram que a escarificação
com ácido sulfúrico, por período de 5 minutos foi
eficiente para superar a dormência, uma vez que pro-
moveu um aumento da germinação de 21 para 90%
em relação ao controle. Porém, os autores Suñé e
Franke (2006) constaram que esse tratamento não se
mostrou satisfatório para as sementes de Trifolium
riograndense e Desmanthus depressus pois o acrés-
cimo na porcentagem de germinação em relação a
testemunha (28%) foi de apenas 25 e 26%, respecti-
vamente. Eira et al. (1993) encontraram resultados
satisfatórios para as sementes de Enterolobium con-
tortisiliquum (Vell.) Morong quando utilizaram o
ácido sulfúrico (75%) independentemente do período
de tempo, constatando com o observado nas semen-
tes de flamboyant-mirim, pois a partir de 30 minutos
pode ter ocorrido danos no tegumento e consequen-
temente a morte do embrião, fato comprovado pela
grande quantidade de sementes mortas e pela inci-
dência de fungos.
Neste estudo foi observada uma baixa porcen-
tagem de emergência das plântulas, quando as se-
mentes de flamboyant-mirim foram imersas em água
a 80 °C por um minuto, enquanto a 70 ºC o efeito foi
o inverso, pois a imersão das sementes em água sob
temperatura mais alta pode ter acarretado algum da-
no na semente. Resultados semelhantes foram obti-
dos em Bauhinia ungulata L., e germinação zero em
Bauhinia monandra Britt. (ALVES et al., 2000), já
em Caesalpinia ferrea o uso de temperatura inferior
(65 ºC) mostrou-se insuficiente para superar a dor-
mência (CÂMARA et al., 2008).
Em Cassia ferruginea Schard, Lopes (2005) também
evidenciou pequenas porcentagens de germinação
nas temperaturas de 70 e 80 ºC. Diferentemente dos
autores citados, Torres e Santos (1994) obtiveram
uma alta porcentagem de germinação em sementes
de Parkinsonia aculeata L, fato também verificado
por Suñé e Franke (2006) em sementes de Desman-
thus depressus ao utilizar a imersão das mesmas em
água sob temperatura 60 ºC durante cinco minutos
obtiveram 87% de germinação. Entretanto, o uso da
água quente depende do tempo, da temperatura de
embebição e da espécie a ser tratada, já que em al-
guns casos esse método não se mostra efetivo para a
superação da dormência de algumas sementes
(PEREZ, 2004).
Pode-se observar que as sementes do trata-
mento T1 apresentaram porcentagens de emergência
de plântulas em torno de (70%), e mesmo sendo con-
siderada uma alta porcentagem, deve-se levar em
consideração o tempo necessário para que as semen-
tes expressassem o seu potencial. Ao observar os
dados da Figura 2, as sementes dos tratamentos T2,
T3, T4 e T9 apresentaram emergência de plântulas
acima de 70% ao sétimo dia após a semeadura. A
maioria das sementes das espécies florestais germina
quando são colocadas em condições ambientais favo-
ráveis, porém quando a germinação não ocorre nes-
sas condições às sementes são consideradas dormen-
tes. Para Carvalho e Nakagawa (2000) a dormência é
um fenômeno que impede a germinação de todas as
sementes após a maturação, evitando possivelmente
a extinção da espécie, caso haja uma calamidade
climática após a germinação.
Na Figura 3 encontram-se os resultados do
índice de velocidade de emergência das plântulas.
Nos tratamentos feitos com escarificação mecânica
(T2, T3, T4, T5, T6) o IVE apresentou diferenças
significativas em nível de 5% de probabilidade, in-
clusive em relação à testemunha. Portanto verificou-
se que os tratamentos feitos com escarificação mecâ-
nica seguida de embebição por 12 e 24 h proporcio-
naram maiores índices de velocidade de emergência
das plântulas. Pelos dados, é possível inferir que a
escarificação promoveu uma maior uniformidade no
vigor das sementes, sendo mais efetiva após a embe-
bição em água por 12 horas (T3) e 24 horas (T4).
Resultados semelhantes foram encontrados quando o
vigor foi avaliado pela primeira contagem de germi-
nação nas sementes de Sterculia foetida L (SANTOS
et al., 2004), ao serem submetidas à escarificação
seguida de embebição por 24 horas. No entanto, A-
zerêdo et al. (2002) obtiveram baixo índice e porcen-
tagem de emergência ao realizar corte das sementes
de Achras sapota L., na região oposta ao embrião e
seguida de embebição no mesmo intervalo de tempo.
