Conference PaperPDF Available

O b-learning no desenvolvimento de competências em Recuperação da Informação

Authors:

Abstract

A adequação dos cursos do ensino superior ao processo de Bolonha implicou, em muitos casos, uma mudança na selecção das várias as abordagens possíveis, consoante a área científico-técnica e a essência de cada unidade curricular (UC), ao processo de ensino/aprendizagem. A tónica deixou de estar na transmissão de conhecimentos e passou para o desenvolvimento de competências mediante uma participação activa do aluno no processo em si. Em ciência da informação (CI), a área disciplinar de recuperação da informação (RI) constitui um desafio aliciante na aplicação dos princípios de Bolonha quer por pertencer ao “core” de CI quer pelo facto de ser uma área onde sempre houve uma enorme actividade de investigação. Após uma análise da literatura mais recente acerca do ensino e da aprendizagem de RI, apresenta-se um caso prático de desenvolvimento de uma UC em que se utiliza o b-learning como estratégia de desenvolvimento de competências em futuros profissionais de informação. Para além das competências a desenvolver nos discentes, da selecção do programa da UC e dos métodos/técnicas de ensino, são ainda explorados e discutidos os métodos de avaliação que possam ser mais adequados numa UC com estas características. Mediante a análise de dados relativos à avaliação do desempenho dos discentes pelo docente e à avaliação da UC pelos discentes, conclui-se que a adopção do sistema de ensino misto b-learning tem um impacto positivo no desenvolvimento de competências de RI. Por último, pondera-se sobre novos desenvolvimentos e experiências no âmbito da UC “Recuperação da Informação” do curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto.
3 1 9
O -  
R I
Anabela Serrano
Instituto Politécnico do Porto (Portugal)
Resumo
A adequação dos cursos do ensino superior ao processo de Bolonha implicou, em muitos
casos, uma mudança na selecção das várias abordagens possíveis, consoante a área científico-
técnica e a essência de cada unidade curricular (UC), ao processo de ensino/aprendizagem. A
tónica deixou de estar na transmissão de conhecimentos e passou para o desenvolvimento de
competências mediante uma participação activa do aluno no processo em si. Em ciência da
informação (CI), a área disciplinar de recuperação da informação (RI) constitui um desafio
aliciante na aplicação dos princípios de Bolonha quer por pertencer ao core” de CI quer pelo
facto de ser uma área onde sempre houve uma enorme actividade de investigação. Através da
análise da literatura mais recente acerca do ensino e da aprendizagem de RI, apresenta-se um
caso prático de desenvolvimento de uma UC em que se utiliza o b-learning como estratégia de
desenvolvimento de competências em futuros profissionais de informação.
Para além das competências a desenvolver nos discentes, da selecção do programa da UC
e dos métodos/técnicas de ensino, são ainda explorados e discutidos os métodos de avaliação
que possam ser mais adequados numa UC com estas características.
Mediante a análise de dados relativos à avalião do desempenho dos discentes pelo docente
e à avaliação da UC pelos discentes, conclui-se que a adopção do sistema de ensino misto b-
learning tem um impacto positivo no desenvolvimento de competências de RI. Por último,
pondera-se sobre novos desenvolvimentos e experiências no âmbito da UC Recuperação da
Informação” do curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação da Escola
Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto.
Abstract
The adequacy of higher education degrees to the Bologna process implied, in many cases, a
change in the selection of the various possible approaches, depending on the scientific-technical
domain and on the essence of each curricular unit (CU), to the teaching/learning process.
The accent switched from knowledge transmission to skills development through an active
participation of the student inside the process itself. In Information Science (IS), the subject
area of Information Retrieval (IR) is an exciting challenge in applying the principles of Bologna
either by belonging to the «core» of IS either by being an area where there has always been a
great research activity. Through a review of the latest literature about teaching and learning
in IR, a case study is presented on developing a CU where b-learning is used as a strategy for
developing skills in future information professionals.
Beyond the skills to develop in students, the selection of the CU program and the methods
/ techniques of teaching, are also explored and discussed the evaluation methods that may be
more appropriate in a CU with these characteristics. Through the analysis of data concerning
the performance evaluation of students by the teacher and the evaluation of the CU by the
students, it is concluded that the adoption of the mixed education system b-learning has a
3 2 0
positive impact on the development of skills of IR. Finally, new developments and experiences
are considered within the CU «Information Retrieval» in the degree of Science and Technologies
of Documentation and Information of the Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão
at the Instituto Politécnico do Porto.
