Conference PaperPDF Available

Objectivos educacionais da recuperação da informação em Ciências da Saúde / Information retrieval educational goals in Health Sciences

Abstract

This paper is intended to expose a reflexion about information retrieval (IR) educational goals in the academic and professional area of Health Sciences, specifically in Medicine, analysing and identifying a change in user seeking goals in the digital era and, eventually, on educational goals as well. The paper is structured in two sections in which issues and particularities that characterize students and trainees in HS while acquiring IR skills through aspects like information literacy and IR teaching. On a first section, several aspects of information literacy are specified, such as user goals, IR systems, IR skills, information seeking strategies (queries) and user perception of search success. The second section focuses on teaching IR aspects, such as: if there is a need to change nowadays IR educational goals, discipline and domain specific educational goals in Health Sciences, assessment and feedback, and e-resources in Health Sciences. _________________________________ Esta comunicação tem como objectivo expor uma reflexão acerca dos objectivos educacionais da Recuperação da Informação (RI) na área académica e profissional das Ciências da Saúde, mais especificamente na Medicina, analisando e identificando uma mudança nos objectivos de pesquisa do utilizador na era digital bem como, eventualmente, nos objectivos educacionais. A comunicação estrutura-se em duas secções onde se explicam as facetas e as particularidades características dos discentes e dos formandos das Ciências da Saúde, na aquisição de competências de RI, através dos aspectos da literacia da informação e do ensino da RI. Numa primeira secção são especificados vários aspectos acerca da literacia da informação, tais como: objectivos do utilizador, sistemas de RI, ferramentas de RI, estratégias de pesquisa e percepção do utilizador acerca do sucesso da pesquisa. A segunda secção foca-se em questões acerca do ensino da RI, tais como: se existe uma necessidade de mudar os actuais objectivos educacionais da RI, objectivos educacionais específicos da área académica e profissional das Ciências da Saúde, avaliação e feedback, e recursos electrónicos nas Ciências da Saúde.
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
Objectivos educacionais da Recuperação da Informão
em Cncias da Saúde
Information Retrieval Educational Goals in Health Sciences
Anabela Serrano
Instituto de Engenharia Electnica e Telemática de Aveiro / Institute of Electronics and Telematics
Engineering of Aveiro (IEETA)
Universidade de Aveiro
Campus Universitário de Santiago
3810-193 AVEIRO
PORTUGAL
e-mail: anabelaserrano@ua.pt
Website: http://www.ieeta.pt/
Departamento de Ciência da Informação / Department of Information Science
Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão - Instituto Politécnico do Porto
Rua D. Sancho I, 981
4480-876 VILA DO CONDE
PORTUGAL
e-mail: anabelaserrano@eu.ipp.pt
Website: http://www.eseig.ipp.pt/
Resumo
Esta comunicação tem como objectivo expor uma reflexão acerca dos objectivos
educacionais da Recuperação da Informação (RI) na área acamica e profissional das
Ciências da Saúde, mais especificamente na Medicina, analisando e identificando uma
mudança nos objectivos de pesquisa do utilizador na era digital bem como,
eventualmente, nos objectivos educacionais. A comunicação estrutura-se em
du
a
s
s
ecç
õ
e
s
onde se explicam as facetas e as particularidades características dos discentes e
dos formandos das Ciências da Saúde, na aquisição de competências de RI, através dos
aspectos da literacia da informação e do ensino da RI. Numa primeira secção são
especificados vários aspectos acerca da literacia da informação, tais como: objectivos do
utilizador, sistemas de RI, ferramentas de RI, estratégias de pesquisa e percepção do
utilizador acerca do sucesso da pesquisa. A segunda secção foca-se em questões acerca
do ensino da RI, tais como: se existe uma necessidade de mudar os actuais objectivos
educacionais da RI, objectivos educacionais específicos da área académica e
profissional das Ciências da Saúde, avaliação e feedback, e recursos electrónicos nas
Ciências da Saúde.
Palavras-chave: Recuperação da Informação, Objectivos educacionais, Ciências da
Saúde
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
Abstract
This paper is intended to expose a reflexion about information retrieval (IR) educational
goals in the academic and professional area of Health Sciences, specifically in
Medicine, analysing and identifying a change in user seeking goals in the digital era and,
eventually, on educational goals as well. The paper is structured in two sections in which
issues and particularities that characterize students and trainees in HS while acquiring IR
skills through aspects like information literacy and IR teaching. On a first
s
ecti
on,
s
e
v
e
r
al aspects of information literacy are specified, such as user goals, IR systems, IR
skills, information seeking strategies (queries) and user perception of search success.
T
h
e second section focuses on teaching IR aspects, such as: if there is a need to change
nowadays IR educational goals, discipline and domain specific educational
goals in Health Sciences, assessment and feedback, and e-resources in Health Sciences.
Keywords: Information Retrieval, Educational goals, Health Sciences
Introdução
A Recuperação da Informação é uma área disciplinar fundamental da Ciência da
Informação, igualmente presente nas Ciências da Computação ou na Engenharia
Informática, que está, inequivocamente, ligada à vasta e interdisciplinar á
r
ea
prof
i
ss
i
on
al da Informação. Todavia, numa sociedade da informação e
do
c
onh
ecime
n
t
o,
as competências adquiridas nessa área disciplinar são, cada vez mais,
necessárias a profissionais e acamicos de muitas outras áreas e ao cidao comum no
seu quotidiano, incluindo as obrigões profissionais e cívicas, para satisfação das suas
ltiplas e frequentes necessidades de informação.
