Article

Análise eletrofisiográfica e histomorfológica do músculo tibial anterior de ratos submetidos a treinamento aeróbico com natação

Fitness & performance journal, ISSN 1519-9088, Nº. 1, 2009, pags. 49-55
Source: OAI

ABSTRACT Introdução: O objetivo deste estudo foi avaliar a força contrátil, a resistência à fadiga e a integridade fibrilar de um músculo fundamentalmente constituído de fibras anaeróbicas (tibial anterior) de ratos submetidos a treinamento aeróbico com natação. Materiais e Métodos: 21 ratos machos Wistar (353±32g) foram divididos em três grupos experimentais (n=7): grupo controle (GC), grupo treinado com carga (5% da massa corporal) em meio líquido (GTC) e grupo treinado sem carga em meio líquido (GT). O protocolo de treinamento de natação teve 1h diária, por cinco dias consecutivos, durante cinco semanas. Após 72h do período experimental, obteve-se o registro eletrofisiográfico do músculo tibial anterior: a) tensão máxima gerada pelo músculo (g); b) tempo (s) que o músculo manteve-se contraído até 50% da tensão máxima; e c) a área sob a curva tetânica (cm2) até 50% da tensão máxima, durante cada contração tetânica induzida. Além disso, foi feita análise histológica desse músculo. Para análise dos dados foi aplicado ANOVA, seguida pelo teste Tukey-Kramer. Resultados: Os resultados demonstraram que o GT apresentou valores significativamente superiores (p<0,05) em relação os demais grupos para a variável tempo de contração a 50% da tensão máxima. Além disso, a análise histológica não evidenciou qualquer tipo de dano muscular. Discussão: concluiu-se que o protocolo de treinamento utilizado sem o implemento de peso promove melhores adaptações musculares, aumentando a capacidade do músculo tibial anterior em resistir à fadiga.

Download full-text

Full-text

Available from: Inácio Bezerra Leão Filho, Jun 30, 2015
0 Followers
 · 
156 Views
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: Estudos recentes sugerem que a suplementação de creatina pode interferir com a captação de glicose e a produção de lactato durante a atividade física. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da suplementação aguda (5g.kg1 durante uma semana) e crônica (1g.kg1 durante oito semanas) de creatina sobre as concentrações sanguíneas de glicose e lactato de ratos sedentários e exercitados (natação a 80% da carga máxima tolerada). Setenta e dois ratos Wistar machos (240 ± 10g) foram utilizados e divididos igualmente em quatro grupos experimentais (n = 18): CON – ratos sedentários não suplementados; NAT – ratos exercitados não suplementados; CRE – ratos sedentários e suplementados; CRE + NAT – ratos exercitados e suplementados. As amostras sanguíneas foram obtidas antes e após o teste de determinação da carga máxima realizado semanalmente durante todo o experimento. Antes do teste de carga máxima, com exceção do grupo CRE-NAT (3-5 semanas), que apresentou concentrações plasmáticas de glicose inferiores em relação os demais grupos, todos os outros resultados foram semelhantes entre os grupos experimentais. Após o teste de carga máxima todos os grupos experimentais apresentaram redução das concentrações plasmáticas de glicose e aumento das concentrações plasmáticas de lactato. Contudo, em relação à glicose, esta redução foi significativamente (p < 0,05) pronunciada nos grupos CRE (1-4 semanas) e CRE + NAT (1-8 semanas) e, em relação ao lactato, o aumento foi significativamente (p < 0,05) menor nos grupos CRE (1-2 semanas) e CRE + NAT (1-8 semanas). Os achados deste estudo sugerem que o regime adotado de suplementação influenciou o perfil metabólico glicêmico, minimizou o acúmulo de lactato e potencializou a máxima carga suportada nos animais suplementados.
    Revista Brasileira de Medicina do Esporte 12/2006; 12(6):361-365. · 0.16 Impact Factor
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: The present study evaluated whether Ca(2+) entry operates during fatigue of skeletal muscle. The involvement of different skeletal muscle membrane calcium channels and of the Na(+)/Ca(2+) exchanger (NCX) has been examined. The decline of force was analysed in vitro in mouse soleus and EDL muscles submitted to 60 and 110 Hz continuous stimulation, respectively. Stimulation with this high-frequency fatigue (HFF) protocol, in Ca(2+)-free conditions, caused in soleus muscle a dramatic increase of fatigue, while in the presence of high Ca(2+) fatigue was reduced. In EDL muscle, HFF was not affected by external Ca(2+) levels either way, suggesting that external Ca(2+) plays a general protective role only in soleus. Calciseptine, a specific antagonist of the cardiac isoform (alpha1C) of the dihydropyridine receptor, gadolinium, a blocker of both stretch-activated and store-operated Ca(2+) channels, as well as inhibitors of P2X receptors did not affect the development of HFF. Conversely, the Ca(2+) ionophore A23187 increased the protective action of extracellular Ca(2+). KB-R7943, a selective inhibitor of the reverse mode of NCX, produced an effect similar to that of Ca(2+)-free solution. These results indicate that a transmembrane Ca(2+) influx, mainly through NCX, may play a protective role during HFF development in soleus muscle.
    Arbeitsphysiologie 07/2008; 104(3):445-53. DOI:10.1007/s00421-008-0796-5 · 2.30 Impact Factor
  • [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: The current rationale of clinical practice in spastic tendon transfer surgery is based on four assumptions: (1) changes in muscle fiber length (serial number of sarcomeres) determine the available length range and joint excursion, (2) muscle cross-sectional area determines the maximal force output, (3) fiber length and muscle force are invariable functions of muscle length, (4) there is an invariable relation between the elastic force and the active force exerted by the sarcomeres. The validity of these assumptions is discussed. Additionally, some new perspectives in muscle research are discussed and myofascial force transmission is introduced as a co-determinant for the outcome of tendon transfer by presenting some exploratory observations.
    Journal of Electromyography and Kinesiology 01/2008; 17(6):644-56. DOI:10.1016/j.jelekin.2007.02.002 · 1.73 Impact Factor