Article

Desempenho do PSF no Sul e no Nordeste do Brasil: avaliação institucional e epidemiológica da Atenção Básica à Saúde

Ciência & Saúde Coletiva (Impact Factor: 0.4). 01/2006; DOI: 10.1590/S1413-81232006000300015
Source: DOAJ

ABSTRACT A pesquisa, desenvolvida dentro dos Estudos de Linha de Base do Proesf analisou o desempenho do Programa Saúde da Família (PSF) em 41 municípios dos Estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Utilizou delineamento transversal, com grupo de comparação externo (atenção básica tradicional). Entrevistou 41 presidentes de Conselhos Municipais de Saúde, 29 secretários municipais de Saúde e 32 coordenadores de Atenção Básica. Foram caracterizados a estrutura e o processo de trabalho em 234 Unidades Básicas de Saúde (UBS), incluindo 4.749 trabalhadores de saúde; 4.079 crianças; 3.945 mulheres; 4.060 adultos e 4.006 idosos. O controle de qualidade alcançou 6% dos domicílios amostrados. A cobertura do PSF de 1999 a 2004 cresceu mais no Nordeste do que no Sul. Menos da metade dos trabalhadores ingressaram por concurso público e o trabalho precário foi maior no PSF do que em UBS tradicionais. Os achados sugerem um desempenho da Atenção Básica à Saúde (ABS) ainda distante das prescrições do SUS. Menos da metade da demanda potencial utilizou a UBS de sua área de abrangência. A oferta de ações de saúde, a sua utilização e o contato por ações programáticas foram mais adequados no PSF.

Full-text

Available from: Elaine Thumé, Mar 30, 2015
0 Bookmarks
 · 
241 Views
  • Source
    07/2011, Degree: PhD, Supervisor: Maria Ines Battistella Nemes
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: OBJECTIVE: To assess the inequalities in access, utilization, and quality of health care services according to the socioeconomic status. METHODS: This population-based cross-sectional study evaluated 2,927 individuals aged ≥ 20 years living in Pelotas, RS, Southern Brazil, in 2012. The associations between socioeconomic indicators and the following outcomes were evaluated: lack of access to health services, utilization of services, waiting period (in days) for assistance, and waiting time (in hours) in lines. We used Poisson regression for the crude and adjusted analyses. RESULTS: The lack of access to health services was reported by 6.5% of the individuals who sought health care. The prevalence of use of health care services in the 30 days prior to the interview was 29.3%. Of these, 26.4% waited five days or more to receive care and 32.1% waited at least an hour in lines. Approximately 50.0% of the health care services were funded through the Unified Health System. The use of health care services wa
    Revista de Saúde Pública 10/2014; 48(6-6):968-976. DOI:10.1590/S0034-8910.2014048005388 · 1.22 Impact Factor
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: RESUMO O presente estudo é de caráter descritivo-qualitativo e teve como objetivo analisar como enfermeiros que atuam em unidades básicas de saúde tradicionais do município de Cuiabá, Mato Grosso, percebem a influência da infraestrutura em suas práticas. Os dados foram coletados por meio de entrevista aberta, aplicada a cinco enfermeiros de unidades de saúde tradicionais, sendo utilizada a técnica de análise de conteúdo temática. Para enfermeiros, deficiências na estrutura física comprometem suas práticas, à medida que limitam a realização de ações além das preconizadas pelo modelo biomédico, desrespeitam o usuário e dificultam a realização de ações com a necessária resolutividade. Os equipamentos influenciam as práticas do enfermeiro, por impossibilitá-lo de executá-las de forma resolutiva e pelo desgaste gerado por contínuas cobranças aos gestores para sua manutenção e reposição. A falta de materiais e insumos impede o desenvolvimento de cuidados clínicos adequados. O estudo evidencia a necessidade de adequação da estrutura física e de melhoria na disponibilidade e manutenção de equipamentos e insumos importantes para uma a assistência de qualidade à saúde da população. Palavras chave: Atenção Primária à Saúde. Serviços de Saúde. Enfermagem. INTRODUÇÃO No cotidiano dos serviços de saúde muitas vezes os profissionais justificam a forma como desenvolvem suas práticas laborais com base na infraestrutura do local de trabalho, especialmente quando há dificuldades no componente da organização que, em sua opinião, resultam em limitações e improvisos (1) . Para a realização da prática na atenção básica é necessária, entre outras condições, a garantia de infraestrutura apropriada, com disponibilidade de equipamentos adequados, de recursos humanos capacitados e de materiais e insumos suficientes à assistência prestada (2) . A organização dos serviços de saúde deve incluir condições sociopolíticas, humanas e materiais que viabilizem um trabalho de qualidade, tanto para quem o executa quanto para quem recebe a assistência (3) . As ações do enfermeiro são influenciadas pelas várias características do sistema de saúde, entre outras, a disponibilidade, as limitações e a qualidade dos instrumentos ou meios de trabalho disponíveis nos serviços de saúde e o próprio trabalho do enfermeiro (4) . A atuação dos profissionais depende fortemente dos equipamentos, edifícios e ferramentas disponíveis, de modo que carências a ela relacionadas podem comprometer o trabalho das equipes e os seus resultados (5-8) . Ante a importância da questão, busca-se compreender a relação entre a infraestrutura física (equipamentos, materiais e insumos) e as práticas dos enfermeiros na atenção básica ou Atenção Primária à Saúde (APS) na realidade de Cuiabá, Mato Grosso, a partir de suas interpretações. O artigo tem por objetivo analisar a percepção de enfermeiros quanto à influência da infraestrutura em suas ações, recortando-se o contexto específico das unidades básicas de saúde (UBSs) tradicionais, que respondem, atualmente, por 60% da cobertura assistencial da população de Cuiabá. O artigo compõe a dissertação de mestrado "A infraestrutura de unidades básicas de saúde do município de Cuiabá-MT e sua relação com as práticas do enfermeiro", financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Mato Grosso (FAPEMAT) (9) .
    Ciência Cuidado e Saúde 10/2011; 10(1). DOI:10.4025/cienccuidsaude.v10i1.13288