Ensinar num meio acamico para audiências académicas é algo diferente de ensinar
para audiências profissionais ainda que, igualmente, num meio académico, pelo que se
estabelece uma distinção entre discentes e formandos, sempre que necessário, ao longo
da comunicação.
1. Literacia da Informação
1.1 Objectivos do utilizador
Todos nós produzimos e consumimos informação. E, actualmente, consumimo-
la diariamente e, cada vez mais, em maior quantidade. Usamos informação a
todo o instante não, apenas, aquela que produzimos e a que recebemos, mas,
também, aquela que procuramos. Pode dizer-se que informação gera informação.
Quanto mais se produz e se difunde, a um ritmo cada vez mais avassalador,
maior necessidade de informação sentimos, o que nos leva a procurar mais
informação. A maior acessibilidade da informação e a crescente difusão da
mesma, aliadas à formão e educação permanentes, aumentam a percepção das
necessidades de informão, o que conduz a um aumento da procura de
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
informação. Procurar, isto é, pesquisar informão tornou-se numa rotina numa
sociedade global ligada por redes sem fios. As técnicas de recuperação da
informação, originalmente restritas aos cientistas da informação e da computação
e, igualmente, aos profissionais da informação (para além de mais alguns),
saíram para as ruas estando presentes em vários dispositivos electrónicos que
usamos no nosso dia-a-dia: telemóveis, PDA/smartphones, netbooks, PC tablets,
computadores portáteis, e-readers, etc. Os motores de pesquisa, sobretudo o
Google, tornaram a informação mais acessível. A informação deixou de ser,
apenas, algo a que todos temos o direito de aceder para se tornar no centro das
nossas vidas e da nossa sociedade. A visão de Vannevar Bush [1] tornou-se
realidade. Estamos viciados em informação, quer provenha da Internet (email,
nocias, redes sociais, páginas web, blogs, portais, etc.), de telemóveis ou da
comunicação social, e adoramos interagir comunicando e, até, publicando
informação a todo o momento. Padecemos de excesso de informação, pelo que
necessitamos, desesperadamente, de saber como recuperar a informação de que
necessitamos, e apenas essa informação relevante e pertinente de acordo com
as nossas necessidades. Pom, poucos de nós sabemos como atingir o sucesso
nos resultados de pesquisa. [2] [3]
As competências de recuperação da informação (RI) são essenciais em várias
áreas profissionais como as da Ciência da Informação (CI), das Ciências da
Computação (CC), das Ciências da Saúde (CS), da Gestão das Organizões, da
Investigação Criminal, etc. Os especialistas de RI são formados em cursos de
graduação, e de pós-graduação, em Ciência da Informação e em Ciências da
Computação, mas, os utilizadores que trabalham na área da Saúde médicos,
enfermeiros, etc. têm necessidades de informação de carácter urgente cuja
satisfação pode ter um enorme impacto na nossa sociedade. A satisfação de
necessidades de informão depende da acessibilidade de serviços
d
e i
nfor
maçã
o
e de recursos de informação que permitam a realização de pesquisas que
conduzam à recuperação da informação pretendida. A qualidade de um serviço e
o seu impacto na sociedade podem ser avaliados, quer o serviço seja tradicional,
híbrido ou digital. Para equacionar a importância de um serviço de informação,
«o é suficiente avaliar os recursos de que o serviço dispõe (“inputs”), a
satisfação do utilizador e a qualidade do serviço (outputs) ou até as medidas de
desempenho (processos), pois tornou-se, extremamente, importante determinar
qual o impacto que o serviço de informação tem na comunidade envolvente e na
sociedade. Este é, seguramente, um objectivo
difícil de alcançar dada a difícil mensurabilidade dos dados a ter em conta.
Todavia, houve já estudos que apontaram nesse sentido, e houve pelo menos um
que teve sucesso assinalável: o estudo de Rochester. Este estudo foi levado a ca
bo
pelos bibliotecários hospitalares da área geográfica de Rochester em Nova Iorque,
entre Setembro de 1990 e Março de 1991, e publicado em 1992 por J.G. Marshall
da Universidade de Toronto (Faculty of Library and Information Science) no
Bulletin of the Medical Library Association (continuado por Journal of the
Medical Library Association). O estudo consistia num projecto de investigação
que tinha por objectivo explorar o impacto dos serviços
d
a
b
i
b
li
o
teca hospitalar na
tomada de decisão cnica e que abrangeu um universo
de 448 médicos, tendo o questionário sido devolvido preenchido por 208 deles.
Os resultados são impressionantes e podem ser confirmados em pormenor no
resumo do artigo publicado. A conclusão do estudo foi a de que os médicos
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
consideram que a biblioteca hospitalar tem um impacto significativo na tomada
de decisão cnica, conclusão essa que fica devidamente reforçada pelos dados
estasticos apresentados. Só para citar alguns exemplos: em 80% dos casos o
recurso à biblioteca hospitalar modificou um qualquer aspecto da decisão
cnica. Em 51% dos casos a selecção dos exames complementares de
diagnóstico foi alterada, em 45% dos casos foi alterada a selecção da terapia por
fármacos, e em 19% dos casos foi evitada a mortalidade do paciente. Com
efeito, este estudo reflecte bem o impacto que serviços de informação eficientes
podem ter na sociedade.» [3] [4]
Pesquisar informação pode ser uma tarefa demorada, confusa ou menos
motivadora quando não sabemos como fazê-lo. Os especialistas em RI são peças
importantes da sociedade da informação quer como profissionais quer como
formadores de profissionais de várias outras áreas como a das CS. A medicina
baseada na evidência pressiona os médicos, desde há muito tempo, a investirem
na educação permanente e na investigação cnica. E não é por acaso que a
MEDLINE é uma das mais antigas bases de dados científicas, tendo sido um dos
primeiros catálogos bibliográficos a ser colocado em linha (“online).