Introdução
Esta comunicação consiste numa reflexão acerca do desenvolvimento curricular
da disciplina de Recuperação da Informação”, no âmbito da adequação ao processo
de Bolonha do curso de licenciatura em Ciências e Tecnologias da Documentação
e Informação da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto
Politécnico do Porto (ESEIG/IPP), e da adoão do sistema de ensino misto b-learning
(ou blended learning), em detrimento de outras opções, com o objectivo de promover,
da melhor forma, o desenvolvimento de competências necessárias ao profissional de
informação.
Das inúmeras pesquisas realizadas emrios recursos de informação, para o período
de 2004-2009, foram considerados relevantes para o trabalho aqui apresentado, de entre
os documentos recuperados, doze (12) documentos publicados entre 2005 e 2009 e
que constam das refencias bibliográficas apresentadas no final deste documento.
O corpo deste documento estrutura-se da seguinte forma:
t"EFRVBÎÍPB#PMPOIB
t%FTFOWPMWJNFOUPDVSSJDVMBS
t4JTUFNBEFFOTJOP
tCMFBSOJOHoFOTJOPDPNVOJDBÎÍPFJOUFSBDÎÍP
t$PNQFUÐODJBTQSPGJTTJPOBJTFNDPOUFYUPFEVDBDJPOBM
Adequação a Bolonha
A assinatura da «Declaração de Sorbonne» pelos ministros da educação de quatro
países da União Europeia (França, Itália, Reino Unido e Alemanha) a 25 de Maio
de 1998, conduziu, um ano depois, à assinatura da «Declaração de Bolonha» pelos
ministros da educação de 29 países europeus - a 19 de Junho de 1999 -, a qual
despoletou um processo de reestruturação e harmonização do ensino superior no
espaço europeu que ficou conhecido pela designação de «O Processo de Bolonha».
Era objectivo dos subscritores desta declaração, nos quais Portugal se inclui, criar uma
Europa competitiva e líder da sociedade da informação em que vivemos baseada na
excelência ao mais alto nível do conhecimento.
1
Dez anos volvidos, o processo está quase concluído, tendo o ensino superior
português sofrido uma reforma alargada que, entre outros aspectos, obrigou as
instituições a adequarem a sua oferta formativa às novas exigências legislativas e
estratégicas.
1
A avalião de serviços de informação do ensino superior (Serrano, 2003), passim.
3 2 1
Assim, em 2005, foi alterada a lei de bases do sistema educativo
2
português
definindo-se:
t j" DSJBÎÍP EF DPOEJÎÜFT QBSB RVF UPEPT PT DJEBEÍPT QPTTBN UFS BDFTTP Ë
aprendizagem ao longo da vida, modificando as condões de acesso ao ensino superior
para os que neleo ingressaram na idade de referência, atribuindo aos estabelecimentos
de ensino superior a responsabilidade pela sua selecção e criando condições para o
reconhecimento da experiência profissional;
t"BEPQÎÍPEPNPEFMPEFPSHBOJ[BÎÍPEPFOTJOPTVQFSJPSFNUSÐTDJDMPT
t " USBOTJÎÍP EF VN TJTUFNB EF FOTJOP CBTFBEP OB JEFJB EF USBOTNJTTÍP EF
conhecimentos para um sistema baseado no desenvolvimento de competências;
t"BEPÍPEPTJTUFNBFVSPQFVEFDSÏEJUPTDVSSJDVMBSFT&$54o&VSPQFBO$SFEJU
Transfer and Accumulation System), baseado no trabalho dos estudantes.»
3
Em Março de 2006, foi publicado o diploma legal
4
que se refere aos graus e
diplomas e que estabelece as formas de adequação dos cursos existentes no ensino
superior de modo a organizar este sistema de ensino em três (3) ciclos tal como consta
no diploma atrás referido. Na sequência da sua entrada em vigor, as instituições de
ensino superior tiveram de levar a cabo as medidas aí estabelecidas nos prazos fixados.