Figura 3. Índice de Velocidade de Emergência (IVE) de
sementes de flamboyant-mirim [Caesalpinia pucherrima
(L.) Sw.] submetidas aos tratamentos de superação da dor-
mência. T1 sem tratamento; T2 escarificação, T3, T4,
T5, T6 escarificação e em embebição por 12, 24, 36, 48
h, respectivamente; T7, T8 – imersão em água quente (70 e
80 °C) por um minuto; T9, T10, T11, T12, T13, T14 –
imersão em ácido sulfúrico por 5; 10; 15; 20; 25; 30 minu-
tos.
c
b
aa
b
cc
d
bb
d
b
c
e
0
1
2
3
4
5
6
T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 T11 T12 T1 3 T14
IVE
Tratam entos
As sementes dos tratamentos T5 e T6 apre-
sentaram baixa velocidade de emergência, pois em
virtude do maior tempo de imersão na água prova-
velmente prejudicou a velocidade e a viabilidade da
semente. Entre as variáveis analisadas: primeira con-
tagem, porcentagem e velocidade de emergência, o
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
L. M. OLIVEIRA et al.
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010 75
T14 destacou-se como o tratamento menos eficiente,
pois a imersão das sementes no ácido sulfúrico con-
centrado a 98%, durante 30 minutos, pode ter danifi-
cado as mesmas e provocado a morte do embrião.
O uso da água quente a 70 e 80 °C nas semen-
tes proporcionou baixos índices de velocidade de
emergência das plântulas de flamboyant-mirim. Pro-
vavelmente, a imersão das sementes em água quente
tenha provocado uma mudança brusca no estado da
membrana das sementes passando de dessecado para
o hidratado, conseqüentemente pode ter ocorrido
alterações moleculares comprometendo o metabolis-
mo das sementes, tornando-as menos vigorosas e
reduzindo a porcentagem de germinação. Concor-
dando com os valores verificados por Torres e San-
tos (1994) em Parkinsonia aculeata L (80-90 °C), e
Alves et al. (2000) em Bauhinia ungulata L. e com o
índice de velocidade de emergência zero em Bauhi-
nia monandra Britt. Já nas sementes de Bauhinia
divaricata L. (ALVES et al., 2004) e Leucaena leu-
cocephala (Lam.) de Wit (TELES et al., 2000) a
imersão em água a 80 ºC promoveu os maiores índi-
ces de velocidade de emergência.
CONCLUSÃO
Sementes de flamboyant-mirim escarificadas meca-
nicamente com lixa 80 seguida de embebição por 12
e 24 horas, sob temperatura constante de 30 ºC são
os métodos mais eficientes na superação da dormên-
cia.
AGRADECIMENTOS
Os autores expressam seus agradecimentos ao
Engenheiro Agrônomo Antônio Alves de Lima e aos
laboratoristas, Rui Barbosa da Silva e Severino Fran-
cisco dos Santos que viabilizaram a execução deste.
REFERÊNCIAS
ALVES, A. U. et al. Superação da dormência em
sementes de Bauhinia divaricata L. Acta Botânica
Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 871-879, 2004.
ALVES, M. C. S. et al. Superação de dormência em
sementes de Bauhinia monandra Britt e Bauhinia
ungulata L. - Caesapilinoideae. Revista Brasileira
de Sementes, Londrina, v. 22, n. 2, p. 139-144,
2000.
AZERÊDO, G. A. et al. Desempenho de sementes de
sapoti (Achras sapota L.) submetidas a diferentes
tratamentos pré-germinativos. Revista Brasileira de
Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 1, p. 147-150,
2002.
BIANCHETTI, A.; RAMOS, A. Quebra de dormên-
cia de sementes de canafístula Peltophorum dubium
(Spreng.) Taubert resultados preliminares. Boletim
de Pesquisa Florestal, Curitiba, v. 3, p. 87-95, 1981.
BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrá-
ria. Regras para Análise de Sementes: SNA/
DNDV/CLAV, Brasília,1992. 365 p.
CÂMARA, F. A. A. et al. Biometria de frutos e se-
mentes e superação de dormência de jucá
(Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul (Leguminosae –
Caesalpinoideae). Revista Caatinga, Mossoró, v.
21, n. 4, p. 172-178, 2008.
CARDOSO, V. J. M. Germinação. In: KERBAUY,
G. B. Fisiologia vegetal. São Paulo: Guanabara koo-
gan, 2004. cap. 17, p. 386-408.