1.2 Sistemas e ferramentas de RI e estratégias de pesquisa da informação
Educação e formação diferem, em parte, quanto à sua focagem. A educação
centra-se na teoria e a formação centra-se na prática. [5] Os alunos de CI
aprendem RI através de programas de educação incluídos em planos de estudos
de licenciaturas, mestrados, ou de especializões pós-graduadas, enquanto os
médicos e os alunos de medicina adquirem competências de RI através de
programas de formação, habitualmente, desenvolvidos para utilizadores de
bibliotecas hospitalares ou acamicas.
Os modelos de ensino são, igualmente, diferentes consoante se trate de um curso
de educação ou de um curso de formação. O desenvolvimento curricular deve
ser adaptado às expectativas de aprendizagem dos alunos ou formandos. A
análise pvia de estudos do utilizador acerca do comportamento informacional,
e de inquéritos aos alunos acerca da sua percepção do processo de pesquisa da
informação, pode auxiliar os formadores e os professores no desenvolvimento de
programas de formação ou de educação.
Os cursos de educação centram-se no ensino de conceitos teóricos: fundamentos
de RI como modelos e sistemas, técnicas/funcionalidades de pesquisa, etc. Por
outro lado, os cursos de formação centram-se no ensino de aplicações pticas,
como a pesquisa em sistemas específicos sem que se proceda a uma comparação
dos sistemas de RI explorados. Nesta abordagem de ensino, os formandos nunca
aprendem que a técnica de pesquisa mostrada no sistema A se encontra presente
no sistema B sob um símbolo/comando diferente. Todavia, esta abordagem pode
ser útil para profissionais sobrecarregados pelas suas obrigões profissionais,
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
tal como os médicos, que não têm tempo para aprender os fundamentos de RI e
que acorrem, regularmente, aos recursos de informação para recuperarem
informação pertinente que suporte a sua ptica clínica. Misturar, sabiamente,
ambas as abordagens pode trazer resultados positivos.
Dar aos alunos e aos formandos uma perspectiva, profunda ou breve de acordo
com o perfil do seu curso, dos fundamentos de RI é sempre uma boa ideia.
Permite-lhes ter conhecimento de todas as opções possíveis, o que os torna mais
autónomos na exploração de um sistema de RI. A modelação do processo de RI
pode constituir um bom ponto de partida para um módulo ou disciplina
ministrado a alunos de CI. A análise do processo em si, tal como o conhecem à
data de entrada no curso ou disciplina, pode ser um desafio interessante e um
ponto de partida para explorar a história da RI desde a visão de Bush e com a
ajuda das setes idades de Michael Lesk, por exemplo. Uma visão mais alargada
de todo o processo de acesso à informação pode ajudar a compreender a
importância da RI e a sua conexão com as tarefas de análise da informação
(modelação de sistemas de informação, indexão e condensação, controlo de
autoridade, construção de thésaurus) e, igualmente, com aspectos de
armazenamento da informação. Conhecimentos de modelação de sistemas de
informação e de matemática [7] seriam, de igual modo, importantes nesta fase de
aprendizagem. Os alunos de CI nem sempre têm essas competências, mas, a sua
aquisição pvia deveria ser considerada pelos responsáveis pelo
desenvolvimento curricular de novos cursos de CI ou pela reformulação
d
e
c
ursos
de CI já existentes. Por outro lado, os alunos de CS e os de CC têm
competências de matemática, e os de CC têm, também, as competências de
modelação de sistemas de informação.
Os modelos de RI devem ser explicados e explorados partindo dos ts modelos
clássicos, sem esquecer os modelos alternativos, para os modelos e
s
t
ru
t
ur
a
dos.
Os
modelos de navegão, também, devem ser mencionados. [8] Processamento
de interrogações” (“query) e resultados da pesquisa são dois dos conceitos
que os alunos melhor compreendem. Necessidades de informação” é o conceito
que menos recordam. [9] Ensinar-lhes a síntaxe de pesquisa é extremamente
importante, dado que lhes permite construir estratégias de pesquisa com
qualidade, lançando queries” que conseguem extrair resultados relevantes dos
sistemas de recuperação da informação.
1.3 Percepção do utilizador acerca do sucesso na pesquisa
A percepção do utilizador acerca do sucesso na pesquisa é um dos problemas
mais prementes em RI. Por vezes, devido ao desconhecimento da dimensão dos
recursos de informação e das técnicas/funcionalidades de pesquisa, os
utilizadores não se apercebem se estão, ou não, a ter sucesso numa pesquisa ao
analisarem os resultados obtidos. O crescimento exponencial da informação tem
vindo a agravar este problema. Mesmo motores de pesquisa eficientes como o
Google não conseguem assegurar que um determinado query foi,
completamente, respondido. Saber quando parar de realizar uma determinada
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
pesquisa pode ser uma tarefa árdua. E a utilização dos limites temporais como
forma de redução do âmbito da pesquisa nem sempre constitui a melhor opção.