Na Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão, o curso de licenciatura bietápica
em Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação (CTDI), com a duração
de cinco anos, foi adequado a um curso de licenciatura com a mesma designação
5
e a duração de três anos. Criar um grau de ensino, com pouco mais de metade da
duração do existente, assegurando as competências indispensáveis ao profissional de
informação, e sem eliminar o estágio profissional, tornou-se uma tarefa complexa,
dificultada, ainda mais, pela exiguidade do prazo conferido pelo Ministério da Ciência,
Tecnologia e do Ensino Superior (MCTES).
A criação da unidade curricular (UC) Recuperação da Informação (RI) no curso
de CTDI, sucessora da UC de OPISM
6
do plano de estudos anterior à adequação, foi
algo controversa tendo sido alvo de contestação por parte de alguns colegas do grupo
de trabalho. o obstante, a sua importância inequívoca no âmbito da Ciência da
Informação, constituindo uma das áreas disciplinares do seu “core”, fez com que o
grupo de trabalho optasse pela sua criação.
Desenvolvimento curricular
Tendo por base duas importantes obras, ambas publicadas em 2005, como o
European Curriculum Reflections on Library and Information Science, e o EuroReferencial
2
Lei nº 49/2005 de 30 de Agosto.
3
Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, DR Nº 60, Iª Série-A, p. 2242.
4
Idem, p. 2242-2257.
5
O grupo de trabalho de CTDI propôs a alteração da designação do curso para Cncia e Tecnologias
da Informação”, mas a mesma não foi aceite pela tutela.
6
Organização e Pesquisa Interactivas em Suportes Múltiplos.
3 2 2
I-D, e múltiplas pesquisas em vários recursos de informação disponíveis na Internet,
levou-se a cabo um estudo comparativo a nível europeu e a nível nacional de cursos
análogos.
Relativamente à unidade curricular de RI, o capítulo 4 da obra publicada pela The
Royal School of Library and Information Science, na Dinamarca, sob o patrocínio
da União Europeia e com contributos de cerca de 150 especialistas em Ciência da
Informação geridos por 12 grupos de trabalho aos quais pertenciam 40 a 50 especialistas,
foi uma referência importante e bastante elucidativa. David Bawden geriu um grupo
de trabalho constituído por mais cinco especialistas provenientes de vários países
da União Europeia, sendo Portugal representado por Inês Cordeiro, cujas reflexões
se consubstanciaram em cerca de 17 páginas sob o título Information Seeking and
Information Retrieval (IS&R). Segundo os autores, esta é uma temática demasiado
vasta para que se possa pretender definir um modelo curricular único. Identificam
três aspectos principais relacionados entre si: o comportamento informacional
(objecto da criação de uma UC independente em CTDI), a pesquisa de informação e
a recuperação de informação, e consideram que, indubitavelmente, a IS&R faz parte
da essência (“core”) da CI. Afirmam, ainda, que em conjugação com a Organização
do Conhecimento (ou análise e representação da informação) - embora a escolha de,
apenas, esta parceria possa ser questionável - constitui a verdadeira essência da Ciência
da Informação.
Ainda de acordo com os autores do capítulo acima referido, esta área temática
deverá ter lugar cativo em qualquer curso de Ciência da Informação:
«It should be included in any LIS course, at any level. It has relations with several
other themes within the discipline, particularly with KO and with Information
Literacy and Learning. It is clearly an important European theme’, and a crucial
part of any European LIS curriculum, though there are no uniquely European
values’ associated with it. ()
()There are numerous concepts, models and frameworks for the whole IS&R
area, and these may be used as the basis for the organisation of a curriculum.
The core of the analysis of this chapter is the presentation and discussion of set
of 28 topics, covering the whole theme, from which courses at a variety of levels
(Bachelor, Master, or professional development), depth, and subject focus may be
constructed.»
7
Na conclusão do capítulo, referem que a IS&R pode ser considerada a essência
da CI:
«Together with KO and ILL, IS&R makes up one of the cores - indeed, it may be
argued, the core - of the LIS discipline. Any effective modern LIS curriculum
must include an appropriate treatment of this theme.»
8
7
European Curriculum Reflections on Library and Information Science (Bawden, 2005), p. 84-85.
8
Idem, p. 98.
3 2 3
Vilar (2009) apresenta estes 28 tópicos numa tabela
9
, o que facilita a sua
análise.