CARVALHO, N. M; NAKAGAWA, J. Sementes:
ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal:
FUNEP, 2000. 588 p.
CEMIG. Manual de arborização. Disponível em:
<http://www.prefeitura.ufpb.br/paisagismo/links/
Manual_Cemig.pdf >. Acesso em: 20 abr. 2007.
EIRA, M. T. S.; FREITAS, R. W. A.; MELLO, C.
M. C. Superação da dormência de sementes de Ente-
rolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. – Legu-
minosae. Revista Brasileira de Sementes, Brasília,
v. 15, n. 2, p. 177-181, 1993.
GARCIA, J.; DUARTE, J. B.; FRASSETO, E. G.
Superação de dormência em sementes de sansão do
campo (Mimosa caesalpiniaefolia L.). Pesquisa A-
gropecuária Tropical, Goiânia, v. 32, n. 1, p. 29-31,
2002.
GUEDES, R. S. et al. Germinação e vigor de semen-
tes de opuntia ficus-indica Mill. após tratamentos
para superar a dormência. Revista Caatinga, Mosso-
ró, v. 22, n. 4, p. 20-26, 2009.
LOPES, C. J.; DIAS, P. C.; MACEDO, C. M. P.
Tratamentos para acelerar a germinação e reduzir a
deterioração das sementes de Ormosia nitida Vog.
Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 2, p. 171-
177, 2006.
LOPES, E. S. A. Biometria e qualidade de semen-
tes de Cassia ferruginea Schard. 2005. 33 f. Mono-
grafia (Graduação em Agronomia) - Universidade
Federal da Paraíba, Areia, 2005.
LORENZI, H.; SOUSA, H. M. Plantas ornamen-
tais do Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3.
ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2001. 1088 p.
MAGUIRE, L. D. Speed of germination – aid in
TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw. – LEGUMINOSAE
L. M. OLIVEIRA et al.
Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 1, p. 71-76, jan.-mar., 2010 76
selection and evolution for seedling emergence and
vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.
OLIVEIRA, L. M.; DAVIDE, A. C.; CARVALHO,
M. L. M. Avaliação de métodos para quebra da dor-
mência e para a desinfestação de sementes de cana-
fístula (Peltophorum dubium) [Sprengel] Taubert.
Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 5, p. 597-
603, 2003.
PEREZ, S. C. J. G. A. Envoltórios. In: FERREIRA,
A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao
aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 125-134.
POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2. ed. Brasí-
lia: ABRATES, 1985. 298 p.
ROVERSI, T. et al. Superação da dormência em
sementes de acácia negra (Acacia mearnsii Willd.).
Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 8, n. 2,
p. 161-163, 2002.
SAMPAIO, L. S. V. et al. Ácido sulfúrico na supera-
ção da dormência de sementes de sucupira – preta
(Bowdichia virgilioides H.B.K. FABACEAE).
Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 3, n.
1, p. 184-190, 2001.
SANTOS, T. O.; MORAIS, T. G. O.; MATOS, V. P.
Escarificação mecânica em sementes de chichá
(Sterculia foetida L.). Revista Árvore, Viçosa, MG,
v. 28, n. 1, p. 1-6, 2004.
SMIDERLE, O. J.; SOUSA, R. C. P. Dormência em
sementes de paricarana (Bowdichia virgilioides Kunt
– Fabaceae – Papilionidae). Revista Brasileira de
Sementes, Londrina, v. 25, n. 2, p. 48-58, 2003.
SOUZA, L. A. G.; VARELA, V. P.; BATALHA, L.
F. P. Tratamentos pré-germinativos em sementes
florestais da Amazônia: VI Muirajuba Apuleia lei-
ocarpa (VOG.) Macbride Var. molaris SPR. Ex Ben-
th. (Leguminosae). Acta Amazônica, Manaus, v. 24,
n. 1, 2, p. 81-90, 1994.
SUÑÉ, A. D.; FRANKE, L. B. Superação de dor-
mência e metodologias para testes de germinação em
sementes de Trifolium riograndense Burkart e Des-
manthus depressus Humb. Revista Brasileira de
Sementes, Pelotas, v. 28, n. 3, p. 29-36, 2006.
TELES, M. M. et al. Métodos para quebra da dor-
mência em sementes de leucena (Leucaena leucoce-
phala (Lam.) de Wit. Revista Brasileira de Zootec-
nia, Viçosa, MG, v. 29, n. 2, p. 387-391, 2000.