Mesmo em CS, a informação mais antiga pode ser tão válida quanto a
informação mais recente. Por exemplo, algumas doenças estudadas ou alguns
fármacos testados há décadas atrás podem nunca ter estado disponíveis nas bases
de dados cuja história o tem mais de cinco décadas. Pom, isso não significa
que não tenham interesse para pesquisas actuais. Mas, mesmo quando a
informação se encontra disponível em suporte digital, o número de acessos é
inversamente proporcional à idade do documento. E constitui ptica frequente
limitar a pesquisa a períodos temporais mais recentes, embora essa opção nem
sempre faça sentido. Um caso muito conhecido é o de uma voluntária sauvel
de 24 anos, técnica no Johns Hopkins Hospital, que faleceu, em 2 de Junho de
2001, um mês depois de ter iniciado a participação num ensaio cnico (para
investigar as causas da asma) na Johns Hopkins University com uma substância
(hexamethonium) cuja toxicidade (pulmão) tinha sido estudada na década de
50 do séc. XX (antes do aparecimento da MEDLINE), estudo esse que, todavia,
estava acessível em suporte digital nessa data. [10] Pom, a pesquisa de
informação realizada como suporte do ensaio clínico apresentou algumas falhas,
de acordo com a investigação encetada após o óbito ocorrido, entre as quais o
facto de não terem sido pesquisadas datas mais recuadas. Refira-se que a
MEDLINE tem carregado registos bibliográficos anteriores a 1966, tendo
recuado já até 1946.
A maioria dos utilizadores provenientes das CS acredita ter sucesso ao realizar
uma pesquisa num sistema de RI. Esta percepção estará, provavelmente,
relacionada com a qualidade da informação recuperada e do sistema de RI
utilizado (frequentemente a MEDLINE/PubMed), e com o impacto daquela na
ptica cnica.
2. Ensino de RI
2.1. Objectivos educacionais
Tal como foi mencionado ats, os objectivos educacionais do docente devem,
de algum modo, corresponder às expectativas de aprendizagem dos discentes ou,
pelo menos, estas devem ser consideradas no desenvolvimento de programas
curriculares. Apresenta-se aqui uma abordagem dos objectivos educacionais em
RI que foi aplicada a CI, mas que tem a particularidade de ser adaptável a outras
áreas como as CS. Não foram encontrados estudos acerca dos objectivos
educacionais de RI para as CS, pelo que a alise aqui realizada se centra numa
experiência vivida por dentro e que envolveu uma pesquisa de informação
alargada de suporte à sua concretização: o desenvolvimento curricular de uma
unidade curricular de Recuperação de Informação num curso do ensino superior
da área de CI em Portugal em 2006.
Recentemente, na Europa, durante o Processo de Bolonha de adequação dos
graus do ensino superior, vários países procederam a uma adequação dos planos
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
curriculares dos seus cursos superiores e à criação de novos cursos do ensino
superior no espírito da Declaração de Bolonha assinada por 29 países europeus a
19 de Junho de 1999. A adequação dos graus do ensino superior implicou, em
muitos casos, uma mudança na selecção das várias possíveis abordagens ao
processo de ensino/aprendizagem, dependendo da área cienfico-técnica e da
essência de cada unidade curricular (u.c.). A focagem que alguns cursos
colocavam na transmissão de conhecimentos antes de Bolonha voltou-se para o
desenvolvimento de competências mediante uma participação activa do aluno
dentro do próprio processo de ensino/aprendizagem. Em CI, a área temática de
RI constitui um desafio aliciante na aplicação das recomendões de Bolonha
quer por pertencer ao “core da CI quer por se tratar de uma área onde sempre
houve uma grande actividade de investigação.
Em Portugal, o Processo de Bolonha encontra-se concluído. Por exemplo, em
2006, no Departamento de Ciência da Informação do Instituto Politécnico do
Porto, a Licenciatura em Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação
com a duração de 5 anos foi adequada para a duração de 3 anos. [11] A
adequação teve por base duas importantes obras em CI publicadas em 2005:
Euroguide LIS (ou EuroReferencial I-D) e European Curriculum Reflections on
Library and Information Science. [12] [13] [14] De forma a conseguir cobrir a área
de competências de Pesquisa e Recuperação da Informação” (“Information
Seeking and Information Retrieval IS&R) foram criadas duas u.c.:
Comportamento Informacional e Recuperação da Informação. As competências
dos alunos foram identificadas de acordo com o EuroReferencial I-D. Para a u.c.
de RI foram definidas as seguintes competências:
C
o
m
p
etê
n
cia
s
gerais:
1. Compreender e definir conceitos básicos de recuperação de informação;
2. Desenvolver a capacidade de análise, e a de avaliação e diagnóstico;
3. Aplicar os conhecimentos adquiridos a novas situões equacionando a
resolução de problemas no donio profissional;
4. Implementar projectos.
C
o
m
p
etê
n
cia
s
específicas:
1. Analisar pedidos de informação complexos, elaborar estratégias de
pesquisa e reproduzir o resultado da pesquisa;
2. Identificar e seleccionar fontes de informação;
3. Dominar instrumentos e técnicas de pesquisa;
4. Diagnosticar e avaliar sistemas de recuperação de informação (SRI).
Subjacentes à definição destas competências educacionais e dos conteúdos do
plano curricular estiveram ts objectivos educacionais: o conhecimento de
fundamentos de RI e de sistemas de RI, bem como a formação em estratégias de
pesquisa. Coincidentemente, outros autores defenderam o mesmo, alguns anos
depois, para RI em CC. [5] O programa de ensino que tem sido leccionado, desde
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
2006, assenta em sete tópicos que se entendeu corresponderem melhor às
competências acima referidas:
Introdução à Recuperação da Informação (RI) o processo de RI
Sistemas de RI
Modelos de RI
Processamento de interrogações
Recuperação de Informação na Web
A interface do utilizador e a visualização
Avaliação de Sistemas de RI
Estes tópicos são passíveis de vários desenvolvimentos, e de serem dados com
maior ou menor profundidade em função do contexto de ensino em que se
inserem. A adopção do estilo tutorial é uma das opções que permite ir de
encontro aos princípios defendidos no Processo de Bolonha.