Em 2006, a consulta desse tópicos, bem como de literatura de referência em RI,
permitiu-nos seleccionar aquele ou aqueles que melhor se adequam ao perfil da nossa
unidade curricular, contextualizando-a no novo curso a cujo desenvolvimento curricular se
tinha dado início. Tendo optado por criar uma UC para o comportamento informacional,
faltava-nos cobrir os outros 2 aspectos no currículo do novo curso: a pesquisa da
informação e a recuperação da informão. Sendo pasveis de distinção, acabam por ser
duas faces da mesma moeda, duas facetas do acesso à informação, pelo que a designação
adoptada, que deveria ser o mais curta possível de acordo com linhas de orientação do
MCTES, acabou por ser recuperação da informação”. Para além do mais, a recuperão
da informação agrega mais tópicos e a maioria do conteúdo considerado de interesse para
um curso cuja vertente tecnogica tem maior peso do que a vertente social e humana,
podendo esta ser explorada na UC Comportamento Informacional”.
As competências a adquirir pelos alunos foram identificadas com base no
EuroReferencial I-D
10
e na experiência profissional adquirida em contexto organizacional
ao longo de década e meia de presença no mercado de trabalho:
Competências gerais:
1. Compreender e definir conceitos básicos de recuperação de informação;
2. Desenvolver a capacidade de análise, e a de avaliação e diagnóstico;
3. Aplicar os conhecimentos adquiridos a novas situações equacionando a resolução
de problemas no domínio profissional;
4. Implementar projectos.
Competências específicas:
1. Analisar pedidos de informação complexos, elaborar estratégias de pesquisa e
reproduzir o resultado da pesquisa;
2. Identificar e seleccionar fontes de informação;
3. Dominar instrumentos e técnicas de pesquisa;
4. Diagnosticar e avaliar sistemas de recuperação de informação (SRI)
De forma a permitir a aquisição destas competências pelos alunos, foi criado o
currículo que consta no plano de estudos aprovado em 2006, e que prevê o seguinte
programa:
t*OUSPEVÎÍPË3FDVQFSBÎÍPEB*OGPSNBÎÍP3*oPQSPDFTTPEF3*
t4JTUFNBTEF3*
t.PEFMPTEF3*
t1SPDFTTBNFOUPEFJOUFSSPHBÎÜFT
t3FDVQFSBÎÍPEF*OGPSNBÎÍPOB8FC
t"JOUFSGBDFEPVUJMJ[BEPSFBWJTVBMJ[BÎÍP
t"WBMJBÎÍPEF4JTUFNBTEF3*
9
V. Anexo 1.
10
Op. Cit., p. 45-46.
3 2 4
Estes tópicos o passíveis de vários desenvolvimentos, e de serem dados com maior
ou menor profundidade em função do contexto de ensino em que se inserem. Na base
da selecção dos mesmos, estiveram os seguintes objectivos educacionais:
t$POIFDJNFOUPEPTGVOEBNFOUPTFN3*
t'PSNBÎÍPFNFTUSBUÏHJBTEFQFTRVJTB
t$POIFDJNFOUPEFTJTUFNBTEFSFDVQFSBÎÍPEBJOGPSNBÎÍP43*
Estes mesmos objectivos foram identificados para RI por Fernández-Luna (2009)
na área de Ciências dos Computadores (CC), apesar daquela não fazer parte da
essência de CC.
Os métodos de ensino adoptados são múltiplos, e são (re)combinados em
função do perfil de cada turma, privilegiando-se o método activo em detrimento do
expositivo.
O método de avaliação seleccionado constitui um misto de avaliação contínua
(trabalhos práticos) e de avaliação final (exame com parte teórica e parte prática) por
se considerar importante a existência de provas em que seja possível analisar diferentes
aptidões dos alunos. A parte prática do exame pretende reproduzir em sala de aula
exercícios de aplicação prática passíveis de ocorrerem em contexto profissional, à
semelhança daquilo que sucede, ao longo do semestre, nas aulas da UC aquando da
resolução de exercícios práticos.
Sistema de ensino
Convencional, e-learning ou b-learning?