TORRES, S. B.; SANTOS, D. S. B. Superação de
dormência em sementes de Acacia senegal (L.) Wil-
ld.e Parkinsonia aculeata (L.). Revista Brasileira
de Sementes, Brasília, v. 16, n. 1, p. 54-57, 1994.
... In the first test, two seed batches were used: one batch composed of newly harvested seeds and the other composed of seeds stored for one year in a regulated dry chamber (22 °C and 60% UR). These seeds were subjected to pre-germination treatments: intact seeds (control) and mechanical scarification with the use of number 80 sandpaper in the region opposite the hilum (Oliveira et al., 2010). The seeds were placed in plastic boxes (1 × 11 × 3.5 cm) followed by soaking, with twice the weight of the dry substrate, according to the Seed Analysis Rules (Brasil, 2009), and placed in germination chambers under temperatures of 30 and 20-30 °C. ...
... Naverrete-Tindall (2002), and Belinni et al. (2011) mention that this species does not require pre-germination treatments and that intact, freshly harvested seeds reach 90 to 100% germination. However, studies by Gilman and Watson (2003), Oliveira et al. (2010) Araújo Neto (2014, Jozef et al. (2010), and Jayasuriya et al. (2013). found that the species presented dormancy and that the mechanical scarification method was efficient to overcome it, since the seeds subjected to this method had a higher germination percentage than those from the control treatment. ...
... Results from Araújo Neto (2014) verified that the 30 °C temperature provides higher IVG in the C. pulcherrima seeds when compared to the temperature of 25 °C. Oliveira et al. (2010) studying dormancy breaking methods in the same species, observed that the favorable condition for germination and IVG is under the temperature of 30 °C. Novembre et al. (1999) reported that Mimosa caesalpinia efolia seeds presented higher germination speed at 30 °C, and Fernández and Jimeénez (2014). ...
Article
Full-text available
Caesalpinia pulcherrima is an exotic shrub species, belonging to the Fabaceae family, that has medicinal properties, and is widely used for urban afforestation. The objective of this research was to evaluate the overcoming of the C. pulcherrima seed dormancy, the influence of temperature, storage, and water quantity on the substrate in the germination of the species, as well as the use of the tetrazolium test for viability analysis. The analyzes were carried out at the Plant Propagation Laboratory at the Agricultural Sciences Center of the Federal University of Alagoas, in the municipality of Rio Largo, Brazil, and at the Laboratory of Plant Physiology, Arapiraca Campus, at the same University. The experiments were performed under a completely randomized design, with four replicates of 25 seeds. The results demonstrated that during storage the seeds developed a possible secondary dormancy, which was overcome with a time of twelve months of storage. The C. pulcherrima seeds subjected to the test of light qualities presented a significant difference in their germination percentage when verified with the time of storage. In the far-red quality, the newly harvested seeds had a germination percentage of (98%), higher than seeds with 12 months of storage (80.5%). The water volume 3.5-fold the weight of the dry paper provides (90%) germination when compared to other volumes. The tetrazolium salt concentrations of 0.075% and 0.1%, under the temperature of 30°C within 2 hours, are indicated for the viability analysis of Caesalpinia pulcherrima seeds.
... A escarificação mecânica com lixa é frequentemente utilizada devido ao seu baixo custo e simplicidade e tem proporcionado os melhores resultados de germinação para várias espécies, como Parkinsonia aculeata L. (Agra et al., 2015) e Caesalpinia pulcherrima L. Sw. (Oliveira et al., 2010). A escarificação química com ácido sulfúrico tem demonstrado resultados positivos para a superaração da dormência física em sementes, sendo indicada para Sideroxylon obtusifolium (Roem. ...
... Para o PCG (Tabela 3) resultados semelhantes foram obtidos por Oliveira et al. (2010), quando sementes de Caesalpinia pulcherrima L. Sw. foram submetidas a escarificação com lixa e imersão em ácido sulfúrico por 5 min, indicando que esses métodos proporcionaram a fissura do tegumento, favorecendo a reidratação dos tecidos das sementes e o processo de germinação. ...
