Article

PROPAGAÇÃO DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA MEDIANTE ESTAQUIA SEMILENHOSA

Bragantia 01/1997; DOI: 10.1590/S0006-87051997000200016
Source: DOAJ

ABSTRACT Avaliaram-se os efeitos de tipos de estaca (com ferimento; base com nó; base com entrenó), de concentrações de ácido indolbutírico (AIB) (zero, 500, 1.000 e 2.000 mg/L) e de áreas foliares (zero, 25, 50, 75 e 100 cm2) na estaquia semilenhosa de alguns porta-enxertos de videira. O tipo de estaca não afetou a porcentagem de enraizamento e a retenção foliar, mas foi encontrado maior número de raízes emitidas com a utilização do ferimento, para o `Jales', e do nó na base das estacas, para o `Campinas'. O AIB também não afetou o enraizamento, mas incrementos na sua concentração promoveram aumento na emissão de raízes (raízes/estaca) e também na mortalidade de estacas. A presença da folha revelou-se fundamental para o enraizamento das estacas, não ocorrendo formação de raízes em estacas sem folha. O aumento da área foliar não afetou a porcentagem de enraizamento, mas influenciou positivamente o número, a massa e o volume de raízes emitidas por estaca. As mudas obtidas pela estaquia semilenhosa apresentaram diâmetro do caule insuficiente para a enxertia lenhosa de inverno. Os resultados mostraram que a estaquia semilenhosa é viável para a multiplicação rápida dos porta-enxertos de videira, mas não permite que a enxertia seja realizada no mesmo ano. As estacas podem ser preparadas apenas com uma gema e uma folha, que não deve ser cortada para não reduzir o crescimento das raízes.

0 Bookmarks
 · 
176 Views