Dadas as características da RI, e dado o facto de existir uma significativa percentagem
de alunos trabalhadores-estudantes no curso de CTDI, a escolha recairia sempre no
b-learning. Adicionalmente, ainda não é plausível assegurar, em função de diversos
factores que passam por veis de decisão e de alocação de recursos variados, um curso,
integralmente, em sistema de ensino à distância ou e-learning na ESEIG/IPP. Deste
modo, facultar uma UC, isoladamente, em e-learning não traria vantagens acrescidas
de per si. Um sistema de blended learning ou b-learning, implica a disponibilização
de conteúdos numa plataforma de e-learning a par da realização de aulas em ambiente
de sala de aula física, e, em virtude do processo de Bolonha, a par da disponibilização
de apoio tutorial em ambiente de sala de aula (para além da carga horária lectiva) e
do atendimento no gabinete.
Disponibilizar conteúdos online implica a análise de uma série de aspectos que
deverão ser tidos em conta: tipo de conteúdo de acordo com a sua actualização e de
acordo com a sua tipologia. Conteúdos, maioritariamente, estáveis como os conceitos
fundamentais de RI não necessitam de grande actualização e podem ser facultados em
formatos mais estáticos, enquanto que conteúdos não estabilizados como tópicos objecto
de investigação deverão ser facultados em formatos mais dinâmicos (Henrich, 2009).
A unidade curricular do RI é disponibilizada online na plataforma de e-learning
adoptada na ESEIG/IPP: o Moodle. Esta plataforma apresenta algumas limitões que
depressa são esquecidas quando nos recordamos do facto de que a mesma o acarreta
qualquer encargo financeiro para a instituição. várias plataformas comercializadas
3 2 5
extremamente eficazes, mas as restrições orçamentais são determinantes na selecção
deste tipo de soluções. Os conteúdos estão dispostos porpicos e agrupam os conceitos
fundamentais, os conteúdos objecto de investigação (incidindo nos 3 últimos pontos
do programa), os exercícios práticos e os trabalhos práticos, os SRI, os motores de
pesquisa, etc. Os formatos disponibilizados são: pdf, html, xml, ppt, doc; e, também,
ligações para canais do Youtube (deos da University of North Carolina at Chapel Hill
Gary Marchionini; do Google), entre outros
11
. Ficheiros de vídeo não o carregados,
directamente, devido às limitações de upload da plataforma mesmo assim, e a título
de exemplo, refira-se que no ano lectivo de 2008/2009 não foi possível importar a
disciplina do ano lectivo anterior pelo facto de o ficheiro ser muito maior (cerca de
162 MB) do que os 64 MB permitidos
b-learning ensino, comunicação e interacção
Desenvolver competências implica um papel activo por parte do aluno e a promoção
da interactividade por parte do docente. Comunicar deve conduzir à interacção, já
que, tal como demonstrou Shannon, no processo info-comunicacional o canal de
comunicação existente entre emissor e receptor permite o feedback.
Pesquisar/recuperar informação implica, acima de tudo raciocínio e espírito
crítico.
Para ser bem sucedido na resolução de um exercício (o que exige a utilização
simultânea de quase todas as competências enunciadas para a UC), um aluno deve:
1. conseguir analisar e representar o contdo de uma necessidade de informação,
2. conhecer inúmeros recursos de informação, ou saber como aceder-lhes, e saber
avaliar quais os recursos mais adequados a cada caso,
3. dominar as técnicas/funcionalidades de pesquisa passíveis de serem utilizadas
num SRI,
4. saber elaborar uma síntaxe de pesquisa ou query criando alternativas sucessivas
com rapidez,
5. saber interpretar os resultados do SRI e equacionar nova estratégia de pesquisa
se necessário.
Boas bases conceptuais em RI, aptidão tecnológica, capacidade de abstracção,
velocidade de processamento cognitivo e espírito crítico/capacidade de avaliação são,
portanto, requisitos que facilitam o bom desempenho académico e profissional nesta
área central e essencial da Ciência da Informação.
Aulas convencionais em que são projectados slides, acetatos, ou outro tipo de
documentos (não raras vezes, apenas, lidos) sem que o debate seja suscitado ou
estimulado por parte do docente, ou aulas ditas bolonhesas” em que o docente
permanece na sala (quando não está no gabinete) sem interagir com os alunos nem
11
o constitui caso único, apesar de a ideia ter ocorrido sem outras influências pvias outros
docentes de RI de outros países têm a mesma prática de forma a poderem cobrir um espectro maior da
temática de RI (Jones, 2007).