Article
Full-text available
A Cassia leptophylla Vogel é uma espécie florestal nativa utilizada para reflorestamentos e recuperação de áreas degradadas, suas sementes apresentam dormência física, sendo necessário o uso de tratamentos para superá-la. O objetivo deste trabalho foi avaliar os métodos para a superação da dormência de sementes de C. leptophylla. Utilizou-se delineamento experimental inteiramente casualizado com dez tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos testados foram: Escarificação química com ácido sulfúrico (H2SO4) por 5, 10, 15 e 20 min; Escarificação mecânica com lixa nº 80; Imersão em água em temperatura de 85, 90, 95 e 100ºC por 3 min; e testemunha. O efeito dos tratamentos foi avaliado pelas variáveis: germinação, primeira contagem de germinação (PCG), índice de velocidade de germinação (IVG) e tempo médio de germinação (TMG). Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Os tratamentos com imersão em água não foram eficientes para superar a dormência. O método de escarificação com lixa nº 80 proporcionou maior porcentagem de germinação e IVG, sendo o mais eficiente para a superação da dormência das sementes de C. leptophylla.
... Segundo Shimizu et al. (2011), a escarificação com lixa promove maior germinação das sementes devido a rápida embebição e depleção do endosperma. Diversos autores encontraram maior índice de velocidade de emergência para sementes de Fabaceae escarificadas mecanicamente, quando comparadas com outros tratamentos recomendados para a superação de dormência tegumentar (Martinelli-Seneme et al., 2006;Ribeiro et al., 2009;Oliveira et al., 2010). Observa-se ainda o baixo índice de velocidade de emergência no tratamento testemunha, o qual se mostra problemático num sistema de produção de mudas, pois será necessário período maior para obtenção de uma planta para a comercialização ou transplante a campo. ...
... A dormência é um, fenômeno que acomete a diversas sementes, acontece quando as sementes submetidas as condições ambientais favoráveis a germinação, não germinam (OLIVEIRA et al., 2010), por esse motivo é necessário testar diferentes tratamentos pré germinativos com vistas a superação da dormência (ROCHA et al., 2018). Na germinação das sementes atuam diversos hormônios que atuam como promotores, e outros, como inibidores. ...
Article
A romãzeira (P. granatum L.), da família Punicaceae, é cultivada em todo o país desde a época colonial, com maior incidência em pomares domésticos. Na germinação das sementes atuam vários hormônios que atuam como promotores, e outros como inibidores. Objetivou-se analisar o efeito de tratamentos pré-germinativos na emergência e desenvolvimento de mudas de romã. Sementes de romã foram semeadas em tubetes, capacidade 280 mL, com substrato Terra + esterco bovino (3:1), onde foram testados diferentes tratamentos pré-germinativos para estimular a emergência e o desenvolvimento das plântulas. : imersão por 30 minutos em água natural 26°C (controle), solução de giberelina nas concentrações 1.000 mg.L-1, 2.000 mg.L-1, 3.000 mg.L-1, 4.000 mg.L-1, imersão em gelo água (0°C), 6 horas de armazenamento a frio (10°C), 24 horas de armazenamento a frio (10°C), 30 minutos (100°C) imersão em água fervente, em água de coco por 30 minutos, em 50 gL-1 solução de cloreto de potássio, em solução de cloreto de sódio 9 gL-1. O tratamento com solução de giberelina 3.000 mg.L-1 com 85% de emergência, apresentou os melhores resultados para emergência e desenvolvimento de mudas de romã, sendo recomendado como tratamento pré-germinativo.
... Por outro lado, deve-se considerar, conforme já salientado, que a germinação depende também de condições extrínsecas ou ambientais, tais como intensidade luminosa, água ou umidade, temperatura e substrato (GOMES et al., 2016). Entretanto, se mesmo com essas condições a germinação não ocorrer, as sementes são consideradas dormentes (OLIVEIRA et al., 2010;SHU et al., 2016;TAIZ et al., 2017). ...
... Embora tenha sido constatada ausência de sementes dormentes remanescentes nos tratamentos de escarificação mecânica manual e escarificação química, a escarificação química proporcionou as maiores porcentagens de mortalidade de sementes e de plântulas anormais, indicando que esse método foi invasivo. Tal resposta pode ser atribuída ao efeito corrosivo do ácido utilizado (H2SO4), que pode provocar injúrias irreversíveis ao embrião (SANTOS et al., 2014), e em casos de exposição prolongada pode provocar a formação de plântulas anormais (OLIVEIRA et al., 2010) e morte das sementes . ...
