Article

Estudo comparativo da classificação do grau de perda auditiva em idosos institucionalizados

Revista CEFAC 01/2009; 11(3). DOI: 10.1590/S1516-18462009005000024
0 Bookmarks
 · 
51 Views
  • Source
    [Show abstract] [Hide abstract]
    ABSTRACT: OBJETIVO: Avaliar limitações auditivas de idosos com perda auditiva sensorioneural de grau moderado a severo segundo variáveis escolaridade e grau da perda auditiva, por meio do questionário de auto-avaliação Abbreviate Profile of Hearing Aid Benefit (APHAB). MÉTODOS: Foi aplicado o questionário em 30 idosos antes e após três meses de uso da amplificação. A amostra foi composta por 60% mulheres e 40% homens, com média de idade de 71,6 anos. O grau de escolaridade foi distribuído em três categorias: não-alfabetizado, ensino fundamental e ensino médio. Os dados foram analisados estatisticamente. Os escores foram comparados por sub-escala, e a avaliação geral pela subtração desses escores. Além disso, foi calculada a associação entre benefício e grau de escolaridade e grau de perda auditiva. RESULTADOS: O estudo comparativo entre os escores obtidos na aplicação do questionário sem e com prótese auditiva revelou diferença nas sub-escalas Facilidade de Comunicação, Reverberação e Ruído Ambiental, com valores de p<0,001. Na sub-escala Aversão aos Sons ocorreu piora com a amplificação. Houve melhora no desempenho com prótese auditiva na avaliação geral nas três sub-escalas. Não houve associação entre o benefício obtido com a prótese auditiva, grau de escolaridade e grau de perda auditiva. CONCLUSÃO: Há benefício nas sub-escalas: Facilidade de Comunicação, Reverberação e Ruído Ambiental. Não há associação entre benefício, escolaridade e grau da perda auditiva. O benefício obtido na sub-escala Ruído Ambiental é menor que nas sub-escalas Facilidade de Comunicação e Reverberação.
    Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 03/2012; 17(1):47-53.

Full-text (2 Sources)

View
15 Downloads
Available from
May 16, 2014