3 2 6
sequer assumindo o papel de tutor no esclarecimento de dúvidas e na orientação dos
trabalhos práticos cujos enunciados elaborou, não promovem o desenvolvimento de
competências nem estimulam o raciocínio.
12
Debates, projecção de vídeos com pausas para discussão e anotação de tópicos no
quadro ou num acetato ou slide, técnicas de “brainstorming”, entre outras possibilidades,
são técnicas de ensino que podem promover a interactividade em ambiente de sala
de aula.
Já nas plataformas digitais, a comunicão pode ser ncrona, tal como em ambiente
de sala de aula (física ou virtual), ou assíncrona. Como exemplo de comunicação
síncrona temos o Messenger, o ICQ, o Google, o Skype, o Second Life (que permite
ambiente de sala de aula ou de contexto profissional virtual), etc. Como exemplo de
comunicão assíncrona temos o email, os fóruns, os blogues, os sites com comentários
e co-edição (Google Sites), etc.
Competências profissionais em contexto educacional
Neste novo contexto educacional europeu, torna-se premente a criação de esmulos
e a colocação de desafios aos alunos de forma a conseguir a adesão, não só dos alunos
ditos profundos”, dos alunos ditos “superficiais” (Jones, 2007).
A criação de estímulos já ficou exemplificada acima.
A colocação de desafios pode traduzir-se na criação de competições que atribuam
prémios aos vencedores. Na unidade curricular de RI em análise, foram criadas as
“Olimpíadas de RI”, no ano lectivo de 2006/2007 (1ª ocorrência da UC no 2º semestre),
que consistem numa competição em que os alunos participantes resolvem uma série
de exercícios práticos (nos moldes do enunciado da parte prática do exame), mas
com cronómetro. Os vencedores (os 3 mais rápidos de entre aqueles que obtiverem a
melhor classificação) obtêm um crédito de pontos variável de acordo com a posição
obtida, previamente anunciado, na classificação de uma prova de avaliação da UC
(geralmente, na parte prática do exame). A classificação final pode ser beneficiada
até um máximo de 10%
13
. Na generalidade, os alunos aderem com entusiasmo e
consideram que a existência do cronómetro faz com que tenham melhores resultados
na parte prática do exame final, aumentando os níveis de confiança e diminuindo o
stress durante a prova de avaliação.
As aulas tutoriais previstas nos horários do curso têm sido mais valorizadas pelos
docentes do que pelos alunos, possivelmente, pelo facto de não estarem sujeitas a
regime presencial. Todavia, se o estilo tutorial fôr adoptado pelos docentes ao longo
do semestre, em todos os contactos com os alunos, nota-se uma melhor adesão dos
alunos no cumprimento das tarefas agendadas.
12
Teaching information retrieval using research questions to encourage creativity and assess understanding
(Jones, 2007), passim.
13
Outros autores mencionam experiências semelhantes em artigo publicado este ano (Henrich,
2009).
3 2 7
Os enunciados dos exercícios e dos trabalhos práticos, bem como da parte prática
do exame (ponderação de 40% para trabalhos + 30% para a prática do exame = 70%
na classificação final) procuram recriar situações reais passíveis de ocorrerem em
contexto profissional.
Conclusão
O sistema de ensino adoptado tem-se revelado adequado ao desenvolvimento de
competências em Recuperação da Informação, pelo que o b-learning continuará a ser
a nossa opção nos próximos três anos lectivos.
As taxas de aprovação têm sido positivas ao longo destes 3 últimos anos lectivos
(2006/2007 a 2008/2009), bem como a avaliação da UC pelos alunos. Os estágios
profissionais em que as competências adquiridas em RI foram colocadas à prova
ou constituíram o tema central dos mesmos deixaram uma impressão positiva nas
instituições acolhedoras de estágio e/ou nos estagiários.
Um inquérito aos alunos acerca das especificidades da UC será uma forma de
poder aprofundar este trabalho e de pugnar pela melhoria contínua do processo de
ensino/aprendizagem no seio da unidade curricular, indicando-nos novos caminhos
ou inflexões sempre que necessário. Pretende-se introduzir este meio de controlo de
qualidade, em breve, no âmbito da UC.