Article
Full-text available
The dormancy overcoming method recommended by the literature for Acacia mangium Willd. seeds has not be shown efficient, with higher percentage of dormant seeds remaining in the germination test. The objective was to evaluate different methods to overcome dormancy in A. mangium seeds. The effects of immersion in heated water, chemical scarification with sulfuric acid and manual mechanical scarification with and without chemical fungicide application on seed germination. We evaluated germination, abnormal seedlings, dead and dormant seeds, germination speed and fungi incidence. All methods favored the germination performance of A. mangium seeds in relation to the control, but the seeds submitted to manual mechanical scarification presented higher percentage (92%) and germination speed (6.46) with or without fungicide application. Immersion in heated water is not recommended because higher percentage of dormant seeds (30%), and chemical scarification were unfavorable because higher percentages of dead seeds (21%), abnormal seedlings (13%) and fungal incidence (36%). We conclude that manual mechanical scarification is the most effective method to dormancy overcome A. mangium seed. This protocol may be incorporated into the germination test methodology of this species.
... Por outro lado, deve-se considerar, conforme já salientado, que a germinação depende também de condições extrínsecas ou ambientais, tais como intensidade luminosa, água ou umidade, temperatura e substrato (GOMES et al., 2016). Entretanto, se mesmo com essas condições a germinação não ocorrer, as sementes são consideradas dormentes (OLIVEIRA et al., 2010;SHU et al., 2016;TAIZ et al., 2017). ...
Chapter
Full-text available
O impedimento de germinação estabelecido pela dormência das sementes constitui-se numa estratégia benéfica, que aumenta a probabilidade de sobrevivência da espécie. Entretanto, o desconhecimento dos métodos mais adequados para superação da dormência de espécies nativas florestais limita o uso de forma antrópica. Diante deste contexto, o presente trabalho visa contribuir com a temática por meio da contextualização de bibliografias existentes, compreendendo aspectos sobre a superação de dormência de espécies presentes na Mata Atlântica. No processo germinativo, as espécies apresentam caraterísticas peculiares, em decorrência dos fatores genéticos e pelas condições em que a semente foi formada, além de que, a dormência pode aumentar as chances de estabelecimento e sobrevivência de uma espécie em campo, pois, não permite que a germinação ocorra em condições desfavoráveis, estressantes ou fora da estação. Em relação a natureza da dormência, ela pode ser classificada como primária, a qual é intrínseca a sementes que, quando dispersa da planta-mãe já apresentam esta característica, e secundária, que está relacionada com as condições impostas às sementes após a sua dispersão. Estudos desenvolvidos por alguns autores comprovam que para cada espécie existe um tratamento de superação de dormência mais eficaz, sendo importante, pois a dormência é um fenômeno comum em cerca de dois terços das plantas. No bioma ainda são poucos os estudos considerando a grande diversidade da flora, como também as particularidades de cada espécie, sendo necessárias mais informações devido a Mata Atlântica ser um dos hotspots mundiais de biodiversidade, como também o que possui maior quantidade de espécies de plantas ameaçadas.
... As espécies florestais nativas do Brasil são geralmente propagadas sexuadamente, logo, o conhecimento de condições que proporcionem rapidez no processo germinativo e homogeneidade das plântulas implicará em mudas mais vigorosas que irão tolerar melhor as condições adversas do ambiente (PACHECO et al., 2006). Dessa forma, as sementes de algumas espécies, quando colocadas em condições ambientais favoráveis e não ocorre germinação, são consideradas dormentes (OLIVEIRA et al., 2010), portanto, é preciso realizar tratamentos para superar sua dormência. ...
Article
Full-text available
Garcinia gardneriana é uma espécie florestal nativa do Bioma Mata Atlântica, com potencial para aplicação industrial, medicinal, ornamental e madeireira, cujas sementes têm dificuldades para germinar. Assim, o objetivo do presente trabalho foi avaliar diferentes métodos para superar a dormência de sementes de Garcinia gardneriana de modo eficaz e com baixo custo para promover a germinação rápida e uniforme. Foram testados os seguintes tratamentos: testemunha - sementes intactas (T1); sementes sem tegumento (T2); sementes sem tegumento, seguido de imersão em solução de ácido giberélico (GA3) a 500 mg.L-1 por 24 horas (T3); sementes sem tegumento, seguido de imersão em solução de nitrato de potássio (KNO3) a 0,2% por 24 horas (T4); semente sem tegumento, seguido de estratificação a 10°C por 120 horas (T5); sementes com tegumento e imersas em solução de KNO3 a 0,2% por 24 horas (T6); sementes submetidas à estratificação a 10°C durante 120 horas (T7); sementes escarificadas com lixa para massa n°80 no lado oposto ao hilo (T8). Para a superação da dormência foram avaliadas as seguintes variáveis: emergência total, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência (IVE), tempo médio de emergência, comprimento da parte aérea e raiz primária e massa seca da parte aérea e do sistema radicular das plântulas. A retirada do tegumento favorece a emergência de plântulas mais vigorosas oriundas de sementes de Garcinia gardneriana, por isso, apresentam dormência tegumentar (exógena). A imersão das sementes em solução de ácido giberélico pode acelerar a velocidade de emergência, mas não influencia o tempo médio de emergência. Os tratamentos mais eficazes para superação da dormência das sementes de Garcinia gardneriana foram a remoção do tegumento, seguido de imersão em solução de ácido giberélico (GA3) a 500 mg.L-1 por 24 horas ou apenas a remoção do tegumento.
