Archived project

O museu como espaço de interação

Goal: Projeto de pesquisa apresentado como dissertação de mestrado na FAU USP. O objetivo principal do projeto é estudar experiências de interatividade no espaço expositivo brasileiro, verificando a relação estabelecida entre visitante, dispositivo interativo e espaço arquitetônico, com foco no contexto brasileiro.

Date: 30 December 2016 - 29 December 2018

Updates
0 new
0
Recommendations
0 new
0
Followers
0 new
1
Reads
0 new
2

Project log

Bianca Manzon Lupo
added 2 research items
A definição dos princípios teóricos que delimitam a museologia enquanto disciplina parte de discussões relativamente re-centes, desenvolvidas sobretudo a partir da segunda metade do século XX. Diante desse contexto, destaca-se o pensamen-to de Waldisa Rússio Camargo Guarnieri (1990), que tenta entender as especificidades da museologia enquanto campo disciplinar autônomo, e propõe distanciamento em relação às concepções tecnicistas relacionadas ao trabalho com acervo ao encarar de modo abrangente a museologia em seu aspecto interdisciplinar e social. O conceito de "fato museal" apre-senta centralidade na teoria desenvolvida pela autora, enfatizando a importância da relação entre homem, objeto e cená-rio para o estabelecimento das relações museológicas. Se por um lado o "fato museal"ainda se mostra consistente para se pensar a museologia na contemporaneidade; por ou-tro, observa-se uma série de transformações pelas quais as instituições vêm passando nas décadas recentes. Para tanto, considera-se a ampliação do conceito de patrimônio cultural, a formação de museus baseados em bancos de dados digi-tais e a ampla utilização de recursos expográficos tecnológicos. Esses fatores nos levam a repensar sobre a base teórica e metodológica previamente estruturada. Afinal, torna-se comum no século XXI a criação de instituições museológicas de-sassociadas de acervos materiais, nas quais o uso de recursos expográficos tecnológicos e interativos assume papel fundamental no que se refere à comunicação entre o museu e seu público. No Brasil, algumas instituições criadas nas décadas recentes lidam especificamente com essas questões: Museu da Língua Portuguesa (São Paulo, 2006), Museu do Futebol (São Paulo, 2008), Museu das Telecomunicações (Rio de Janeiro, 2007), Museu Catavento (São Paulo, 2009), dentre outros casos de importância. A partir do contexto apresentado, pode-se observar a desassociação em relação a acervos materiais para o tratamento de temas imateriais. Nesse sentido, emerge a seguinte pergunta: de que maneira se reelabora o conceito de "fato museal" em face do uso de novas tecnologias expográficas e da constituição de acervos baseados em bancos de dados digitais?
O conceito de interatividade tem sido amplamente utilizado como premissa para a estruturação institucional de museus, sendo comumente introduzido no espaço museológico nas décadas recentes. A museografia interativa frequentemente aparece como alternativa para a apresentação de acervos formados a partir de bancos de dados digitais, participando ativamente da constituição de museus encarados como centros de referências e da criação das narrativas museais. Embora a interatividade em museus seja um tema recorrente em estudos acadêmicos recentes, a relação entre o conceito e o projeto de arquitetura de museus ainda constitui um tema passível de investigação. Por esse motivo,delineia-se como o objetivo principal deste artigo investigar a relação entre o conceito de interatividade e o projeto de arquitetura, tendo como foco principal a análise do contexto brasileiro a partir dos casos de referência selecionados: Museu do Futebol (São Paulo, 2008) e Museu do Amanhã (Rio de Janeiro, 2015). A partir da análise proposta, pretende-se aprofundar o entendimento sobre a consolidação do campo da museografia interativa no Brasil, verificando suas implicações para o projeto de arquitetura de museus ao avaliar como se configura a relação entre acervos digitais, museografia interativa e arquitetura de museus.
Bianca Manzon Lupo
added 12 research items
O conceito de interatividade tem sido amplamente utilizado como premissa para a estruturação institucional de museus, sendo comumente introduzido no espaço museológico nas décadas recentes. A museografia interativa frequentemente aparece como alternativa para a apresentação de acervos formados a partir de bancos de dados digitais, participando ativamente da constituição de museus encarados como centros de referências e da criação das narrativas museais. O artigo pretende analisar a interatividade entendida como diálogo entre arquitetura, museografia e museologia, investigando sua relação com a concepção e recepção do espaço expositivo contemporâneo. Para tanto, possui como foco principal a análise do contexto brasileiro a partir dos casos de referência selecionados: Museu do Futebol (São Paulo, 2008) e Museu do Amanhã (Rio de Janeiro, 2015). Com o estudo proposto, pretende-se aprofundar o entendimento sobre a consolidação do campo da museografia interativa no Brasil, verificando suas implicações para o projeto de arquitetura museal.
A ampla utilização de recursos tecnológicos, cenográficos e interativos no espaço expositivo contemporâneo, garantindo a aproximação do grande público a partir de artifícios como projeções, vídeos e terminais multimídia, associa-se ao processo de desmaterialização do acervo e estabelece novas relações entre o público e o espaço arquitetônico. É possível estabelecer um discurso museológico a partir das novas tecnologias da comunicação? Quais as consequências dessa opção no âmbito da preservação patrimonial e da concepção espacial? Para tanto, serão analisados o Museu da Língua Portuguesa (São Paulo, 2006), o Museu do Futebol (São Paulo, 2008) e o Museu do Cinema (Turim, 2000).
Bianca Manzon Lupo
added a project goal
Projeto de pesquisa apresentado como dissertação de mestrado na FAU USP. O objetivo principal do projeto é estudar experiências de interatividade no espaço expositivo brasileiro, verificando a relação estabelecida entre visitante, dispositivo interativo e espaço arquitetônico, com foco no contexto brasileiro.