Nos próximos anos lectivos, seria útil poder utilizar outras funcionalidades no
sistema de e-learning da ESEIG, tais como o webcast ou o podcast.
Ter-se ateão à publicão de novos manuais de conceitos sicos e fundamentais
em RI, bem como aos congressos da temática como o TREC, o SIGIR, o TLIR, etc.
Continuar-se-á a acompanhar a investigação em RI e a participar em redes de
investigação que permitam a partilha de materiais pedagógicos (indo para além da
utilização de plataformas colaborativas disponíveis online como o YouTube ou o Slide
Share), possibilitando aos alunos o acesso ao que de melhor se faz em RI, no resto do
mundo, em universidades de excelência.
Tem-se, igualmente, por objectivo continuar a actualizar os conteúdos da UC e a
apostar na interactividade em ambiente de sala de aula, e quem sabe se, num futuro
próximo, em webcast ou no Second Life
Referências Bibliográficas
BAEZA-YATES, R. & RIBEIRO-NETO, B. (1999). Modern information retrieval. New
York, USA: ACM Press.
BATES, J., BAWDEN, D., CORDEIRO, I., STEINEROVÁ, J., VAKKARI, P. & VILAR, P.
(2005). Information seeking and research. In: Kajberg, L. & Lørring, L. (Eds.) European
Curriculum Reflections on Library and Information Science Education, (pp. 84-100).
Copenhagen, Denmark: The Royal School of Library and Information Science.
BAWDEN, D., BATES, J., STEINEROVU, J., VAKKARI, P. & VILAR, P. (2007). Information
retrieval curricula: contexts and perspectives. In A. McFarlane, J. M. Fernandez Luna, I.
3 2 8
Ounis, & J. F. Huete (Eds.), Proceedings of the First International Conference on Teaching
and Learning Information Retrieval, London, UK.
BORGMAN, C. L. (2006). What can studies of e-learning teach us about collaboration in e-
research? Some findings from digital libraries studies. Computer Supported Cooperative
Work,
15:4, 359-383. DOI 10.1007/s10606-006-9024-1
EUROPEAN COUNCIL OF INFORMATION ASSOCIATIONS (2005). Euro-referencial
I-D. Lisboa, Portugal: INCITE.
FERNÁNDEZ-LUNA, J. M., HUETE, J. F., MacFARLANE, A. & EFTHIMIADIS, E. N.
(2009). Teaching and learning in information retrieval. Information Retrieval,
12:2, 201-
226. DOI 10.1007/s10791-009-9089-9
HENRICH, A. & SIEBER, S. (2009). Blended learning and pure e-learning concepts for
information retrieval: experiences and future directions. Information Retrieval,
12:2,
117-147. DOI 10.1007/s10791-008-9079-3
JONES, G. J. F. (2007). Teaching information retrieval using research questions to encourage
creativity and assess understanding. In A. McFarlane, J. M. Fernandez Luna, I. Ounis, &
J. F. Huete (Eds.), Proceedings of the First International Conference on Teaching and
Learning Information Retrieval, London, UK.
HALTTUNEN, K., JARVELIN, K. (2005). Assessing learning outcomes in two information retrieval
learning environments. Information Processing and Management, 41:4, 949-972.
LEE, S., FOX, E. A., MARCHIONINI, G., VELACSO, J., ANTUNES, G. & BORBINHA,
J. (2009). Virtual DL poster sessions in Second Life. JCDL’09, June 1519, 2009, Austin,
Texas, USA. ACM 978-1-60558-322-8/09/06.
McMARTIN, F., IVERSON, E., WOLF, A., MORRILL, J., MORGAN, G. & MANDUCA,
C. (2008). The use of online digital resources and educational digital libraries in higher
education. International Journal on Digital Libraries
, 9:1, 65-79. DOI 10.1007/s00799-
008-0036-y
MIZZARO, S. (2007). Teaching of web information retrieval: web first or IR first? In A. McFarlane,
J. M. Fernandez Luna, I. Ounis, & J. F. Huete (Eds.), Proceedings of the First International
Conference on Teaching and Learning Information Retrieval, London, UK.
SERRANO, A. (2003). A avaliação de serviços de informação do ensino superior. Páginas a&b:
arquivos e bibliotecas, 12, 7-65.