2.2. Avalião e feedback
A avaliação está relacionada, até certo ponto, com os métodos de ensino
adoptados e com o sistema de ensino seleccionado. Na área de RI, um método de
ensino activo constitui, talvez, a opção mais acertada. A mistura e a
r
ec
o
m
b
i
n
açã
o
de métodos de ensino, de acordo com a adesão de cada turma,
podem criar uma interactividade muito interessante, de várias formas, em
ambiente de sala de aula. Quando se tem uma abordagem de ensino interactiva e
de aplicação prática, a avaliação incidirá, provavelmente, no trabalho prático
exercícios em sala de aula ou na plataforma de “e-learning, trabalhos, parte
ptica em exames finais, etc. Todas estas formas de avaliação pretendem recriar
problemas reais da vida profissional a serem resolvidos dentro do ambiente de
ensino/aprendizagem quer o sistema de ensino seleccionado seja o tradicional, o
“e-learning ou o b-learning.
O desenvolvimento de competências pressupõe que os alunos/formandos tenham
um papel activo e que os professores/formadores promovam a interactividade. A
comunicação conduz-nos à interacção, tal como Shannon demonstrou na sua
teoria info-comunicacional com assento na matemática: ao transmitir informação
numa mensagem, através de um meio de transmissão, o canal de comunicação
abstracto entre emissor e receptor permite o feedback.
Pesquisar/recuperar informação implica, acima de tudo, raciocínio e espírito
crítico. Para se ser bem sucedido na resolução de um exercício (o que exige a
utilização simultânea de quase todas as competências enunciadas para a u.c.),
um aluno deve:
conseguir analisar e representar o conteúdo de uma necessidade de
informação,
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
conhecer inúmeros recursos de informação, ou saber como aceder-lhes, e
saber avaliar quais os recursos mais adequados a cada caso,
dominar as técnicas/funcionalidades de pesquisa passíveis de serem
utilizadas num SRI,
saber elaborar uma síntaxe de pesquisa ou query criando alternativas
sucessivas com rapidez,
saber interpretar os resultados do SRI e equacionar nova estratégia de
pesquisa se necessário.
Boas bases conceptuais em RI, aptio tecnológica, capacidade de abstracção,
velocidade de processamento cognitivo e espírito crítico/capacidade de avaliação
são, portanto, requisitos que facilitam o bom desempenho acamico e
profissional nesta área central e essencial da CI.
Aulas convencionais baseadas, exclusivamente, num método de ensino passivo
como o método expositivo, sem que se estabeleça interacção com os alunos, têm
menor probabilidade de promoverem o desenvolvimento de competências ou de
estimularem o raciocínio. Uma mistura de vários métodos e/ou técnicas como a
discussão de grupo, o debate, as aulas com apoio em materiais audiovisuais,
técnicas de brainstorming, entre outras possibilidades, pode facilitar a
promoção da interactividade na sala de aula. A mistura do sistema de ensino
tradicional com o sistema de ensino à distância ou “e-learning, isto é, a adopção
do sistema de ensino blended learning ou b-learning pode permitir,
igualmente, a criação de um ambiente dinâmico e interactivo acessível a todo o
momento.
Nas plataformas digitais, a comunicação pode ser síncrona, tal como em
am
b
ie
n
te de sala de aula (física ou virtual), ou assíncrona. Como exemplo de
comunicação síncrona temos o Messenger, o ICQ, o Google, o Skype, o Second
Life (que permite ambiente de sala de aula ou de contexto profissional virtual),
etc. Como exemplo de comunicação assíncrona temos o e-mail, os fóruns, os
blogues, os sites com comentários e co-edição (Google Sites), etc. [15] A
utilização de sistemas de “e-learning exige a análise de múltiplos aspectos que
devem ser considerados, tais como o tipo de conteúdo segundo a última
actualização e a tipologia inerente. O conteúdo estável, como os fundamentos de
RI, que não necessita de ser, frequentemente, actualizado é mais adequado para
ser disponibilizado em formatos mais estáticos, enquanto o conteúdo instável,
como tópicos de investigação, que necessita de ser, frequentemente, actualizado
deve ser disponibilizado em formatos mais dinâmicos. [16]
Estimular os alunos e colocar-lhes desafios de forma a obter a sua adesão, quer
dos alunos ditos profundos” quer dos ditos superficiais, torna-se premente no
novo contexto educacional europeu. A colocação de desafios pode traduzir-se na
criação de competições que atribuam prémios aos vencedores, sob a forma de
uma bonificação na classificação final obtida pelo aluno na u.c., por exemplo.
Os alunos aderem, habitualmente, com entusiasmo a este tipo de desafio. Testar
a velocidade na resolução de problemas em RI com o auxílio de um cronómetro,
numa fase avançada da u.c., pode melhorar os resultados obtidos pelos alunos no
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
exame final e, consequentemente, na classificação final da u.c. A realização
deste tipo de competição tem conduzido a um aumento dos níveis de confiança e
a uma diminuição do stress” durante o exame final. Na u.c. de RI acima
referida como exemplo, isso tem-se verificado, desde 2006, através de taxas de
aprovação positivas ao longo dos cinco últimos anos lectivos (2006/2007 a
2010/2011) e pelo feedback” positivo dos alunos aquando da avaliação da u.c.
em inquéritos pedagógicos anuais distribuídos aos alunos pela instituição de
ensino superior onde se insere o curso em que é leccionada a u.c. (classificada de
4,60 a 4,83 numa escala de 0 a 5), bem como pelo bom desempenho nos estágios
profissionais curriculares na área de RI. O feedback” dos alunos, também, pode
ser obtido através de questionários realizados pelo professor da u.c. com o
objectivo de proceder a uma melhoria connua do processo de
ensino/aprendizagem em RI. Os resultados destes questionários internos à u.c.
podem, em função das questões colocadas, indicar novas direcções ou possíveis
alterações quando e onde sejam necessárias.