Article
Full-text available
The addition of adequate proportions of organic residues to formulate substrates with soil, render positive results on germination and seedling growth by providing benefits to the physical and chemical attributes of the soil. Determining an adequate proportion of such residues is essential to obtain seedlings exhibiting morphophysiological quality. This study aims to evaluate seed emergence and the development of Caesalpinia pulcherrima (L.) Swartz and Cassia grandis L. f. seedlings in organic substrates. The experiment was set in a completely randomized design arranged in 2 x 3 x 5 factorial scheme, consisting of two soil classes (Oxisol and Entisol), three types of organic substrate (COP (organic compost from tree pruning + cattle and goat manure), CLU (urban waste compost), RES (residue from the extraction of sisal fiber) and five percentages of organic residues (0, 20, 40, 60, 80). The percentage of emergence and emergence speed of seeds, plant height, number of leaves, root length and dry mass were determined. The species showed better results for these variables when adding organic residues to the substrate. The addition of 80% COP or CLU to the substrate provided higher mean values for percentage of emergence in seeds of Caesalpinia pulcherrima, and the substrate constituted by only soil provided higher dry mass in seedlings of this species. The combination of 50% COP and 50% soil (Oxisol and Entisol) resulted in higher means for the percentage of seed emergence, velocity of emergence and biomass production in Cassia grandis L. f. seedlings. Keywords: Agave sisalana residue; Urban waste; Organic fertilization
Article
Full-text available
Caesalpinia pulcherrima has diverse uses in the world, including ornamental and landscape characteristics, but there is a great disparity of germination during the time of seedlings production, being this factor attributed to the position of the seeds in fruits. This study aimed to evaluate some germinative aspects and concentration of reserve proteins in C. pulcherrima seeds in the function of its position in fruits. The work was carried out in greenhouse, in a completely random experimental design, with five seed position in the pod, based on the distance from seed to the peduncle (P1 - distal, P2 - distal/median, P3 - median, P4 -proximal/ median, P5 - proximal). Eight replicates with eight seeds each, were sowed to germinate for 21 days in expanded polystyrene trays filled with substrate. The percentage, speed index, average germination time and 50% germination time of the plantlets were evaluated. The reserve proteins (albumin, globulin, prolamin and glutelin) contents were also determined. There was influence of the position of the seed in the fruit on germination and reserve proteins contents. The proximal/median position showed excellent results, having correlations of albumin, globulin and glutelin concentrations with some germinative parameters. Therefore, the use of proximal/median position of the seeds is recommended for C. pulcherrima propagation.
Article
Full-text available
Opuntia ficus-indica Mill. is cultivated extensively a fodder species and for fruit in many countries. The seeds have a lignified covering that protects them against adverse environmental factors, however it hinders germination. Objective was to determine to determine an efficient, practical and low-cost methodology to break seed dormancy. These were submitted to the following treatments: control (intact seeds) (T1); mechanical scarification with number 80 water sandpaper for ten minutes (T2); sulfuric acid immersion for 3, 5 and 10 minutes (T3, T4 e T5, respectively); e 80ºC water immersion for 3, 5 e 10 minutes (T6, T7, e T8, respectively). The experimental design was entirely random, with eight treatments and four repetitions. The appraised characteristics were: emergence percentage first count and velocity index and seedling dry mass. The mechanical scarification with number 80 water sandpaper for ten minutes effectively broke the O. ficus indica seed dormancy.
