Article

A co-construção da leitura e escrita na educação infantil em uma perspectiva sociocultural construtivista

Source: OAI

ABSTRACT Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2006. Nas sociedades letradas, as crianças iniciam desde o nascimento o contato com a linguagem escrita. Dependendo da situação socioeconômica e cultural em que estejam inseridas, elas descobrem o aspecto funcional da comunicação escrita, desenvolvendo interesse e curiosidade pela língua escrita, em maior ou menor intensidade. O presente estudo trata do processo de coconstrução da leitura e escrita por crianças da educação infantil e teve como principais focos (1) as práticas de leitura vivenciadas na escola e na família e (2) o Projeto de Formação de Leitores e Escritores, composto por dois subprojetos: ‘A Hora do Conto e da Escrita Significativa’ - SPHC e o ‘Bolsa de Leitura’ - SPBL. Estes, articulados entre si, visavam desenvolver as práticas de leitura e escrita das crianças e suas famílias. A revisão da literatura, apoiada em uma concepção sociocultural construtivista do desenvolvimento humano, discute o conceito de leitura e escrita na educação infantil. Constituiu-se como objetivo do presente estudo contribuir para a construção do conhecimento sobre o processo de formação de leitores e escritores, por meio das interações crianças – pesquisadora e família (mãe/(pai) de crianças da educação infantil. Participaram do estudo, 11 crianças de 4 e 5 anos de idade de uma turma de jardim II de uma instituição comunitária de uma cidade do DF e suas mães/(pais), a professora da turma e a pesquisadora. Os dados foram construídos com base em: análise documental; sondagem da leitura e escrita das crianças; observação em sala de aula; entrevistas com a professora e as famílias; e dos dois subprojetos - o primeiro, SPHC, realizado diretamente com as crianças na sala de aula; o segundo, SPBL, dirigido à interação da mãe/(pai) com a criança por meio de práticas de leitura. Os resultados do SPHC, analisados microgeneticamente, indicaram que: 1) o vínculo criado entre pesquisadora e crianças permitiu estabelecer uma relação de confiança entre os segmentos envolvidos; 2) a relação de confiança e a condução das SEs com base em um planejamento bem estruturado contribuiu para que as crianças ampliassem suas interações e interlocuções com o código lingüístico e outras linguagens, a estética, a artística e a plástica; 3) as estratégias de assistência às crianças na condução das SEs, principalmente, a do scaffolding foram fundamentais para a consecução dos objetivos do subprojeto; 4) as crianças participaram ativamente das leituras e da escrita de textos, apesar de não lerem e escreverem convencionalmente, antecipando fatos, complementando a fala do outro, introduzindo novos temas de seu interesse para discussão, dialogando com os textos, movimentando-se em direção à construção da fantasia e imaginação; cooperando e externalizando o conhecimento de suas vivências com a língua escrita, construindo os significados e os signos lingüísticos. A análise dos resultados do SPBL indicou que para essas famílias: 1) a leitura e escrita significam uma ferramenta importante para a formação de seus filhos, sobretudo para a ascensão social; 2) a leitura e escrita eram utilizadas para resolver problemas cotidianos: (a) liam jornais, folhetos, contas (luz, água e telefone), revistas femininas e a bíblia; (b) faziam anotações de endereços, telefones, jogos da sorte, escreviam pequenos bilhetes e receitas culinárias, e assinavam documentos. Observamos, ainda, que essas práticas de leitura eram marcadas pela questão de gênero, o jornal é o texto mais valorizado pelos homens e a bíblia pelas mulheres. Em relação à participação das famílias do SBPL todas elas, mais especificamente as mães, participaram do subprojeto realizando atos de leitura com os filhos e avaliaram essa experiência como uma estratégia positiva uma vez que despertou o interesse dos filhos pela leitura. Nesse sentido, concluímos que para desenvolver a leitura e a escrita principalmente de crianças das camadas populares, cabe a escola utilizar situações de ensino-aprendizagem criativas, envolvendo tanto as crianças quanto às famílias. Sugerimos como considerações finais novas aplicações deste projeto em contexto de classes populares. _____________________________________________________________________________ ABSTRACT In the educated society, children have contact with the written language since their birth. Depending on their socio-economical and cultural situation, these children find out the functional aspect of the written communication and develop interest in this language, in bigger or smaller intensity. The present research deals with the process of co-construction of reading and writing by children of the early education. It focused on (1) the reading practices experienced at the school and at home and (2) the Project of Readers and Writers education, which is composed by two sub-projects: ‘The time of the tale and meaningful writing’ - SPHC and the ‘Reading bag’ - SPBL. These, inter-related, had as a goal the development of reading and writing practices of children and their families. The literature review, based on a sociocultural constructivist conception of the human development, approaches the concept of reading and writing in the early education. Based on that, the goal of the present research was defined, which is the construction of knowledge on the process of readers and writers education, through children, researcher and family (mother/(father)’s interactions in the early education. Eleven children, between 4 and 5 years old, their mothers/(fathers), the school teacher and the researcher herself were part of the research. The children were students of a class in the “jardim II” level of an institution of a local community of the Federal District. The data was developed based on: documental analysis, evaluation of children’s reading and writing; observation in the classroom; interviews with the teacher and families; and also the application of the two mentioned subprojects. The first sub-project (SPHC) was applied directly with the children in the classroom, the second (SPBL) was oriented to the interaction mother/(father)–child through reading practices. The results of the SPHC, micro-genetically evaluated, pointed out that: 1) the built connection between researcher and children allowed the establishment of a relation of trust among the involved parts; 2) the relation of trust and the conduction of the SEs based on a well structured strategy stimulated the children to increase their interactions with the linguistic code and other languages, such as the aesthetic, the artistic and plastic languages; 3) the strategies to assist the children on the conduction of the SEs, mainly the scaffolding strategy, were fundamental to achieve the goals of the subproject; 4) the children had an active involvement on the reading and writing of texts, in spite of not having a conventional reading or writing. They foresaw the facts, added facts to the speech of the others, introduced new themes of their interest into the discussion, and developed a dialog with the texts, moving into direction of a construction of fantasy and imagination; cooperating and liberating the knowledge of their lived experiences with the written language, building the meanings and the linguistic symbols. The analysis of results of the SPBL pointed out that, in the case of these families; 1) the reading and writing is an important tool to the education of their children, mainly to social improvement; 2) the reading and writing were used to solve daily problems: (a) reading of newspapers, brochures, bills (energy, water and telephone), woman magazines and the bible; (b) annotation of addresses, telephones, lucky games, little notes and cooking recipes and signing of documents. Furthermore, it was also noted that these reading practices were characterized by the gender aspect. The newspaper was the most meaningful text for the men and the bible for the women. Regarding the participation of the families of the SBPL, all of them, particularly the mothers, took part of the sub-project through reading activities with their children. They evaluated this experience as a positive strategy because it raised the interest of their children in reading. Therefore, the conclusion is that to develop the reading and writing, mainly of children on a low income structure, the school needs to apply creative actions of teaching and learning, involving not only the children but also their families. New applications of this project into the context of low income families are suggested as final considerations of the present work.