Nos cursos de formação é usual solicitar aos formandos um “feedback ace
r
ca
do
curso mediante o preenchimento de um questionário no final do mesmo.
Normalmente, estes cursos têm uma duração inferior, pelo que os questionários
incluem outro tipo de questões como, por exemplo, os possíveis benefícios
profissionais que podem advir da frequência do curso. Os formandos de CS
estarão mais interessados em avaliarem o impacto do curso no seu desempenho
na ptica cnica, mas isso será percepvel algum tempo após o fim do curso
de formação. A satisfão do utilizador numa pesquisa de informação pode,
igualmente, ser avaliada bem como a utilidade da pesquisa para as questões
cnicas a MEDLINE e a EMBASE lideram as preferências dos médicos, e a
primeira destaca-se, inequivocamente, de todas as outras fontes de informação.
[17]
2.3. Recursos de informação em Ciências da Saúde
A título exemplificativo, apresenta-se uma lista selectiva de recursos de
informação electrónicos em CS:
Arizona Health Sciences Library e-Journal Locator
http://zp9vv3zm2k.search.serialssolutions.com/?V=1.0&L=ZP9VV3ZM2K&N=
100&S=T_AZ&C=A
BioPortal Ontologias utilizadas em comunidades biomédicas
http://bioportal.bioontology.org/
CiNAHL
http://www.ebscohost.com/cinahl/
EMBASE - Excerpta Medica Database
http://www.embase.com/
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
Environmental Health & Toxicology - portal
http://sis.nlm.nih.gov/enviro.html
Intute / Medicine UK universities portal
http://www.intute.ac.uk/medicine/
Intute / Nursing, midwifery and allied Health - UK universities portal
http://www.intute.ac.uk/nmah/
MEDLINE/PubMed
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed
Merriam-Websters Medical Dictionary
http://www2.merriam-webster.com/cgi-
bin/mwmedsamp?book=Medical&va=sample
National Centers for Biomedical Computing (NCBC)
http://www.ncbcs.org/
National Institute of Health (NIH)
http://www.nih.gov/
PDQ Physician Data Query
USA National Cancer Institute (NCI) comprehensive cancer database.
http://www.cancer.gov/cancertopics/pdq/cancerdatabase
PLoS Public Library of Science
http://www.plos.org/
PLoS Medicine Revistas em Acesso Livre publicadas pela PLoS
http://www.plosmedicine.org/home.action
SciPort Health Cluster Portugal (a ser lançado a 19 de Outubro de 2011)
http://www.scienceportugal.com/en/
TOXNET Toxicology Data Network
http://toxnet.nlm.nih.gov/
Conclusão
Pesquisar/recuperar informação é uma rotina na vida de qualquer médico. Fazê-lo na
Internet já se tornou um hábito para a generalidade da classe médica e não só para os
mais jovens no início deste século, cerca de 65% dos médicos americanos acima dos
60 anos já realizavam pesquisas na Internet. Porém, a difusão da informação relevante
para a ptica cnica continua a ser algo demorada estudos referem que seis meses a
dois anos após a publicação de uma descoberta com repercussões na prática cnica
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
metade ou mais de metade dos cnicos ainda desconheciam essa novidade. A difusão
selectiva da informação pode ser uma solução muito parcial para o problema, dado que
a multiplicidade de necessidades de informação dos médicos e a complexidade de
algumas especialidades mais abrangentes, como a medicina interna e a cnica
geral/medicina de família, não permitem definir perfis de utilizador completos.
Alargar as competências em RI dos alunos de medicina e dos médicos conduzi,
seguramente, a melhores resultados na prática cnica e a uma investigação cnica de
qualidade acrescida. Deste modo, seria útil a existência de uma unidade curricular nos
cursos de medicina dedicada à RI, para além da frequência de cursos de formação em RI
que, usualmente, são leccionados nas bibliotecas do ensino superior (Biblioteca da
Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Biblioteca da Universidade de
Aveiro, Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Biblioteca da
Faculdade de Letras da Universidade do Porto, por exemplo) no caso dos médicos que
já não frequentam ciclos de estudos do ensino superior.
A realização de estudos de investigação acerca do comportamento informacional dos
médicos e de outros profissionais das CS pode conduzir ao desenvolvimento curricular
de cursos de educação ou de formação em RI adequados ao perfil destes profissionais,
bem como à criação de interfaces do utilizador optimizadas para plataformas digitais
específicas das CS e dos serviços de saúde. A investigação nesta área pode trazer,
igualmente, desenvolvimentos positivos aos serviços de informação em saúde. Numa
época de crise económica e social, a gestão eficaz de recursos e de sistemas de
informação em saúde como suporte de uma ptica e de uma investigação cnica de
excelência constitui, decerto, uma aposta no futuro e o contrapeso possível aos cortes
orçamentais.