Article
Full-text available
The Sansão-do-campo, also known as sabiá, is a plant whose wood has multiple uses, besides its ornamental value. It is used in forestry, for hedges and as forage. The flowers are visited by bees and tree stalk bark is used to treat lung diseases. The Sansão-do-campo seeds have shown germination problems due to tegument impermeability. To study this problem an experiment was carried out with seeds collected in August 2000 in Jussara, Goiás State. Pure seed samples were immersed in sulfuric acid (H2SO4 P. A.) for 0, 5, 10, 15, and 20 minutes and then washed in running water for 10 minutes to remove acid residues. Seeds were dried and then submitted to the standard germination test. Statistical analysis showed that H2SO4 immersion for 10 to 15 minutes resulted in the highest germination rate (98%).
Article
Full-text available
O objetivo deste trabalho foi estudar métodos para superação da dormência e condução do teste de germinação em sementes de Trifolium riograndense Burkart e Desmanthus depressus Humb., leguminosas nativas ainda não relacionadas nas Regras para Análise de Sementes vigentes. O experimento foi dividido em duas etapas: na primeira, objetivando a superação da dormência, foram testados os tratamentos imersão em água aquecida a 60°C, por cinco minutos; escarificação química com ácido sulfúrico concentrado por cinco minutos e escarificação manual com lixa n°180. Para a determinação das condições para o teste de germinação, avaliou-se os parâmetros luz (presença e ausência), substratos (papel e areia), posição da semente no substrato (sobre e entre) e diferentes temperaturas constantes (5, 10, 15, 20, 25 e 30°C). O delineamento experimental utilizado foi o completamente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes cada. A imersão em água aquecida e a escarificação manual do tegumento com lixa são os tratamentos mais eficientes para a superação da dormência em sementes de D. depressus e T. riograndense, respectivamente. As sementes de D. depressus apresentam maior germinação na presença de luz, sobre substrato papel, a 25°C, e as sementes de T. riograndense na ausência de luz, sobre substrato papel, a 30°C. A temperatura alternada de 20-30°C é considerada adequada para a condução do teste de germinação, para ambas as espécies.
Article
Full-text available
ñ The experiment was carried out at the Seed Laboratory of the Agronomy Center of the Federal University of Espirito Santo, in order to attain acceleration of germination and reduce seed deterioration in Ormosia nitida Vog.. A completely randomized experimental design with four replications was used. In experiment I, with paper substratum, the treatments were intact seeds (control); mechanical scarification and sulfuric acid soaking for 10 minutes. In experiment II, in Petri dishes, the treatments were intacts seeds (control); mechanical scarification; mechanical scarification + soaking in water at 35"C for 24 hours; imbibition of germination substratum with H2O2; sulphuric acid soaking for 1; 5; 10; 15; 20; 25 and 30 minutes. The results showed higher synchronization and speed germination in treatments with mechanical scarification, sulphuric acid for 10 minutes and H2O2 in the substratum.
Article
Full-text available
Forest species with hard seeds often pose considerable problems to nursery managers because their hard and water impermeable seed coats hinder and delay germination. Therefore, this work aimed to determine the most efficient, practical and low cost methodology to overcome dormancy in chichá seeds. The seeds were submitted to five treatments: mechanical scarification with sandpaper number 40 for three minutes on both sides of the seed without soaking; mechanical scarification with sandpaper number 40 for three minutes in both sides of the seed with 24-hour soaking; mechanical scarification with sandpaper number 40 for three minutes on one side of the seed without soaking; mechanical scarification with sandpaper number 40 for three minutes on one side of the seed with soaking and control treatment whose seeds had not been scarified (intact seeds). The characteristics evaluated were first count and total germination percentages, emergence speed index and shoot and root dry mass The results allowed to recommend mechanical scarification with sandpaper number 40 on one side of the seed for three minutes followed by soaking in water for 24 hours and mechanical scarification in both sides without soaking to overcome dormancy in chichá seeds.
Article
Full-text available
Objetivando superar a dormência tegumentária e avaliar o desenvolvimento de mudas, sementes de Leucaena leucocephala sofreram escarificação química e mecânica e tratamento com água quente, seguindo-se o modelo inteiramente casualizado. Houve baixa germinação das sementes utilizadas como testemunha (32,7%) e aumento da germinação, quando da imersão das sementes em água a 80ºC, por 5 e 15 minutos, e em H2SO4 concentrado, por 10, 15 e 20 minutos. O índice de velocidade de emergência das plântulas mostrou-se superior após os tratamentos das sementes com água a 80ºC, por 5 min, e H2SO4 concentrado, por 20 min. Os tratamentos utilizados para superar a dormência das sementes não influenciaram o desenvolvimento das mudas resultantes.