0 Bookmarks
 · 
105 Views
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: O texto analisa questões éticas enfrentadas na pesquisa com crianças de diferentes idades, grupos e contextos. Trata da concepção de infância subjacente às pesquisas em debate e analisa três questões. A primeira focaliza os nomes (verdadeiros ou fictícios) de crianças observadas ou entrevistadas e analisa se devem ou não ser explicitados na apresentação da pesquisa. A segunda discute a utilização de imagens de crianças - seus rostos - em especial a autorização do uso de imagens (em fotografias, vídeos ou filmes). A terceira trata das implicações ou do impacto social de resultados de trabalhos científicos e pergunta se é possível contribuir e devolver os achados, evitando que as crianças ou jovens sofram com as repercussões desse retorno, no interior das instituições educacionais que freqüentam e que foram estudadas na pesquisa. Tais questões emergiram na orientação de monografias, dissertações e teses.
    Cadernos de Pesquisa. 01/2002;
  • Source
    Cadernos de Pesquisa 01/2000;
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: O presente trabalho integra uma pesquisa mais ampla sobre as creches comunitárias na cidade de Fortaleza. Apresentamos aqui a análise das entrevistas realizadas com 25 professoras e 48 famílias usuárias dessas creches, que procuraram captar as suas percepções sobre o trabalho desenvolvido por esse tipo de equipamento. As educadoras trazem opiniões marcadas por preconceitos e falta de informações tanto acerca da creche como das crianças e de suas famílias. Na visão das famílias, de um modo geral, a creche está realizando bem a sua função. Os dois grupos parecem carecer de modelos de atendimentos de qualidade como parâmetros para as suas avaliações. Ressaltamos a persistência da precariedade desses equipamentos e a necessidade urgente de se prover as famílias usuárias e os grupos que defendem os interesses populares de informações acerca da especificidade da qualidade da educação infantil a fim de que possam identificar tais precariedades e buscar estratégias para superálas.
    Revista Brasileira de Educação. 01/2001;

Full-text

View
0 Downloads
Available from