Referências bibliográficas
[1] Bush V (1945) As we may think. Atlantic Monthly July:47-61
[2] Serrano APS (2001) A biblioteca digital ou o acesso global. Páginas a&b: arquivos & bibliotecas
6:21-39
[3] Serrano A (2003) A avaliação de servos de informação do ensino superior. Páginas a&b: arquivos e
bibliotecas 12:7-65
[4] Marshall JG (1992) The impact of the hospital library on clinical decision making: the Rochester
study. Bull Med Libr Assoc 80(2):169-178
[5] Fernández-Luna JM, Huete JF, MacFarlane A et al (2009) Teaching and learning in information
retrieval. Information Retrieval. doi 10.1007/s10791-009-9089-9
[6]Lesk M (1996) The seven ages of information retrieval. IFLA.
http://www.ifla.org/VI/5/op/udtop5/udt-op5.pdf.
Accessed 29 March 2010
[7] MacFarlane A (2009) Teaching mathematics for search using a tutorial style of delivery. Information
Retrieval. doi 10.1007/s10791-008-9078-4
[8] Baeza-Yates R, Ribeiro-Neto B (1999) Modern information retrieval. ACM Press, New York
Colóquio Internacional MEDINFOR II A Medicina na Era da Informação
Porto - 21 a 23 de Novembro de 2011
[9] Efthimiadis EN, Hendry DG (2005) Search engines and how students think they work. In:
Proceedings of the 28th annual international ACM SIGIR conference on Research and development in
information retrieval. doi 10.1145/1076034.1076145
[10] McLellan F (2001) 1966 and all that - when is a literature search done. Lancet. 358(9282):646
[11] Serrano APS (2009) O b-learning no desenvolvimento de competências em Recuperação da
Informação. In: Borges MM, Sanz Casado E (eds) A ciência da informação criadora de conhecimento:
actas do IV Encontro Ibérico EDIBCIC 4(1): 319-331
[12] European Council of Information Associations (2004) Euroguide LIS: Vol. 1: competencies and
aptitudes for European information professionals. ADBS. http://www.certidoc.net/en/euref1-
english.pdf. Accessed 29 March 2010
[13] European Council of Information Associations (2004) Euroguide LIS: Vol. 2: levels of qualification
for European information professionals. ADBS. http://www.certidoc.net/en/euref2-english.pdf.
Accessed 29 March 2010
[14] Bates J, Bawden D, Cordeiro I et al (2005) Information seeking and research. In: Kajberg L, Lørring
L (eds) European Curriculum Reflections on Library and Information Science Education. The Royal
School of Library and Information Science, Copenhagen
[15] Jones GJF (2007) Teaching information retrieval using research questions to encourage creativity
and assess understanding. In: McFarlane A, Fernandez Luna JM, Ounis I et al (eds.) Proceedings of the
First International Conference on Teaching and Learning Information Retrieval. London
[16] Henrich A, Sieber S (2009) Blended learning and pure e-learning concepts for information
retrieval:
experiences and future directions. Information Retrieval. doi 10.1007/s10791-008-9079-3
[17] Hersh WR, Hickam DH (1998) How well do physicians use electronic information retrieval
systems?
A framework for investigation and systematic review. JAMA.
doi:10.1001/jama.280.15.1347
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Conference Paper
Full-text available
A adequação dos cursos do ensino superior ao processo de Bolonha implicou, em muitos casos, uma mudança na selecção das várias as abordagens possíveis, consoante a área científico-técnica e a essência de cada unidade curricular (UC), ao processo de ensino/aprendizagem. A tónica deixou de estar na transmissão de conhecimentos e passou para o desenvolvimento de competências mediante uma participação activa do aluno no processo em si. Em ciência da informação (CI), a área disciplinar de recuperação da informação (RI) constitui um desafio aliciante na aplicação dos princípios de Bolonha quer por pertencer ao “core” de CI quer pelo facto de ser uma área onde sempre houve uma enorme actividade de investigação. Após uma análise da literatura mais recente acerca do ensino e da aprendizagem de RI, apresenta-se um caso prático de desenvolvimento de uma UC em que se utiliza o b-learning como estratégia de desenvolvimento de competências em futuros profissionais de informação. Para além das competências a desenvolver nos discentes, da selecção do programa da UC e dos métodos/técnicas de ensino, são ainda explorados e discutidos os métodos de avaliação que possam ser mais adequados numa UC com estas características. Mediante a análise de dados relativos à avaliação do desempenho dos discentes pelo docente e à avaliação da UC pelos discentes, conclui-se que a adopção do sistema de ensino misto b-learning tem um impacto positivo no desenvolvimento de competências de RI. Por último, pondera-se sobre novos desenvolvimentos e experiências no âmbito da UC “Recuperação da Informação” do curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto.
Article
Full-text available
The study of information retrieval has increased in interest and importance with the explosive growth of online information in recent years. Learning about information retrieval within formal courses of study enables users of search engines to use them more knowledgeably and effectively, while providing the starting point for the explorations of new researchers into novel search technologies. The nature of information retrieval as a topic also makes it an ideal subject for developing a range of interdisciplinary and transferrable skills in those studying it.
Conference Paper
Full-text available
To investigate the nature of people's understandings for how search engines work, we collected data from 232 undergraduate and graduate students. Students were asked to "draw a labeled sketch of how search engines work." A reference model was constructed and each sketch was analyzed and compared against it for completeness. The paper presents preliminary results and discusses the implications for educational assessment and curriculum design on the one hand, and information system design on the other.