VILAR, P. & ZUMER, M. (2009). The Bologna Reform at the department of library and
information science and book studies, University of Ljubljana. Information Retrieval,
12:2, 102-116. DOI 10.1007/s10791-008-9077-5
3 2 9
Anexo 1
Tópicos IS&R (Bates, 2005) apresentados por Vilar (2009)
14
:
1 Basic concepts and relationships
Gen Relationships between HIB, IS, IR
Three perspectives: human/user, culture, system
Concepts: information and knowledge; documents; typology of information resources
Relevant research methodologies; laboratory, operational, qualitative, quantitative
2 Overview of HIB
HIB Frameworks, concepts, models, theories
Research approaches and methods
Example topics
Historical development of studies
3 Overview of IS
IS Frameworks, concepts, models, theories
Research approaches and methods
Example topics
Historical development of studies
4 Overview of IR
IR Frameworks, concepts, models, theories
Components of retrieval systems
Research approaches and methods
Example topics
Historical development of studies
5 Human information behaviour: people
HIB Individuals and groups
Occupation, age, activity, etc.
Characteristics: cognitive, social, cultural, organisational
6 Human information behaviour: sources and places
HIB Channels and media
Print, electronic, formal, informal, mass, local, ICTs
Places & spaces - libraries, information centres, archives, museums, information grounds
7 Human information behaviour: patterns of behaviour
HIB Browsing, encountering, avoidance, anxiety, advantages of lack of information, overload
Innovation and creativity
8 Information needs; nature, typology
HIB Identifying information needs; users and non-users
9 Information literacy
HIB Place of seeking/retrieval in wider context
Teaching and supporting users to retrieve
10 Organising and using information
HIB
11 Role of information professionals
14
Disponível em http://informationr.net/ir/12-4/colis/colise03.html
3 3 0
HIB
12 Information seeking in context
IS Occupational, professional, everyday life, etc.
13 Information seeking in specific domains (subjects)
IS Relation to domain analysis
Domain specific resources
14 Strategies and tactics for information seeking
IS Task-based and cognitive etc.
15 Relevance and satisfaction
IS Concepts, typology, history, empirical studies
16 Person-centred information services
IS Developing services around needs, using research findings
17 Historical development of IR systems
IR Associated IT: retrieval in different media - print, digital, network
18 Retrieval interfaces
IR HCI, usability testing, personalisation
Machine interfaces and interoperability, visualisation
19 Typology of retrieval systems
IR DBMS, factual/numeric systems
Bibliographic databases, full-text retrieval, e-journals, content management systems
OPACs, digital library, managing digital resources
Internet search engines, subject gateways, hidden web’, semantic web
Enterprise and knowledge management systems (Autonomy, Verity, Google, etc.)
20 Specialised retrieval
IR
E.g. multimedia, images, audio, sounds, music, fiction, chemical structure, genome and
protein sequence
21 Intelligent systems and techniques; cognitive aspects
IR Intelligent agents, AI
Data / text mining
Question-answering systems, recommender systems
Cyc
22 Retrieval tactics
IR General and specific
23 Citation searching, bibliometrics, webliometrics
IR
24 Retrieval language
IR Natural language processing, automatic indexing, classification, summarisation
Multilingual systems, CLIR
25 Metadata and controlled vocabularies
IR Controlled vocabularies in retrieval
Ontologies, subject headings, thesauri, taxonomies, classification, RDF, topic maps,
concept retrieval / topic retrieval / latent semantic retrieval
Metadata and retrieval
Intellectual metadata creation: cataloguing, indexing, abstracting
Format and content standards
26 Evaluation of systems and services
IR IR system evaluation: TREC, metrics and other performance measures
3 3 1
User-oriented evaluation of information seeking and searching
27 System design based on research findings
IR
28 New developments and future trends in HIB, IS and IR
Gen Current research topics
Evaluating research, evidence-based practice
... In Portugal the " Bologna Process " is now concluded. For example, in 2006, at the Department of Information Science of the largest Portuguese polytechnic institute (and one of the best ranked, at a national level, on some world university rankings) – Instituto Politécnico do Porto (IPP) – the degree in Information and Documentation Sciences and Technologies with the duration of 5 years was restructured to a degree with a smaller length of time of 3 years [17]. The degree adequacy was supported by two important works in LIS: [2,5,6]. ...