Article
Full-text available
A literature review of pedagogical methods for teaching and learning information retrieval is presented. From the analysis of the literature a taxonomy was built and it is used to structure the paper. Information Retrieval (IR) is presented from different points of view: technical levels, educational goals, teaching and learning methods, assessment and curricula. The review is organized around two levels of abstraction which form a taxonomy that deals with the different aspects of pedagogy as applied to information retrieval. The first level looks at the technical level of delivering information retrieval concepts, and at the educational goals as articulated by the two main subject domains where IR is delivered: computer science (CS) and library and information science (LIS). The second level focuses on pedagogical issues, such as teaching and learning methods, delivery modes (classroom, online or e-learning), use of IR systems for teaching, assessment and feedback, and curricula design. The survey, and its bibliography, provides an overview of the pedagogical research carried out in the field of IR. It also provides a guide for educators on approaches that can be applied to improving the student learning experiences.
Article
Full-text available
In these times of economic constraint, libraries of all types are under increasing pressure to evaluate their services. Hospital libraries face a particular challenge because the goals of the health care system demand that the relevance of library services to patient care be determined. The hospital librarians in Rochester, New York, responded to this challenge by developing a research project that explored the impact of library services on clinical decision making. A systematically sampled group of 448 physicians in the Rochester area agreed to participate in the study between September 1990 and March 1991. The physicians were asked to request some information related to a current clinical case and then to evaluate its impact on the care of their patients. Senior medical staff or administrators acted as study facilitators in each of the fifteen participating hospitals. As a result of the information provided by the library, 80% of the 208 physicians who returned their questionnaires said that they probably or definitely handled some aspect of patient care differently than they would have handled it otherwise. Changes in the following specific aspects of care were reported by the physicians: diagnosis (29%), choice of tests (51%), choice of drugs (45%), reduced length of hospital stay (19%), and advice given to the patient (72%). Physicians also said that the information provided by the library contributed to their ability to avoid the following: hospital admission (12%), patient mortality (19%), hospital-acquired infection (8%), surgery (21%), and additional tests or procedures (49%). The physicians rated the information provided by the library more highly than that provided by other information sources such as diagnostic imaging, lab tests, and discussions with colleagues. In addition to confirming earlier research findings that information provided by hospital libraries is perceived by physicians as having a significant impact on clinical decision making, the results increase our store of scientific knowledge about the specific nature and extent of the impact of information provided by the hospital library.
Article
O presente documento constitui uma análise de fontes de informação existentes acerca da avaliação de serviços de informação do ensino superior. O principal objectivo é o de conseguir traçar um esboço da realidade portuguesa no que diz respeito a este assunto. Em primeiro lugar, procura-se contextualizar os serviços de informação do ensino superior em Portugal em termos de política de educação a nível europeu e a nível nacional. Analisam-se as implicações da Declaração de Bolonha quer a nível europeu quer a nível nacional, concluindo que em Portugal será necessário proceder a uma reforma do ensino superior para que seja possível integrar a Europa do Conhecimento. Alerta-se para a ausência de uma política de educação consistente a nível do ensino superior português, e para a necessidade de pugnar pela garantia da qualidade não apenas dos cursos do ensino superior, mas também das instituições e dos seus serviços, incluindo os serviços de informação, mediante avaliações internas (auto-avaliação) e externas. Refere-se a ausência de uniformidade na terminologia utilizada pelos especialistas em avaliação de serviços de informação e tenta-se o estabelecimento de definições de alguns termos com base na literatura conhecida. A seguir, delineia-se um breve resumo histórico da evolução da área temática nos últimos trinta anos. Analisam-se os indicadores mais importantes para a avaliação de serviços de informação do ensino superior e alguns dos principais projectos e programas de investigação conhecidos. Analisa-se a realidade portuguesa através dos estudos publicados que se revelaram pertinentes. Conclui-se que, em Portugal, é urgente planear em política de educação no ensino superior e em política de informação na generalidade, e é preciso que os profissionais de informação comecem a publicar mais estudos acerca dos serviços de informação do ensino superior.
Article
Today, teaching and learning are mostly supported by digital material and electronic communication ranging from the provision of slides or scripts in digital form to elaborate, interactive learning environments. This article describes the prospects and risks of blended learning and e-learning for information retrieval courses. It deals with adequate content presentation and representation, as well as with interaction concepts and didactic considerations concerning the cost-benefit ratio of animations, applets, and multimedia elements. We present lessons learnt from 6 years of teaching information retrieval in blended learning and pure e-learning scenarios, and derive graded concepts for basic and advanced topics based on a book-like content representation on the one side, and lecture-recordings on the other side. Each concept is complemented by a pragmatic and focussed use of auxiliary elements such as forums and self-tests. Examples for beneficial and misguided applets and animations are given, along with criteria for their differentiation. Finally, critical success factors for technology enhanced learning approaches in the information retrieval field are derived concerning the creation, utilisation, and maintenance of courses. In short, we will argue that taking into account the nature and stability of the presented content, as well as a thorough consideration of the affordable creation and maintenance effort, are crucial for the success of such concepts. In addition, the closer the concept is to pure e-learning, the more important a high digital presence of the lecturer becomes.
Article
Understanding of mathematics is needed to underpin the process of search, either explicitly with Exact Match (Boolean logic, adjacency) or implicitly with Best match natural language search. In this paper we outline some pedagogical challenges in teaching mathematics for information retrieval (IR) to postgraduate information science students. The aim is to take these challenges either found by experience or in the literature, to identify both theoretical and practical ideas in order to improve the delivery of the material and positively affect the learning of the target audience by using a tutorial style of teaching. Results show that there is evidence to support the notion that a more pro-active style of teaching using tutorials yield benefits both in terms of assessment results and student satisfaction.